publicidade

publicidade

Emirados Árabes pretendem construir uma cidade… em Marte!


A ambição humana e os avanços tecnológicos e científicos parecem sem limites. E tem um país que está, neste momento, à frente do resto do mundo: os Emirados Árabes Unidos. Analisando sua capital, Dubai – que foi transformada de um deserto à cidade futurista – já se pode supor o quão longe pretende chegar. Sim, ao espaço! E a primeira façanha será logo em 2020, com o lançamento da sonda ‘Hope’, que irá orbitar Marte e estudá-la durante três anos.

Mas, existe um plano muito mais ambicioso que está sendo colocado em prática, o ‘Marte 2117’. Recentemente, o primeiro-ministro Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum anunciou na World Government Summit que os Emirados Árabes Unidos estão projetando construir, nos próximos cem anos, uma minicidade no “planeta vermelho”. Existem outros governos e organizações privadas que também sonham chegar à Marte antes disso. Porém, essa seria a primeira exploração espacial realizada por um estado árabe.

Registro fotográfico de uma cratera em Marte, feito a partir do rover Spirit. (imagem extraída de Wikipedia)

+ Árabes no espaço

O povo oriental sempre foi muito apreciador do estudo da astronomia. Por isso, não foi nenhuma surpresa a capacitação de profissionais e a criação de agências, nessa área, dentro de países de cultura árabe. O príncipe saudita Sultan bin Salman Al-Saud, por exemplo, esteve no espaço em 1985. O Egito lançou seu primeiro satélite de comunicações em 1998. E os Emirados Árabes Unidos criaram sua própria organização de exploração espacial em 2014.

Elon Musk, CEO da Tesla; e Mohammad al-Gergawi, ministro dos Assuntos Governamentais e do Futuro dos Emirados Árabes Unidos – durante Cúpula do Governo Mundial de 2017, em Dubai. (imagem extraída de The Times of Israel)
Pessoas apreciando os trajes do programa da agência espacial dos Emirados Árabes Unidos. (imagem extraída de Quartz)

+ Planos para Marte

Existem muitos países, principalmente do continente europeu, que pensam em direcionar o trabalho de seus programas espaciais para um possível retorno à Lua. Porém, o pensamento da maior parte dos cientistas no mundo está voltado, agora, à conquista de Marte. Seria um desafio e tanto, não há dúvidas. Afinal, são sessenta milhões de quilômetros separando a Terra desse planeta. Uma viagem assim, com a atual tecnologia disponível, seria apenas de ida.

Antes de o homem seguir com seus planos, é preciso que a ciência responda algumas questões fundamentais. Como quanto à produção de energia, de alimentos, a mobilidade e a habitação em ambiente marciano e, claro, as próprias condições para a realização da viagem espacial. Barack Obama anunciou, durante seu governo, que havia intenção dos americanos de levar humanos a Marte até 2030. A empresa privada Mars One planeja fazer um assentamento permanente no planeta até 2032. Já o biolionário Elon Musk quer colonizar o planeta o quanto antes, utilizando o ‘Sistema de Transporte Interplanetário SpaceX’.

Simulação de layout mostrando como a minicidade árabe marciana poderia parecer. (imagem extraída de Daily Mail)

+ A minicidade marciana

As declarações do governo árabe e da UAE Space Agency não revelaram, ainda, grandes detalhes sobre o ‘Plano Marte 2117’. Porém, já se sabe que envolveria a colaboração de outras organizações mundiais. A equipe de engenharia da Emirati parece já estar desenvolvendo o projeto. Pelo menos é o que se pode concluir com as imagens eletrônicas, com experiência de realidade virtual, apresentadas à imprensa. Essa é o que parece ser a primeira proposta de cidade humana no planeta vizinho.

Simulação eletrônica da primeira minicidade de Marte. (imagem extraída de Daily Mail)
Simulação eletrônica do projeto dos Emirados Árabes Unidos para Marte. (imagem extraída de Digital Trends)

O plano foi todo definido com base no conceito da construção de cidades com a utilização de robôs. A visão dos projetistas era a criação de uma colônia permanente, autossustentável e dedicada, principalmente, à ciência e à pesquisa. Embora seja chamada de minicidade, teria o tamanho equivalente à uma cidade como Chicago e seria capaz de abrigar uma população de seiscentas mil pessoas.

Simulação eletrônica da minicidade – destaque para o planejamento paisagístico e arquitetônico. (imagem extraída de Daily Mail)
Simulação eletrônica do projeto dos Emirados Árabes Unidos para Marte. (imagem extraída de Tech ITT)

+ Objetivos do plano

O contato com outras civilizações e a colonização de planetas tem sido o tema mais abordado em obras de ficção. Transformar esse sonho em realidade é o maior objetivo do ‘Plano Marte 2117’. Mais do que isso, pode ser um modelo de cooperação internacional e uma ferramenta de motivação para estudantes de engenharia e ciências.

Os governantes dos Emirados Árabes acreditam, inclusive, num possível envolvimento das universidades locais no projeto, como futuros polos de investigação espacial. Eles esperam que tudo isso resulte em grandes avanços tecnológicos, em áreas como combustíveis, transporte e produção de alimentos. E que essas descobertas possam ajudar a solucionar questões tanto em solo marciano quanto na Terra.

Fontes: UAE Space AgencyFox News, Daily Mail, The Mirror, Yahoo.


Leia Também:

Mentes Brilhantes: Elon Musk e seus planos de dominar Marte!

 


publicidade

publicidade