0

Antes de mais nada, a pandemia do corona vírus afetou a grande maioria das empresas. Ainda assim, é possível dizer que cada organização impactada foi atingida de uma forma diferente: algumas foram obrigadas a paralisar suas linhas por completo, enquanto outras estão tendo de se esforçar como nunca para atender a uma forte e inesperada demanda de consumo.

Pandemia

De todo modo, em um caso ou no outro, as companhias estão percebendo que precisam inovar para se tornar mais ágeis e flexíveis, e que está na hora de mudarem o conceito de como seuprojetos são convertidos em produtos. 

Assim, um exemplo claro dessa transformação é a produção dos ventiladores mecânicos. À medida que as hospitalizações por COVID-19 aumentam e os leitos de UTI se torna mais escassos, temos visto a importância desses equipamentos para salvar vidas

Não por acaso, governos do mundo inteiro estão promovendo uma verdadeira corrida para comprar o máximo de ventiladores, e assim, atender a necessidade de suas populações.

demanda tem aumentado enormemente, mas nem sempre a produção consegue acompanhar e atender a todos com a rapidez suficiente. 

Esforço Mundial

Para superar esse cenário, hoje, há um esforço global frenético para fabricar mais máquinas de respiração, inclusive com o redirecionamento de várias linhas de produção já existentes em outros segmentos para a produção de ventiladores e de outros equipamentos de proteção individual (EPIs).

O objetivo é garantir que esses produtos estejam sendo produzidos com qualidade e em First Time Right.

Ou seja, estamos correndo e mudando como nunca, aprendendo a fazer o que já fazíamos, mas de mil novas formas diferentes. Por quê? Para responder, podemos nos lembrar de duas lições de Charles Darwin para a nossa sobrevivência como espécie e que podem ser bastante úteis para a sobrevivência de nossas empresas. 

Os Pilares

Temos cinco pilares que estão definindo uma nova era de transformação industrial.

Primeiro

A primeira lição é que a sobrevivência de um organismo depende da sobrevivência de um outro”.

Afinal, está claro que uma empresa depende de seus clientes para sobreviver e, da mesma forma, de seus fornecedores e parceiros de negócio.

Notem, por favor, que este é um dos cinco pilares na definição dessa transformação, integração vertical e horizontal da cadeia de valor. Isto é: integração do planejamento, otimização e operação da cadeia de valor, suportando produção orientada pela demanda.

Segundo

A segunda lição de Darwin vem da adaptação para garantir a sobrevivêncianhistória da humanidade (e dos animais também), aqueles que aprenderam a colaborar e improvisar foram os que prevaleceram”

Assim, este também é um dos cinco pilares: é necessário manter Engenharia como a conexão entre design, projeto, manufatura, operação e manutenção de produtos e serviços, usando a fusão entre os mundos real e virtual. 

Sendo assim, integrarvirtual e físico é algo já em execução quando pensamos em Computação em Nuvem, por exemplo. O problema é que as empresas aceitaram ter CRM e ERP em Cloud, mas o conceito de Engenharia em Cloud segue, ainda, com uma baixa aceitação dmercado. 

Com isso, diversos pontos do planejamento de produtos, projetos, infraestrutura, layout de fábrica e de produção que poderiam ser executados via Home Office hoje acabam sendo oportunidades apenas para as corporações que já aceitaram questionar sua verdadeira transformação digital antes da COVID-19.

Terceiro

Ou seja, isso atende a um terceiro pilar da transformação industrial: odo desenvolvimento e integração de sistemas de manufatura flexíveis e reconfiguráveis, totalmente integrados ao negócio das empresas.

Quarto

Assim, o quarto pilar é a participação das pessoas. Basicamente porque são as pessoas que desenvolvem produtos e serviços, com o objetivo de atender pessoas e para melhorar a qualidade de vida da humanidade. 

Quinto

Isso nos remete, no entanto, ao quinto pilar dessa lista: Inovação, que exige cada vez mais a integração de diversas áreas do conhecimento e a utilização conjunta de tecnologias distintas.

Inovação

Entretanto, nesse cenário, a colaboração é um fator extremamente relevante para gerar inovação

Vale destacar, por exemplo, a própria produção de ventiladores mecânicos: hoje, empresas de diferentes mercados estão trabalhando em conjunto para desenvolver novos projetos mais baratos e simples

Contudo, elas são impulsionadas pelo propósito de compartilhar as informações necessárias paraprodução de soluções que possam colaborar para salvar a vida das pessoas.

Portanto, é a colaboração que nos permitirá produzir uma vacina em tempo recorde (um produto que não existia) produzir respiradores (produto existente) para atender a demanda atual de forma eficiente. 


Por Lucas Alves Souza, LATAM IndustryProcessConsultant da Dassault Systèmes, e  

Joao Vicente Ribeiro Ferreira, LATAM Industry Process Consultant Senior da Dassault Systèmes 

Parceria Blog da Engenharia 

Redação

MIP: Sustentabilidade na agricultura

Previous article

Lixo eletrônico: Panorama atual

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas