publicidade

publicidade

Como calcular a quantidade de lâmpadas para cada ambiente


Um ambiente bem iluminado faz toda a diferença, não é mesmo?

Em qualquer planejamento de design ou arquitetura de interiores, a iluminação é um item que recebe, sempre, atenção especial. Cada nova proposta é feita “sob medida”. E para determinar quantos pontos de luz são necessários para iluminar artificialmente um cômodo, não basta usar apenas a intuição, é preciso fazer uma análise luminotécnica completa.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre como obter uma resposta para essa questão. Mesmo profissionais graduados na área podem ter dificuldades na realização do cálculo e em como compreender todas as necessidades de cada tipo de espaço, mas existe uma fórmula simples que pode ajudar qualquer um a começar a planejar ou fazer pequenos ajustes de iluminação em um ambiente, visando torná-lo mais agradável aos seus usuários.

(imagem extraída de Pixabay)

+ Vantagens do planejamento luminotécnico

Cada espaço possui características particulares, que estão diretamente relacionadas com suas dimensões, acabamentos e decoração – o que, por sua vez, tem a ver com as atividades exercidas no local. Tudo isso influencia na quantidade de luz adequada para o ambiente, ou seja, a iluminância que ele precisa receber. E é por isso que fazer o cálculo do número de lâmpadas é tão importante.

A boa iluminação faz os interiores parecerem mais charmosos, sofisticados, acolhedores, belos e funcionais. Esse aspecto também pode interferir no bem estar das pessoas, mexendo com seus sentimentos e humor. A maior parte dos projetistas entende que cada detalhe do planejamento luminotécnico é relevante. Não só a quantidade de luz como também a distribuição dos pontos, mas também a escolha do modelo de lâmpadas e de luminárias – que podem proporcionar menor consumo de energia, melhor destaque dos objetos, valorizar acabamentos e muito mais.

(imagem extraída de Pixabay)

+ O nível de iluminância do ambiente

Para definir qual a real necessidade de luz para cada ambiente, primeiro é preciso conhecer seu nível de iluminância, ou seja, a quantidade de luz já presente nele. Esse cálculo é mais complexo, pois envolve uma série de fatores que têm a capacidade de interferir, em maior ou menor grau, nesse espaço. Portanto, sem o devido conhecimento, fica mais difícil estabelecer, com precisão, um resultado.

A unidade de medida da iluminância – ou da quantidade de fluxo luminoso por metro quadrado – é o Lux. O valor médio para cada tipo de espaço é estabelecido de acordo com as atividades a serem realizadas. Uma maneira mais fácil e rápida de se obter esses números é consultando as normas. A NBR 5413, por exemplo, apresenta diversas tabelas sobre iluminância ideal em interiores.

Vejamos alguns valores de iluminância para residências:

  • Hall de entrada – 100lx
  • Sala de Estar – 150lx

  • Sala de Jantar – 500lx

  • Sala de Estudo – 500lx

  • Dormitório – 150lx

  • Cozinha – 150lx

  • Banheiro – 150lx

(imagem extraída de Pixabay)

+ O fluxo luminoso das lâmpadas

Conhecer a intensidade de luz que será emitida pelo tipo de lâmpada escolhido é um dos itens importantes na análise luminotécnica em arquitetura de interiores. Sua unidade de medida é o lúmen, que geralmente é descrito nas embalagens dos produtos de iluminação. Depois que se faz o cálculo do lúmen necessário para cada ambiente, é possível estabelecer quantos itens que será preciso ser comprado na loja de material de construção.

Vejamos alguns valores de lúmen versus watts, para diferentes modelos de lâmpadas:

Lúmen | Lâmpada Incandescente | Lâmpada Halógena | Lâmpada LED

– 270lm | 25W | 18W | 5-6W | 3W

– 450lm | 40W | 35W | 9-13W | 6-9W

– 800lm | 60W | 42W | 13-15W | 8-12W

– 1100lm | 75W | x | 18-23W | 13-15W

– 2600lm | 150W | x | 30-52W | 25-28W

(imagem extraída de Pixabay)

+ O cálculo do lúmen para cada ambiente

Para calcular o lúmen necessário para um ambiente, ou seja, a quantidade mínima de lâmpadas para iluminar adequadamente um espaço, deve-se multiplicar o valor do Lux médio – como visto na NBR 5413 – pela área total do cômodo. Agora, se o proprietário já tem as lâmpadas e quer saber se elas fornecerão luz suficiente, basta somar o lúmen de todas e dividir esse valor pelo metro quadrado.

Se o ambiente analisado fosse uma sala de estar, com dimensão de 5mx5m, por exemplo, a média de iluminância seria de 150lx. Então, multiplicando esse valor por sua área, o lúmen necessário seria de 3750. Se o projetista estabelecesse apenas quatro pontos de luz para esse ambiente, então poderiam ser compradas três lâmpadas de 1100 lúmen e uma de 450lúmen. Se a intenção fosse usar lâmpadas de LED, então seriam três itens de 13 a 15 watts e um de 6 a 9 watts.

(imagem extraída de Pixabay)

Outra maneira ainda mais fácil – só que nada preciso – que alguns autores recomendam para saber quantas lâmpadas é preciso para um determinado ambiente é multiplicando sua área por 16 ou 27. Assim, seria possível obter uma quantidade aproximada de watts.  Por exemplo, a sala de 25m² precisaria de 400 watts. Porém, se tratando de lâmpadas de LED, esse valor encontrado é bem maior do que o obtido no cálculo anterior. E um ambiente com luz em excesso, além de gastar muita energia elétrica, pode prejudicar a visão e causar outros danos à saúde dos usuários.

(imagem extraída de Pixabay)

+ Variáveis importantes

Mesmo realizando cálculos matemáticos para determinar o número de lâmpadas para cada ambiente, o projetista precisa estar atento a outros detalhes importantes. A profundidade das luminárias embutidas em um rebaixo de gesso; a distância entre os pontos de luz e sua proximidade com aparelhos eletrônicos, como televisores; os tons de cores das paredes, dos tetos e dos pisos; o número de aberturas para o exterior, como as janelas; a altura do pé-direito; e a reflexão dos materiais dos móveis e objetos decorativos podem interferir no nível de iluminância dos interiores.

É interessante concentrar as lâmpadas sobre as áreas que precisam ser mais bem iluminadas, com mais intensidade, como mesas de estudo, por exemplo. Às vezes, são necessárias várias adaptações no ambiente para obter resultados minimamente satisfatórios. O uso de lâmpadas de LED, que são mais duráveis, potentes, consomem menos energia e têm visual mais moderno, pode ser um começo. E por fim, independente do modelo escolhido, a realização de manutenção nas luminárias, assim como a limpeza periódica das lâmpadas, fará aumentar consideravelmente o rendimento das mesmas.


Leia Também:

Lâmpada inteligente reproduz a sensação de luz natural (e promete melhorar a sua qualidade de vida)

A lâmpada que dura 100 anos e a obsolescência programada

Resolução N°21 reacende a polêmica entre arquitetos, engenheiros civis e eletricistas


publicidade

publicidade

  • Fernanda Monelli Assini

    A NBR 5413 não esta em vigor, agora quem substitui é a NBR ISO 8995-1 Iluminação de ambientes de trabalho.

  • Djalma De Almeida Pestana

    Vale lembrar que a NBR 5413 foi substituída pela NBR ISO 8995-1.