Engenharia-Naval-Blog-da-Engenharia
2 Flares 2 Flares ×

É a área da engenharia que cuida do projeto, da construção e da manutenção de embarcações e seus equipamentos. O engenheiro naval projeta a estrutura, os motores e os demais componentes de navios. Para isso, considera o uso a ser dado à embarcação, a quantidade de carga ou de passageiros a ser transportada, a distância a ser percorrida e o local de operação, se em rios, lagos, mares ou oceanos. Na construção, supervisiona os técnicos e os operários, verifica a qualidade da matéria-prima e os métodos de trabalho e acompanha toda a fabricação. Pode também gerenciar o transporte marítimo e fluvial, controlando o tráfego de embarcações e os serviços de comunicação. Outras áreas de atuação para esse profissional são lazer e esportes náuticos, a criação de animais marinhos e a exploração de recursos minerais do oceano, sobretudo o petróleo.

Mercado de Trabalho

Acontecimentos recentes têm aquecido o mercado de trabalho para o engenheiro naval, como a construção de plataformas para a exploração e produção de petróleo em águas profundas e de embarcações de suporte logístico para essas atividades. Outro fator favorável é que a Transpetro, empresa subsidiária da Petrobras e encarregada do transporte de petróleo e de seus derivados, retomou a construção de navios para atender às necessidades de renovação e ampliação de sua frota. A Petrobras tem indicado que vai construir cerca de 200 barcos novos de apoio, e uma boa fatia poderá ser desenvolvida em estaleiros nacionais. A empresa arrendou, ainda, parte do maior estaleiro do Brasil e ali há um dique que será usado para manutenção. O Rio de Janeiro destaca-se no setor de construção naval, mas outros estados, como Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, vêm ganhando novos estaleiros e demandando mão de obra especializada. No setor de extração de petróleo e transporte marítimo, os empregos não estão apenas no Rio de Janeiro (pela presença da Transpetro), mas também em São Paulo, que abriga o principal porto do país.

Salário inicial: R$ 3.270,00 (6 horas diárias); Fonte: CONFEA.

O Curso

Esse curso possui dois anos de formação básica com muita física, matemática, computação e química. Em seguida, começam as matérias específicas das engenharias (mecânica de fluidos, termodinâmica e ciência e resistência dos materiais) e da formação profissionalizante (hidrodinâmica, estruturas navais, projeto de navio e plataformas marítimas, construção naval e transporte aquaviário). Em aulas práticas de laboratório, o aluno constrói e testa modelos e maquetes estruturais, não só de embarcações tradicionais como também de submarinos e robôs subaquáticos. O estágio e o projeto de conclusão de curso são obrigatórios.

Duração média: cinco anos.

Em quais frentes o profissional pode atuar

Construção naval: Coordenar a construção de embarcações (navios, barcos e lanchas) e de sistemas flutuantes em geral, incluindo plataformas de produção de petróleo. Gerenciar serviços de manutenção e conservação de cascos, motores, máquinas e sistemas de bordo.
Gerenciamento de transporte: Planejar todas as etapas do comércio fluvial ou marítimo, desde o embarque e o transporte de carga até o desembarque e o armazenamento e a conexão com outros meios de transporte.
Pesquisa e desenvolvimento: Conceber novas tecnologias e sua aplicação no projeto, na construção e na operação de sistemas flutuantes.
Projeto de sistemas oceânicos: Propor soluções para problemas de engenharia que envolvam a definição de embarcações e de sistemas flutuantes, suas especificações técnicas e operacionais e o planejamento da construção.

As melhores escolas (segundo o Guia do Estudante)

5 estrelas: RJ Rio de Janeiro UFRJ Eng. Naval e Oceânica. SP São Paulo USP.

Referências: Guia do Estudante; CONFEA.