ColunistasDestaqueDestaque + PopularesEngenhariaEngenharia agronômicaSustentabilidadeTecnologia

A Engenharia e as Cidades inteligentes

5

Você já ouviu falar sobre as cidades inteligentes? E o que a engenharia pode contribuir com isso? Bora conferir!

As cidades inteligentes, as famosas Smart Cities, são as cidades que usam a tecnologia de maneira estratégica com o objetivo de melhorar a infraestrutura, otimizar a mobilidade urbana, criar soluções sustentáveis e promover o desenvolvimento econômico para aumentar a qualidade de vida dos seus moradores.

Elas já são realidade em muitos lugares do mundo, inclusive no Brasil!

Cidades inteligentes

O debate sobre cidades inteligentes começou em meados dos anos 90 com o Protocolo de Kyoto, mas só ganhou destaque efetivo no ano de 2010 e continua em plena evolução.

Os conceitos são variáveis e levam em consideração diversos itens, como:

  1. Mobilidade;
  2. Urbanismo;
  3. Meio ambiente;
  4. Energia;
  5. Tecnologia;
  6. Inovação;
  7. Economia;
  8. Educação;
  9. Saúde;
  10. Segurança.

Exemplos de Smart Cities

Masdar, é uma nova cidade criada em Dubai, planejada para acomodar até 40 mil habitantes e que reduz a poluição do meio ambiente com o aproveitamento de recursos renováveis.

A cidade conta com o monitoramento do consumo de energia nas residências, carros elétricos, energia fotovoltaica por meio de painéis solares e captação de energia eólica através de um grande corredor de vento.

No Brasil, a Smart City Laguna, localizada em Croatá no Ceará, é a primeira cidade inteligente social do mundo e foi projetada para abrigar 25 mil habitantes.

Priorizando a sustentabilidade e a qualidade de vida dos cidadãos, residências acessíveis a todas as faixas de renda, rede elétrica subterrânea, hubs de inovação e de esportes, infraestruturas digitais e todos os espaços públicos criados com o objetivo de promover integração social nos bairros.

Engenharias

A escolha do local também foi estratégica para a criação da Smart City Laguna por estar situada próxima à região do Porto do Pecém e ao Cinturão Digital, que proporciona acesso à internet com maior facilidade e qualidade.

Sua construção, iniciada em 2018, permitiu a chegada dos primeiros moradores e está prevista para terminar em 2021.

Desafios da Engenharia

O grande desafio dos profissionais do século XXI é aliar os melhores conceitos da engenharia às tecnologias para transformar as nossas cidades em espaços inteligentes, apresentando soluções para a população.

Estima-se que em menos de 15 anos, cerca de 40% das cidades sofrerão mudanças profundas e a engenharia certamente faz parte dessa transformação.

De acordo com a ONU, até 2050, 70% da população mundial viverá em cidades e isso irá aumentar a demanda por serviços e tecnologia.

Onde, em apenas um minuto, a população mundial gera mais de 5 bilhões de interações digitais com troca de dados e informações pessoais.

Entretanto, essa tecnologia deve ser usada como meio para dar aos cidadãos qualidade de vida através de serviços ágeis prevendo a organização do:

  • Trânsito;
  • Melhorias nas áreas de lazer;
  • Sistemas de saúde;
  • Preservação do meio ambiente;
  • Participação efetiva da comunidade para as tomadas de decisões.

A engenharia

A engenharia é sinônimo de desenvolvimento e é indispensável para a transformação das cidades.

Assim sendo, presente na ampliação da infraestrutura, na melhoria da qualidade de serviços prestados à sociedade e na a resolução de problemas econômicos e sociais, a engenharia está diretamente ligada à:

  • Distribuição e consumo de água;
  • Gestão de resíduos sólidos;
  • Serviços de saneamento;
  • Controle da poluição e do gasto de energia;
  • Segurança pública;
  • Combate às drogas;
  • Concentração populacional;
  • Mobilidade urbana, considerando os sistemas de transporte e semafórico.

Comportamento do cidadão

As cidades são formadas por pessoas que levam para os espaços públicos o reflexo da sua cultura e valores.

O primeiro passo para transformar uma cidade é promover mudança através do comportamento, ressignificando as funções desses espaços de acordo com os costumes de cada região.

Ou seja, precisamos de novas formas de gestão das cidades, com interação entre cidadãos, poder público e setor privado e esse tripé deve estar diretamente ligado a academia e as associações de Engenheiros, para que possam juntos identificar os problemas e pensar no desenvolvimento sustentável urbano!

Contudo, estamos na era do conhecimento e do compartilhamento da informação. Assim, o ser humano está cada vez mais exigente num processo infinito. Ou seja, o futuro já chegou e não voltaremos mais para trás!

Portanto, precisamos encarar o desafio de aliar Engenharia à tecnologias trazendo cada vez mais conforto para a humanidade na busca por cidades mais inteligentes, tecnológicas, sustentáveis e humanas.


 

Waleska Del Pietro Storani
Engenheira Agrônoma, mestre em agricultura e ambiente. Trabalha na elaboração de projetos de políticas públicas com foco em desenvolvimento sustentável. É apaixonada por conectar profissionais que assim como ela acreditam que a sustentabilidade começa sempre pelo indivíduo, nós! Podemos mudar o que nos incomoda no mundo, agindo localmente para obter resultados a nível global. Devemos colaborar com a transformação através da nossa conexão e reinvenção. Vamos juntos!

Destrinchando: Engenharia Agronômica – Parte 1

Previous article

Certificações gratuitas para usuários SOLIDWORKS com contrato ativo (CSWP)

Next article

You may also like

5 Comments

  1. […] dizer que não estamos em uma era de mudanças e sim numa mudança de era! E isso, apesar de às vezes um pouco assustador pode ser muito […]

  2. […] do Estado do Paraná, a maior cidade do Sul do país, Curitiba é considerada a localidade mais inteligente do Brasil, conhecida como centro cultural, a metrópole que possui traços europeus, muito […]

  3. […] Saiba mais em aqui! e aqui também! […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas