6

O que você vê quando olha o Mar? O ano de 2021 marca o início de uma nova década, a “Década do Oceano”, a década que você vai ouvir muito falar do Oceano, a década em que você será convidado a se reconectar e a tornar-se Oceano!

Não adianta evitar, pois perto ou longe, todo mundo em todos os lugares depende do Oceano.

Mas me fala, você sabia sobre a Década do Oceano?

Não? Não acredito! Então deixe-me resumir para você! O objetivo da década é que – nos próximos dez anos – a humanidade aumente o seu conhecimento sobre as águas que cobrem 70% do nosso planeta Terra.

Neste artigo, aproveito o espaço da coluna de Engenharia de Pescauma das mais importantes profissões para a década – para mostrar um pouco da imensidão da importância e do quanto a Década do Oceano é necessária.

Aperte o cinto e vamos decolar!

Antes de tudo, vamos entender como tudo começou?

Em 2015, a assembleia geral da ONU aprovou a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Nela foram decretados 17 objetivos que devem ser alcançados por todos as nações até 2030.

A Vida na Água é um dos 17 objetivos da Agenda 2030 e visa conservar e promover o uso sustentável do oceano, dos mares e dos recursos marinhos.

Em seguida, em 2016, a ONU concluiu a primeira avaliação mundial dos oceanos que apontou a urgência de gerenciar com sustentabilidade as atividades nesses ambientes.

Sendo assim, é atuar em prol da saúde oceânica, incentivando as pesquisas e as inovações tecnológicas voltadas para a limpeza, segurança e sustentabilidade dos oceanos.

Por isso, em 2017, foi proclamada a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, ou popularmente denominada “Década do Oceano”, a ser implantada de 2021 a 2030.

Então, espera-se que nos próximos dez anos, a humanidade conheça mais sobre as águas, que recobre mais de 70% da Terra.

Mas afinal, o que isso significa?

Isso significa que nos próximos 10 anos os países se unirão em prol das pesquisas e do conhecimento científico para proteção de um ambiente único que abraça a Terra em mais de 70%, que absorveu nos últimos 200 anos um terço do CO2 produzido pelas atividades humanas e ainda 90% do excesso de calor no sistema climático.

Além disso, a Década do Oceano proporcionará uma oportunidade para criar um alicerce, por meio da interface ciência-política, para fortalecer a gestão dos nossos oceanos e zonas costeiras em benefício da humanidade.

Além disso, essa década proporcionará uma estrutura unificada, buscando possibilitar que os países atinjam todas as metas da Agenda 2030 relacionadas ao Oceano.

Quais são as metas a serem alcançadas?

A Década do Oceano é um movimento internacional para que tenhamos um oceano limpo, seguro, resiliente e saudável, previsível, produtivo e explorado de forma sustentável, transparente e acessível, cheio de vida, de ciência e trocas de conhecimento!

E a principal meta é facilitar a popularização do Oceano e deixar as coisas mais claras sobre a importância de sua valorização!

Razões motivadoras para o início da Década do Oceano

As principais razões para a década decretada pela ONU ter um olhar para o desenvolvimento da ciência oceânica são:

  • Sequestra e armazena carbono produzido pela atividade humana;
  • Produz grande parte do oxigênio que respiramos;
  • Ajuda no transporte de calor e umidade;
  • Estabiliza o clima;
  • Serve de subsistência para bilhões de pessoas por fornecer recursos alimentares, minerais, energéticos, recreativos e culturais.

As diretrizes definidas ajudarão todos os países do mundo, principalmente o Brasil, a planejar ações a favor do ecossistema marinho-costeiro para serem executadas no período de 2021 a 2030.

Mas a Década do Oceano é mesmo necessária?

Sim!! Desde a metade do século XX, milhares de toneladas de vida marinha foram retiradas do mar e milhões de toneladas de resíduos foram despejados nele.

Além disso, desde 1950, metade dos recifes de coral em águas rasas de todo mundo desapareceram ou passaram a enfrentar um grande declínio.

Década do Oceano

Branqueamento de corais. Fonte: https://www.coralreefimagebank.org/coral-bleaching

Os corais de águas profundas estão sendo devastados por novas tecnologias, como o arrastão, cujo objetivo é a captura de peixes com décadas ou séculos de idade. Esses corais destruídos existem há milhares de anos. E nas últimas décadas, formaram-se centenas de zonas mortas em áreas costeiras!

Apesar de toda essa degradação, a NOAA afirma que mais de 80% do Oceano nunca foi mapeado, observado ou explorado.

Além disso, o Relatório Global sobre a ciência oceânica relatou que a ciência oceânica é responsável por 0,04 a 4% dos gastos em pesquisa do mundo todo. Porém, os estudos vêm aumentando e apresentando grandes avanços, pois cada vez mais se percebe o quanto as atividades humanas dependem desse ambiente.

A Década do Oceano nos traz a esperança de uma ciência que precisamos para um oceano que queremos!

Portanto, o processo de desenvolvimento de ciência oceânica deve ainda se preocupar na tradução para a sociedade. Sem essa tradução o conhecimento para a população e para os tomadores de decisão, não é possível caminhar em direção ao uso sensato do Oceano, que é o que a década busca.

Mas que tipo de oceano queremos?

E se pudéssemos escolher o que queremos para o Oceano, o que você escolheria?

A Década do Oceano, nos ajudará a obter o oceano que precisamos para o futuro que queremos. Portanto, é preciso o envolvimento de diversas partes interessadas para criar novas ideias, soluções, parcerias e aplicações, tais como: cientistas, acadêmicos, governos, formuladores de políticas, empresas, indústria e sociedade civil.

Mas afinal, como posso ajudar?

  • Entre no site ou pelo e-mail da Ocean Decade e saiba mais informações;
  • Faça parte da Ocean Decade;
  • Faça a sua parte utilizando menos plásticos de uso único, reciclando materiais e reduzindo o consumo;
  • Movimente nas redes sociais em prol do Oceano;
  • Recrute seus amigos e familiares para se tornarem parte do movimento para salvar o Oceano.
  • Ajude ou firme parcerias com organizações líderes e influentes, como a PADI, SeaLegacy, Greenpeace, Mission Blue, Project AWARE, The Ocean Foundation, We Are One Ocean, entre outras, para garantir uma mobilização da maneira mais eficaz possível.

Nenhuma espécie inteligente de verdade iria destruir sua própria casa, o Oceano e Planeta! Oceano este, que devia ser o protagonista do dia de hoje por permitir a vida na Terra! Hoje, 2021, convido você, querido leitor, para uma reflexão sobre o que será diferente amanhã.


Keep the ocean blue e acompanhe o Blog da Engenharia nas redes sociais!

Twitter | Instagram | Facebook | YouTube | LinkedIn

Ivanilson Santos
Engenheiro de Pesca pela UFRPE, atualmente, é mestrando pelo Programa de Pós-graduação em Aquicultura da UFSC, onde é integrante no Laboratório de Camarões Marinhos/UFSC. Atuando em temas relacionados principalmente ao cultivo e nutrição de camarões marinhos, com ênfase em sistema de bioflocos e aditivos alimentares (bioativos) em dietas para camarões. Cristão, pernambucano, ama violão e xadrez e busca fazer a diferença no mundo, não apenas no âmbito pessoal e profissional, mas também semear conhecimento em prol da ciência, da sociedade e da conservação do meio ambiente. Instagram: @ivanilsonsnts

Impressão 3D: a tecnologia da Indústria 4.0

Previous article

Fármacos: cada reação resulta em uma ação

Next article

You may also like

6 Comments

  1. […] superfície da Terra é composta por 97,5% de oceanos de água salgada, e por isso que ela é conhecida como planeta azul. Porém, esse alto volume não […]

  2. […] foi registrada no litoral brasileiro nos primeiros dias de 2021, ano que deu a partida à Década do Oceano no calendário da Organização das Nações Unidas […]

  3. […] Portanto, através deste artigo apresento algumas atitudes simples que devemos fazer para contribuir com a redução da poluição dos oceanos por plástico. Afinal, a proteção dos oceanos começa por nós! […]

  4. […] Hoje, dia 8 de junho, Dia Mundial dos Oceanos, é um momento especial para homenagear e lembrar todas as razões pelas quais precisamos protegê-lo. E ainda mais neste ano de 2021 que é marcado pelo o início da Década do Oceano. […]

  5. […] mais sobre Cultura Oceânica, a Década do Oceano e as principais influências dos oceanos em nossa […]

  6. […] Por isso, a @unesco e a @ioc_unesco abraçaram a responsabilidade de tratar esse assunto em âmbito global e desenvolver ferramentas para a implementação do ODS14 (Vida na Água) e do ODS4 (Educação de Qualidade) para a Década do Oceano (2021-2030). […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas