Branded Channel | ExemploColunistas

Anseios dos profissionais da engenharia de materiais – Parte 2

0

Anseios dos profissionais da materiais - Parte 2

A matéria sobre os anseios dos profissionais da materiais foi distribuída em duas partes. A Parte 1 foi sobre os anseios dos profissionais da materiais antes e durante a graduação e já foi publicada na íntegra para vocês leitores do Blog da Engenharia.

Fiz a seleção por meio dos anseios que eu mais vivenciei, presenciei e ajudei/ajudo profissionais da materiais a entendê-los e superá-los. Dessa forma, para o desenvolvimento dessa parte 2 foram selecionados 5 dos principais anseios dos profissionais da materiais após a graduação em Engenharia de Materiais. Espero que gostem da matéria e que façam bom uso dela!

ANSEIO 01 (Profissionais da materiais): “Consegui um emprego de engenheiro (a), mas não trabalho diretamente com materiais e estou frustrado (a). O que devo fazer?”

Muitos profissionais da materiais se deparam, após a respectiva formação, com o fato de terem que resolver problematizações que envolvem como foco a gestão da empresa, englobando conceitos e práticas de gestão de pessoas, de projetos, de recursos, entre outros. Isso frustra um pouco este profissional, pois o profissional da materiais durante quase toda a graduação está sendo diretamente e intensamente colocado diante de problemáticas diferentes, sendo mais ligadas a estrutura e composição, processamento, propriedades e aplicações dos materiais em geral. Geralmente, apenas nos últimos semestres do curso são ministradas problemáticas teóricas e práticas que correlacionam gestões em geral.

O que o profissional da materiais precisa entender é que o engenheiro, normalmente, é também formado para ocupar cargos que necessitam mais intensamente de características conectadas com a liderança, (tanto no início da carreira ou no desenvolvimento da mesma) pois este possui uma formação sistêmica e lógica na qual o forma para estar preparado e habilitado para resolver problemas que envolvam toda a estrutura organizacional de uma empresa.

A dica para esse tipo de anseio é para o profissional da materiais aplicar durante o processo de procura das oportunidades. Se ele tiver opções, que ele possa selecionar melhor as vagas e o descritivo das funções dessas vagas. E para os profissionais que iniciam a carreira na indústria em certas funções e que depois possam ser alocados para outras funções mais distantes do universo da materiais, que tenham a flexibilidade para conhecer diretrizes da engenharia que talvez não conheça .O importante aqui é deixar claro a você para ter calma e experimentar as oportunidades que a vida profissional vai estar te fornecendo, quanto mais você aprender sobre tudo melhor será para você.

ANSEIO 02 (Profissionais da materiais): “Quando irei alcançar o auge da minha carreira em relação a cargo? Percebo que ainda não sou muito valorizado na empresa em que trabalho!”

Mais importante do que o caminho é a direção

A palavra que defini esse anseio é ansiedade! E a resposta para ela é tempo. O que o ser humano deve sempre se perguntar é: Você está com pressa pra que? Uma frase muito famosa da Clarice Lispector é: Mais importante do que a velocidade é a direção e está frase cai muito bem nessa discussão.

A dica aqui é aproveitar cada uma das fases que você estiver passando. Comemore e viva cada uma das fases que você passar, tanto quando fracassar como quando obter sucesso. Você já parou pra pensar que a graduação passa, a pós graduação também passa, o primeiro emprego, as entrevistas de emprego, os primeiros dias no emprego, seus primeiros passos como empreendedor, seus primeiros passos como treinador, todos esses passos passam. Viva eles, goste deles, sinta eles! Eles passam e talvez, (quase com certeza), você vai sentir uma saudade danada desses primeiros passos!

As vezes a falta de valorização na carreira profissional também pode estar intimamente ligada a falta de valorização sua com você mesmo. Sua postura pode estar errada no ambiente de trabalho. Você pode estar fazendo seu marketing errado (depois que ler isso não comece a ser um chato que se acha não viu? Existe um abismo de diferença entre marketing profissional e gente que se acha)! E talvez você também possa estar exercendo funções que não combinam muito bem com suas habilidades. Faça um feedback de você, e peça um também para quem trabalha diretamente com você!

ANSEIO 03: “Estou trabalhando a um tempo na indústria, mas eu erro bastante ainda, será que não nasci pra ser Engenheiro de Materiais?”

Um bom feedback próprio e de alguém que te observa e trabalha com você vai te responder isso melhor! O que se tem que ter em mente é que se o sucesso tivesse uma cara, essa cara seria vários pedaços de fracassos superados. Óbvio que os erros precisam ser trabalhados e reduzidos, mas errar não significa que você não é capaz. Quando for realizar novamente a tarefa você precisa se preparar mais e não errar novamente, se continuar errando na mesma coisa significa que existe algo de errado. Seja gentil com você mesmo, pare e pense nisso! A dica/resposta adequada para este anseio seria uma pergunta: Você continua errando na mesma coisa?

ANSEIO 04: “Sou profissional da materiais e estou trabalhando na indústria, mas não sei se este é realmente o meu caminho. É loucura largar tudo e fazer a carreira acadêmica”?

Quando nós formamos, raramente podemos afirmar COM CERTEZA que queremos seguir algum caminho se ainda não vivemos a experiência. Geralmente acreditamos que sabemos qual caminho seguir por razões erradas, como, por exemplo, a pressa, a ansiedade ou a pressão familiar. Não é loucura estar caminhando em um sentido e querer mudar, se você tiver essa opção isso se chama privilégio!

A dica é:  você precisa ter a ciência de que quem vai estar trabalhando diariamente é você, não é mais ninguém. E como passamos muito tempo de nossa vida trabalhando, acredito que precisamos estar felizes no trabalho, porque se não, do que adianta? Você iria querer viver assim?

Mudar de direção é difícil, você pode ter que aceitar ganhar menos por um bom tempo, ou ter que estudar e trabalhar mais nas metas para alcançar o objetivo, e por isso, recomendo que goste de trilhar o caminho que escolheu, se não, o risco de estagnação é grande.

ANSEIO 05: “Como me desenvolver como pesquisador sendo que conheço os prazos e os processos seletivos (número de artigos, etc)”?

Muitas pessoas já me perguntaram isso e essa é uma discussão muito mais profunda do que eu posso estar escrevendo nessa coluna. Por isso, vou tentar sintetizar. A formação na carreira acadêmica após graduação acontece, geralmente, no prazo de 6 anos, sendo 2 de mestrado e 4 de doutorado.

A formação para mestre é muito rápida e minha dica seria gastar todo o seu tempo e disposição na sua pesquisa, seja teórica ou prática. Se empenhe para entender como são as etapas de uma pesquisa e como faze-la da melhor maneira possível. Já no doutorado, para uma formação completa como pesquisador, procure estar inserido em algumas pesquisas parceiras e trate os resultados dessas pesquisas como sua moeda de troca, ou seja, vá mais nos eventos, publique artigos, converse com pessoas mais capacitadas do que você. Se comporte como um profissional quando estiver na construção da sua carreira de pesquisador.

Quando for participar de um processo seletivo para pesquisador e professor em uma universidade, conta-se que a banca examinadora estará preparada para perceber a diferença bruta, gritante e óbvia, que existe entre um pesquisador desenvolvido e pronto em comparação com alguém que só participou de grupos de pesquisas que estavam em busca de números, e não da formação como pesquisador de fato. Se a banca não estiver pronta, isso não terá nada a ver com você.

Expresse força, não arrogância! Expresse determinação e foco, não malandragem! Fica a dica!

 

 

Bárbara Guimarães
Engenheira de Materiais pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Londrina. Durante a graduação desenvolveu pesquisas na área de metais, compósitos, nanomateriais aplicados, analítica e de tecnologia da educação. Foi diretora de Protocolo do Club Rotaract Londrina Sul, presidente do Centro Acadêmico do Curso de Engenharia de Materiais e, co-fundadora do projeto Eu-Reciclo na pré incubadora de empresas da UTFPR. Trabalhou em uma empresa de consultoria prestando serviço em empresas do estado de São Paulo. Atualmente trabalha no mercado financeiro e é mestranda do programa de pós graduação em Ciência e Engenharia de Materiais na Universidade Federal de São Carlos - SP. Sua área de atuação é em materiais compósitos de alto desempenho. Proprietária do Instagram @engenhariademateriaisbg e do canal Materializando BG no YouTube. Mineira, adora ler, correr e ter bons amigos. Toma mais café do que água. Defende a ideia de que viver o próprio sonho é sempre melhor do que viver o sonho de alguém.

Fontes renováveis (Parte 1): Energia Eólica

Previous article

Engenharia de Energia: tudo o que você precisa saber

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *