1

Falamos de acessibilidade onde você nunca notou, e estamos em uma semana toda voltada para a acessibilidade aqui no Blog da Engenharia. Então por isso que eu estou aqui, trazendo informações muito boas para matar sua curiosidade e alimentar seu conhecimento cultural e técnico.  

Antes de tudo, provavelmente se você jogar no Google “quais são as cidades referência em acessibilidade no mundo?”, irá encontrar uma chuva de informações. Mas, não será a mesma coisa do que se você ler aqui pelo Blog. Te garanto!  Preparado(a)?! Então vamos lá! 

Curitiba – referência em mobilidade urbana 

acessibilidade

Fonte: Juliano Couto

Confesso que não fiquei nenhum pouco surpresa quando vi que Curitiba estava nesse ranking. Então, aqui entre nós, particularmente ela está no topo da minha lista de “lugares onde quero morar”. Ou seja, caso você não conheça a capital do estado do Paraná, fica a dica. 

De acordo com a Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) de 2017, Curitiba foi apontada como referência em transporte coletivo de qualidade, sabe por que? Porque em 2019, 98% dos ônibus que transitavam pela cidade era acessível, possuindo elevadores nos veículos, ou pontos de embarque elevados. Além de lugares reservados para cadeirantes ou pessoas acompanhadas de cão-guia. 

Em suma, Curitiba é referência mundial em transporte público acessível e inteligente. Então, caso você visite essa capital, não deixe de dar uma voltinha de ônibus! 

Uberlândia – referência em infraestrutura acessível 

acessibilidade

Mais uma cidade brasileira no ranking de acessibilidade urbana. Dessa vez, o município de Uberlândia localizado em Minas Gerais, além de possuir 100% da sua frota de transporte público totalmente adaptada para as PCDs, onde em 2012 ganhou o certificado de Boas Práticas em Transporte da ONU. 

Também possui há 20 anos um plano de acessibilidade, contando com calçadas bem estruturadas e cuidadas, rampas de acesso em todas as esquinas. Observando que a prefeitura da cidade não aprova nenhum projeto de rua, loteamento ou construção se não possuir infraestrutura de acessibilidade.  

Seattle – destino mais acessível dos EUA 

acessibilidade

Fonte: Josh Fields

A organização Wheelchair Travel, responsável por analisar os destinos turísticos mais acessíveis para deficientes físicos, apontou Seattle como a metrópole americana no topo do ranking.  

Esse destaque, é consequência da boa infraestrutura, como rampas de acesso a calçadas, pontos turísticos e prédios públicos, além de ônibus, trens e ferry boats totalmente adaptados. Também preciso citar da frota de táxis que fazem parte da melhoria de acessibilidade da cidade turística. 

Apesar do relevo da cidade ser bem acidentado, isso tudo é compensado com a infraestrutura. 

Dublin – VLTs totalmente adaptados 

Fonte: Luciann

Mais um destino internacional, referência em mobilidade urbana e acessibilidade. Dessa vez, Dublin fica encarregada em representar a Irlanda com seus VLPs (veículos leves sobre trilhos), que é a principal opção de transporte para os moradores e turistas. Se destacam por possuírem trens com piso baixo e estações com rampas ou elevadores. 

Além disso, a capital da Irlanda ganha o destaque de destino mais acessível para PCDs tanto turistas quando moradores. A cidade conta com hotéis e atrações turísticas totalmente preparados para deficientes. 

Varsóvia – a grande premiada da União Europeia 

Como uma descendente polonesa que sou, fico muito feliz em saber que a capital da Polônia está nessa lista. Aumenta muito mais à vontade que tenho em conhecer essa cidade cheia de história e muita cultura. Isso é confirmado pelo prêmio Access City Award da União Europeia que Varsóvia ganhou em 2020.  

Consequência de anos de planejamento urbano focado na acessibilidade. Inclui elevadores, calçadas com piso tátil e semáforos com botões em braile facilitando a travessia. Além disso, o quesito transporte público, é representado pelos trens com suas estações totalmente acessíveis, assim como ônibus e os pontos de parada. 

Porém, para conseguir estruturar tudo isso, a cidade possui um rigoroso sistema de aprovação de novos projetos urbanos. Ou seja, o foco é abranger um sistema de acessibilidade para todos. 

Breda – a cidade das calçadas acessíveis 

De acordo com um jornalista inglês cadeirante, ele consegue se locomover livremente do hotel à estação de trem, um trecho equivalente a 2Km. Porém, isso só é possível através das calçadas totalmente acessíveis que a cidade possui. E não é à toa, que em 2019 foi a cidade de Breda na Holanda, que ganhou o Access City Award. 

Além de ter veículos e transportes adaptados, todos os motoristas são treinados. E o melhor de tudo, é que os comerciantes possuem rampas portáteis em seus comércios, que são colocadas todas as manhãs. 

Em suma, depois de ter redigido esse artigo relacionado a curiosidades com pauta em acessibilidade. Observei uma questão que vai além de investimento com infraestrutura, ou leis e normas de acessibilidade, e ela se chama EMPATIA. Pois, acessibilidade começa na educação e respeito que os cidadãos tem com a cidade onde vivem e os deficientes físicos que ali habitam. 


E caso você conheça lugares que são referência em acessibilidade no Brasil e no mundo, conta para mim nos comentários! 

Pamela Thaís Licheski
Sou Engenheira Civil, catarinense com 23 anos. Atualmente atuo na área de saneamento na região do Mato Grosso, com atividades de combate a perdas, supervisão operacional e georreferêciamento. Além disso, possuo vasta experiência na área de projetos e posso dizer que tenho muita história da faculdade para contar. Li recentemente em um livro, que não precisamos ter sucesso para sermos felizes, mas precisamos ser felizes para ter sucesso. Acredito que é a felicidade que impulsiona o sucesso. Então que sejamos felizes no que escolhemos fazer no mundo! Instagram: @pamelathaiss_

Tecnologias: Acessibilidade pela igualdade

Previous article

Estudante de Engenharia vence prêmio é contemplada em programa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts

Next article

You may also like

1 Comment

  1. Ótimas dicas para locais a conhecer @Pâmela!
    Minha cidade apresenta vários locais sem acessibilidade mesmo no Centro e isto me incomoda muito além de prejudicar seriamente as pessoas que precisam.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas