publicidade

publicidade

Conheça o sistema de construção a seco e ecológico capaz de erguer uma casa de 50m² em 1h


O mercado da construção civil está em constante renovação, buscando sempre soluções para melhor atender as necessidades dos clientes, assim como as questões ambientais. Novos lançamentos tecnológicos vêm revolucionando o setor imobiliário. Como exemplo, têm-se os sistemas de construção a seco. Já existem alguns deles disponíveis no mercado brasileiro, em substituição às obras de alvenaria, inclusive no segmento de residências populares.


Veja também: Casa no padrão europeu é 25% mais barata, resiste a tremores e fica pronta em menos de uma semana


(imagem extraída de IT Sistemas Construtivos)

Há poucos anos, uma empresa doou para a Cidade Industrial do município de Curitiba, no Paraná, quatro residências. Elas foram construídas como um tipo de teste para implantação de novas casas populares na região, uma iniciativa que tem como parceria a Cohab – Companhia de Habitação Popular de Curitiba e a iniciativa privada. A tecnologia empregada foi a Inovatec System. O protótipo passou por diversas avaliações, para adaptá-lo corretamente às condições locais. A ideia, agora, é inseri-lo, aos poucos, ao programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal.

+ O  Inovatec System

O Inovatec System é um tipo de sistema construtivo ecológico, reconhecido mundialmente e com selo verde, emitido pela United States Green Building Council. Trata-se de uma composição de materiais sintéticos obtidos a partir de processos industriais. É baseada em processos náuticos e aeroespaciais. Combina fibras de vidro, resinas epóxicas e poliisocianurato. Pode ser utilizada para erguer edificações térreas, como residências, hospitais, escolas, armazéns e outros. No Brasil, o responsável técnico é o arquiteto Newton Fernando.

(imagem extraída de Governo de Curitiba)
(imagem extraída de IT Sistemas Construtivos)

+ Características do sistema

O método construtivo empregado no Inovatec System utiliza painéis monolíticos estruturais especiais, com densidade de 35kg/m³ a 45kg/m³. Eles são desenvolvidos na indústria e levados prontos para o canteiro de obras, já com os cortes dos vãos e as instalações elétricas e hidráulicas embutidas. As placas produzidas têm as medidas de dois e meio por doze metros. Elas não necessitam de estruturas auxiliares, como em outros sistemas construtivos a seco, já que são por si só estruturais.

São algumas de suas características:

– Resistência a ventos fortes, de até 250 km/h;

– Resistência a variações de temperatura e aos raios solares;

– Resistência à ação da maresia, de fungos e bactérias;

– Alta impermeabilização;

– Não inflamável;

– Não tóxico; e

– Baixo nível de manutenção, apresentando menos fissuras, infiltrações, emboloramentos e outros tipos de deteriorações precoces.

(imagem extraída de IT Sistemas Construtivos)

+ Vantagens e desvantagens

Assim como outros sistemas, o Inovatec System também apresenta suas vantagens e desvantagens. Um dos maiores benefícios do uso dessa tecnologia é que, com ela, se pode erguer uma edificação simples em cerca de quarenta e oito horas. Essa velocidade é quatro vezes maior em relação aos métodos tradicionais, algo que é realmente importante para quem busca reduzir custos e prazos de obra.

Mesmo que feitas muito mais rapidamente, essas unidades de habitações pré-fabricadas costumam ser seguras e apresentarem grande durabilidade. O custo de cada uma pode, dependendo do país, ser um pouco maior do que das de alvenaria tradicional, por exemplo. A diferença será mais bem percebida no canteiro de obras. Sua eficiência permite uma maior agilidade no processo construtivo, economia de recursos, limpeza e ordem do local. Enquanto outros métodos registram grandes perdas de materiais, o Inovatec System reduz esse percentual. Tudo isso é bastante positivo, tanto para o construtor, quanto para seus clientes e a natureza.

(imagem extraída de IT Sistemas Construtivos)
(imagem extraída de IT Sistemas Construtivos)

+ Instalação dos painéis

Embora a tecnologia pareça nova, ela já é utilizada há anos nos Estados Unidos. A instalação é padrão e começa com a criação da base, em radier – um sistema de laje em concreto armado. Depois, os painéis, em fibras e resinas, são instalados sobre perfis metálicos, nos formatos de ‘H’ e ‘U’ – de acordo com o projeto de montagem da edificação. Esses reforços são fixados à fundação por meio de parafusos do tipo parabolt.

Leva em torno de uma hora para uma casa de cinquenta metros quadrados ser erguida. A união entre suas placas é feita através de uma cola a base de resina epóxi, de grande resistência – um sistema de soldagem química a frio, chamado de Inovatec Bond. Assim como as paredes, os oitões e coberturas são compostos pelo mesmo tipo de material. Esses elementos também devem ser afixados a perfis metálicos. Todas as faces são, então, revestidas com um compósito reforçado com fibra de vidro.

(imagem extraída de Engenharia Civil Uni Brasil)

A fase final da construção é o acabamento. As paredes internas, assim como a face interna da cobertura, devem ser revestidas com placas de gesso acartonado, também fixadas com auxílio de parafusos. É recomendado que certos ambientes, como banheiros e cozinhas, sejam revestidos com placas cerâmicas, assentadas com argamassa industrializada. Os demais planos podem receber a aplicação de pintura comum, a base de tinta acrílica.

Quer saber mais? Então assista ao vídeo a seguir e acompanhe a construção de uma casa nesse sistema a seco, desde a fundação à cobertura:

FontesGazeta do PovoUnibrasilInepar Triunfo.


Leia Também:

Saiba como obter o selo LEED de sustentabilidade para o seu projeto

Já pensou em imprimir a sua casa?

Vila no Panamá é composta de casas feitas a partir de garrafas PET


publicidade

publicidade

  • Bruno Soares

    Qual o valor do m2 deste método executivo??