ColunistasEngenharia QuímicaFireDay

O combate à incêndio na perspectiva química

0

Quando falamos em combate a incêndio não podemos deixar de pensar em química. Isso pode ser exemplificado, inicialmente, pelo fato da origem do fogo que se inicia com uma reação química, isso quer dizer, a combustão.

Sobretudo, uma das formas de combater um incêndio, é a utilização de extintores de incêndio. 

Extintor de incêndio

Fonte: https://br.freepik.com/vetores/extintor-de-incendio

Vamos aprender um pouco sobre a química aplicada nesse equipamento de combate a incêndio? Mas, antes de iniciarmos, vamos refletir e tentar responder às seguintes perguntas…

Será que todo incêndio pode ser tratado da mesma forma? Podemos utilizar o mesmo extintor para todos os incêndios? Não sabia que existia mais de um tipo?

Ao longo do texto, vamos respondendo essas perguntas. Confiram!


Antes de falarmos dos extintores de incêndio, temos que fazer uma breve passagem sobre a química do fogo. 

A química do fogo

Para que se dê origem ao fogo tem que, obrigatoriamente, ocorrer a reação de combustão. Contudo, a ocorrência desta reação depende de três fatores essenciais, a saber: o combustível, reação em cadeia e comburente. Esses fatores dão origem a pirâmide do fogo. 

Triedro do fogo

Combustíveis são materiais, líquidos, sólidos ou gasosos que podem ser oxidados, isso quer dizer, reagem na presença do oxigênio.

Onde há fumaça, há fogo!

A reação em cadeia ocorre devido a presença de calor. Este fornece a energia mínima necessária para que a reação transcorra. Entretanto, faz-se necessário uma fonte de ignição, por exemplo, uma faísca. Já o comburente, é o oxigênio. Sem este a queima não ocorre.

Conhecendo essas fontes, podemos ter uma noção de como acontece um combate a incêndio, né? Não? Vejam.

O combate a incêndio

Agora que já aprendemos sobre a química do fogo, já sabemos como combater o fogo. Se a reação de combustão só ocorre na presença dos três fatores da pirâmide do fogo, se inibirmos a ação de um deles podemos combater o incêndio.

De antemão, foi apresentado o combustível como um dos fatores. Esse, pode ser eliminado com a retirada do material do local. Essa técnica é indicada na presença de materiais elétricos e líquidos (classe C e B).

Por exemplo, o fechamento de uma torneira que esteja fornecendo o combustível. Ainda, no dia a dia, podemos citar o fechamento da válvula de um bujão de gás.

Segundo, foi a reação em cadeia. Esta pode ser eliminada como o resfriamento do local. Quando vemos o corpo de bombeiros atuando em um prédio em chamas, estamos diante da aplicação desta técnica. Eles jogam água de tal sorte a eliminar o calor do prédio.

Por fim, a eliminação do comburente se dá pela inibição do contato do oxigênio com o combustível.

Como fazer? Faça um pequeno experimento. Primeiramente, acenda uma vela e em seguida coloque um copo sobre a vela.

Agentes de combate a incêndio: Extintores e sua química

Os incêndios são classificados por classes, sendo assim, quando vamos atuar em um combate a incêndio temos que por obrigação e necessidade identificarmos qual material está em processo de combustão. Essa necessidade tem em vista que os extintores de incêndio são fabricados para o combate a incêndio de determinado material.

Infografia de extintor de incêndio com imagens realistas de cilindros de extintor e aparelhos de combate a incêndio com ilustração de ícones de pictograma Vetor grátis

Fonte: https://br.freepik.com/vetores-gratis/infografia-de-extintor-de-incendio-com-imagens-realistas-de-cilindros-de-extintor-e-aparelhos-de-combate-a-incendio-com-ilustracao-de-icones-de-pictograma_6871656.htm#page=1&query=Extintor%20de%20incendio&position=19

Vamos aprender um pouco do funcionamento químico de cada um deles?

Água

Os extintores a base de água são fabricados com água pressurizada e agem através do resfriamento e abafamento do material em chamas já que o vapor formado faz com que haja um certo tipo de isolamento não permitindo que o material entre em contato com o ar. Todavia, são indicados apenas para incêndio de classe A já que a água penetra no material não permitindo que o incêndio recomece.

Nesse sentido, em hipótese alguma deve ser utilizado em incêndio com materiais elétricos e ou líquidos inflamáveis

Dióxido de carbono

Os extintores formados por CO2 age por abafamento eliminando o oxigênio do local. Diante disso, temos a inibição da reação de combustão. 

Entretanto, há uma dispersão acelerada desse gás.

Pó-químico

Analogamente, os extintores de pó químico são utilizados em incêndios classe B e C, contudo, são formados por bicarbonato de sódio que reage com o material e o produto dessa reação penetra o material impedindo o contato com o oxigênio. Além disso, esse composto não se dispensa.

Em contrapartida, deixa grande quantidade de resíduo. Por analogia, uma outra classe, é a de pó químico especial. Este, por sua vez, é o único capaz de combater incêndio classe D. Sua composição é com substâncias tais como cloreto de sódio que age por abafamento em metais inflamáveis criando uma barreira sobre a superfície em incêndio.

Em suma, acompanhem o blog da engenharia para leitura dos demais artigos publicados nesta semana sobre o combate a incêndio.

Paulo Bonjour
Estudante de Engenharia Química na Universidade do Rio de Janeiro (UERJ), onde realiza as seguintes atividades de Iniciação Científica: Otimização de Processos Químicos e Análise das Tecnologias de Produção de Butadieno. Cursou Bacharel em Física até o 4º Período. Durante esse tempo participou de atividades de Iniciação Científica na área de Energia Solar. Possui cursos de Inglês e Francês. Atualmente trabalha com Conformidade de Registro de Gestão no Exército, responsável pela certificação dos registros dos atos e fatos de execução orçamentária, financeira e patrimonial incluídos no Sistema integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI e da existência de documentos hábeis que comprovem as operações.

    Impacto da pandemia nos jogos olímpicos de Tóquio

    Previous article

    Incêndio da Boate Kiss, e os erros de engenharia.

    Next article

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    More in Colunistas