ColunistasDestaqueDestaque + Editor's PickDestaque + PopularesEngenharia agronômicaEngenharia de Agronegóciosengenharia de materiaisEngenharia MecânicaEngenharia Química

AGRONEGÓCIO: AÇOS ESPECIAIS E RESISTÊNCIA AO DESGASTE

0

Em artigo anterior, relatei a importância de aplicações de novas tecnologias ao agronegócio brasileiro e os efetivos impactos de aplicações de aços especiais em máquinas agrícolas. Vencer os desafios impostos pelo peso de máquinas agrícolas foi relatado em AGRONEGÓCIO: APLICAÇÕES DE AÇOS ESPECIAIS.

VENCER O DESGASTE: O NOVO DESAFIO

Porém a redução de peso em um equipamento agrícola, não é o único desafio dos fabricantes de máquinas. A durabilidade dos equipamentos é um fator de grande importância para nossa frota produtora que carrega o agronegócio e impulsiona o país. Outro grande desafio é fazer com que as máquinas tenham potencial de produzir por mais tempo sem se deteriorarem.

É fato que, o ambiente de produção de uma máquina agrícola é extremamente agressivo. O contato severo com o solo é o principal fator de desgaste nos implementos; este desgaste é ainda mais severo quando o implemento está realizando trabalhos de preparo do solo para o plantio.

Preparar o solo exige esforço e contato direto com o material abrasivo presente ali, portanto, talvez sejam estes os implementos agrícolas que mais exijam atenção quanto ao desgaste.

Felizmente neste seguimento existem também inovações e desenvolvimento de soluções especiais. Ligas de aço desenvolvidas especialmente para aplicações de desgaste são muito utilizadas no agronegócio brasileiro.

AS SOLUÇÕES ENCONTRADAS

As soluções são diversas, desde aços extremamente duros e muito concentrados de carbono em sua estrutura molecular; resultado da dureza. Passando por tratamentos térmicos, até chegar em aços com estrutura molecular alterada pela adição de elementos de liga. São diversas as soluções aplicadas, cada uma com sua vantagem competitiva e resultados esperados.

Dentre os aços extremamente duros aplicados na fabricação de elementos para máquinas agrícolas, se encontram o SAE 1070. Este material é amplamente utilizado na cutelaria, para fabricação de facas; talvez por este motivo, se destaca também em aplicações de lâminas de corte em máquinas roçadeiras e de preparo do solo. A dureza presente neste material é proveniente da alta concentração de carbono.

No meio dos tratamentos térmicos aplicados em elementos de máquinas agrícolas o que mais se destaca é a tempera; que consiste em elevar um aço à uma determinada temperatura e resfriá-lo rapidamente em água ou óleo. Os tratamentos térmicos são aplicados apenas em componentes onde o desgaste se apresenta de forma muito severa, visto que este recurso impacta grandiosamente nos custos de fabricação de tal componente.

Com isto, os aços de alta resistência ao desgaste vem sendo amplamente utilizados em máquinas agrícolas, pois oferecem características de resistência provenientes da adição de elementos de liga. Assim sendo, o material saia da siderúrgica pronto para aplicação nos processos de fabricação, não necessitando passar por nenhum tipo de tratamento térmico para ser aplicado no equipamento. Esta facilidade agiliza o processo, e traz algum benefício econômico; visto que gastos com tratamentos térmicos podem ser reduzidos.

SOLUÇÕES QUE CONTRIBUEM PARA UM ALTO DESEMPENHO

Portanto, apresentadas acima, muitas são as soluções que têm contribuído para o desenvolvimento do agronegócio no combate ao desgaste. Facilitar a vida do homem do campo contribuindo para a evolução das máquinas que exercem trabalhos sobre o solo é papel fundamental da Engenharia Mecânica.

Poder contribuir para a redução do desgaste é contribuir com um equipamento de maior vida útil, maior tempo no campo, através de poucas paradas para manutenção e troca de elementos de desgaste! É a engenharia contribuindo para evolução de diversos seguimentos da economia do país, soluções importantes que evoluem e contribuem para melhores resultados!

Robson José Santos
Natural de Belo Horizonte, 31 anos. Graduado em Engenharia Mecânica, pela Universidade de Itaúna, formação técnica em Mecânica pelo CEFETMG - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Atualmente morando em Campo Grande - MS; trabalhando em empresa onde desenvolve projetos mecânicos de implementos do setor florestal (preparo de solo e plantio de florestas). Executa serviços de projeto mecânico e detalhamento mecânico. Sendo o detalhamento mecânico a fase de projeto onde apresenta maior dedicação, acreditando ser a primeira forma de materializar o projeto e apresentá-lo aos próximos setores que darão continuidade à fabricação.

Crea-SP lança carteira profissional digital!

Previous article

Conheça mais sobre a atividade garimpeira, o famoso garimpo

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas