0

A estação meteorológica é uma ferramenta fundamental para monitorar as condições climáticas na lavoura. Assim sendo, conhecer esta tecnologia é muito importante para saber aplicar e retirar os dados de forma corretas e saber utilizar corretamente. Por isso te convido a saber mais sobre essa tecnologia nesse artigo.

Nessa série de artigos sobre a agricultura de precisão, você vai conhecer e ficar por dentro de várias tecnologias!

Fonte: Agrosmart.

Mas Gui para que serve isso se tenho a previsão do tempo no jornal?

Primeiramente, você não precisa se livrar do jornal não hein, ele é importante para você se informar sobre o que acontece no pais e no mundo. E sim serve também para você não esquecer seu guarda-chuva em casa e ser surpreendido com uma chuva de verão.

Mas as estações no campo são essenciais para uma agricultura de precisão atualmente. Os dados de precipitação, de velocidade do vento, de temperatura e incidência de raios solares estão ligados diretamente com a produção e com o aumento de produção.

Certo, entendi a importância. Mas como funciona Gui?

Essa tecnologia consiste da coleta diária de dados referentes as diversas variáveis atmosféricas, que caracterizam o estado da atmosfera, ou seja, o tempo. Mas para que isso ocorra são necessários alguns passos como por exemplo, localização do equipamento, calibração dos instrumentos entre outros.

O que é uma estação meteorológica?

É nada mais nada menos, que um conjunto de instrumentos/sensores que geram dados para análise do tempo. Estes são capazes de registrar a temperatura do ar, velocidade e direção do vento, umidade do ar, radiação solar, chuva, pressão atmosférica entre outras variáveis, diretamente relacionadas a produção.

São dois tipos:

  • Estações automáticas: coleta de dados totalmente automatizada. Nesse tipo de estação os sensores emitem sinais elétricos, que são captados por um sistema de aquisição de dados (Datalogger), possibilitando que o armazenamento e o processamento dos dados sejam informatizados.

Estação meteorológica automática Agrosmart

Fonte: Agrosmart.

  • Estações convencionais: exigem a presença diária de uma pessoa para coletar os dados medidos. Os instrumentos normalmente de leitura direta, como os termômetros, ou com sistema mecânico de registro, como o termohigrógrafo, o pluviógrafo, o anemógrafo. Elas se dividem em classes de acordo com a finalidade e o número de variáveis observadas.

E são três diferentes classes:

  1. Primeira classe: são aquelas que medem todos os elementos meteorológicos.
  2. Segunda classe: não realizam as medidas de pressão atmosférica, radiação solar e vento.
  3. Terceira classe: medem apenas a temperatura máxima, mínima e a chuva.

Estação meteorológica convencional

Estação meteorológica convencional. Fonte: Agrosmart.

Mas onde vou instalar essa estação?

Assim sendo, é necessário atender alguns pontos muito importante para obter os dados os mais verdadeiros o possivel, como:
  • Local plano para evitar o acúmulo de água e longe de instalações elétricas;
  • Horizontes amplos, sem barreiras que impeçam a radiação solar ou mudem as características do vento. Para isso a distância recomendada entre a estação e o obstáculo é de pelo menos 10 vezes a altura deste;
  • Distantes de cursos d’água, lagos e banhados, evitando distúrbios na medição da umidade relativa do ar;
  • Solo gramado ou com vegetação rasteira para minimizar a influência dos diferentes tipos de textura de solo.
Quero conhecer mais sobre essa estação automática Gui, não quero ter o job de ir todo dia recolher as infos. Afinal, trabalho muito e tenho outras funções a campo.

Pois bem, seu pedido é um ordem. Vamos lá!

Por sua maior praticidade, ela é uma das mais utilizadas, e com ela é possível verificar os dados em meu smartphone, em meu notebook, no meu velho guerreiro computador em tempo real.

As estações automáticas possuem 4 sensores essenciais:

  1. Anemômetro: é um instrumento que mede a velocidade e a direção do vento. Esse instrumento deve ser instalado a 2 metros de altura em relação ao solo.
  2. Piranômetro: registra a radiação solar global e deve ser instalado entre 1,5 e 2 metros de altura.
  3. Sensor de temperatura e umidade: geralmente são termistores que medem a temperatura e a umidade do ar. Esse sensor deve ficar no abrigo meteorológico para não ser danificado e a altura de sua instalação é aproximadamente 1,5 metros.
  4. Pluviômetro: mede a precipitação e o tipo de pluviômetro mais utilizado é o de báscula. A área de captação de água (bocal) do pluviômetro deve ficar a 1,5 metros do solo.

Sensores de uma estação meteorológica

Fonte: Agrosmart.

E o nosso Brasilzão como está nesse cenário?

O Brasil ainda não apresente uma rede de estações meteorológicas suficientemente grande para atender as necessidades em todo o país. A concentração de pontos de observação meteorológica estão nas áreas mais desenvolvidas e pouquíssimo nas áreas remotas.

Atualmente, o país conta com diversas redes de estações meteorológica, sendo a mais importante a coordenada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). O instituto possui uma rede de 500 estação automáticas e de 258 estações convencionais espalhadas pelo país.

Mas qual a importância dessas estações meteorológicas na fazenda?

Para aumento da sua produtividade e produção em mesma área, e ainda por cima com menor custo! As variáveis atmosféricas medidas por ela influenciam diretamente na produtividade da sua plantação.

Além disso, ela vai lhe auxiliar nas tomadas de decisão da sua lavoura! Por exemplo: Quando e quanto irrigar!

Portanto, você viu a importância dessa ferramenta? Deixe nos comentários.


Leia aqui sobre Drones na topografia! 

Leia mais sobre estações aqui no texto base do artigo na agrosmart!

Guilherme Matos de Carvalho
Catarinense, 22 anos, formado em Técnico em Agropecuária (2016) e graduando em Engenharia Agronômica no Instituto Federal Catarinense Campus Santa Rosa do Sul- SC. Membro dirigente no CREAjr-SC na regional de Araranguá-SC, e Vice presidente no Centro Acadêmico de Agronomia em 2020. Ama o agro, ama escrever e ama se rodear de boas pessoas. Sonhador, fã de games e louco por conhecimento.

Cafeína: a força motriz dos engenheiros

Previous article

COVID 19 – Saneamento básico no combate a pandemia

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Destaque