0

Antes de mais nada, precisamos nos situar sobre essa grande cultura. O arroz (Oryza sativa) é um grão de origem asiática que se expandiu mundialmente como hoje sabemos. E para nós brasileiros é uma cultura fundamental, sendo a base alimentar junto ao feijão em nosso prato no almoço brasileiro.

Arroz

Assim, o arroz, sem dúvidas, é um dos alimentos mais importantes da alimentação humana. É a base alimentar para mais de 3 milhões de pessoas e esta entre os maiores cereais cultivados no mundo, que gira entorno de 160 milhões de hectares plantados com uma produção estimada de 483 milhões de tonelada. O top 3 países produtores são respectivamente: China, Índia, Indonésia.

Brasil

Assim sendo, falando do nosso país estamos entre os 10 maiores produtores mundiais, sendo uma produção representativa de 11 milhões de toneladas. Dos quais, os estados que se destacam são Rio Grande do Sul que domina a produção com cerca de 70% do total, seguido de Santa Catarina e Paraná, os quais tem uma produtividade de cerca de 7 toneladas por hectare.

Sistemas de cultivo

Pois bem, vamos agora então entrar em uma parte mais técnica. O arroz, pode ser cultivado em 3 diferentes sistemas, que são: Semeadura em água (pré-germinado), Semeadura em solo seco (sequeiro) e transplante de mudas.

Semeadura em água (Pré-germinado)

Conhecido como arroz pré-germinad, como o próprio nome já diz, são utilizados sementes pré-germinadas, as quais são distribuídas a lanço. Para que haja a germinação dessa semente, os sacos de sementes devem ser hidratados. Os sacos são imersos em água (em tanques, valas…) entre 24-48 horas. Logo após, são retiradas e postas a sombra para secar por 24-48 horas também. Onde devemos ficar atentos a emissão do coleóptero e da radícula (as quais não devem passar de 2mm) estão preparadas para serem semeadas.

Preparação da área para a semeadura

Primeiro: Muitos são os passos para preparação de uma área, plantio após plantio. Uma das primeiras e mais importantes é controlar as plantas daninhas da área, o qual é feito via dessecação. A dessecação é feita com uso de herbicidas como o glyphosate.

 

Segundo: Outro passo importante, é o revolvimento do solo, onde o solo é exposto. Importante não realizar um revolvimento muito profundo, pois este acaba auxiliando o banco de sementes dadinho, trazendo prejuízos futuros, e é muito importante para os próximos passos que esse manejo seja feito de forma uniforme, bem homogêneo.

Terceiro: Inundação da área, é uma das principais imagens que vem em mente quando falamos em arroz pré-germinado. Nesta operação, é realizado o alagamento da área onde será realizada a semeadura, o qual deve ser realizado entre 20-30 dias antes da semeadura. Essa prática, impede muito bem o desenvolvimento de muitas daninhas que não são adaptadas a saturação com lâmina d’água do solo.

Quarto: Outro ponto forte de todo o sistema é o preparo da lama. Que é simplesmente fazer lama, por exemplo com uso do implemento conhecido como enxada rotativa acoplada a um trator. É bom lembrar, que deve evitar formação de sulcos.

Arroz

Quinto: Junto ao quarto, é importante fazer o nivelamento dessa lama, conhecido também por realizar o alisamento da área. Consiste basicamente em deixar a área nivelada e lisa. É muito importante, pois esse processo deixara a área homogênea em condições para recebimento das sementes pré-germinadas. Pode ser feito desde uso de implemento como prancha, até por exemplo uso de grandes e pesadas toras de madeira.

Arroz

Sexto: E por ultimo e não menos importante é feito a semeadura. As sementes pré-germinadas são semeadas em lâmina d´água a lanço. Para semear a lanço variam as formas, desde uso de distribuidor (mais comum atualmente), lanço manualmente (comum mais antigamente), uso de avião (grandes áreas) e até mesmo uso de Drones (potencial futuro).

Semeadura em solo seco

Assim sendo, também muito comum, a semeadura em solo seco não varia muito do sistema anterior. Devemos levar em consideração que não se tratam de sementes pré-germinadas.

Os passos do preparo da área diferem, sendo eles:

Primeiro: Também como passo muito importante e inicial, é feito a dessecação da área com uso de herbicidas de ação total para controle das plantas daninhas.

Segundo: É realizado o preparo do solo, ou seja, onde deve ser feito o revolvimento da área, evitando a formação de torrões, para maior homogeneidade da área total para estabelecimento de todo o estande de plantas.

Terceiro passo: Semeadura em solo seco, o qual é feito em linhas, o que acaba tento como ponto positivo em relação a semeadura em linhas, o menor gasto de sementes.

Quarto e importante passo, é realizado a aplicação de herbicidas, também em solo seco para o controle de plantas daninhas. Sendo este passo realizado quando a cultura está em estagio S3 até no máximo V3, estádio conhecido como ponto de agulha, principalmente com uso de glyphosate.

Quinto passo: é o no qual é realizado a primeira adubação nitrogenada em cobertura, onde pode ser realizado quando a cultura estiver em estádio de desenvolvimento entorno de V3/V4.

Sexto passo: é realizado então, a inundação da área, quando a cultura estiver em desenvolvimento entorno de V3/V4. Lembrando, que na semeadura a seco só ocorre a inundação da área depois da semeadura.

Arroz

Transplante de mudas

Antes de mais nada, esse tipo de sistema, é um pouco diferenciado. Esse sistema já visa a obtenção de sementes com alta qualidade, ou seja, sementes com qualidade superior.

Assim sendo, primeiro se produz a muda do arroz, e somente depois essa muda vai a campo, quando atinge entre 10-12cm de estatura, ou seja, mais ou menos em estágio V2 são transplantadas para solo úmido e não solo saturado (com lâmina).

Contudo, depois de esperar alguns dias, que são necessários para a planta se adaptar e se fixar no solo e condições e só depois disso se entrar com lâmina.

Arroz

E ai curtiu saber um pouco mais sobre os sistemas de cultivo da cultura do arroz? Qual você vê com bons olhos? 

Clique aqui e saiba mais sobre iLPF- Agricultura de baixo carbono.

Guilherme Matos de Carvalho
Catarinense, 22 anos, formado em Técnico em Agropecuária (2016) e graduando em Engenharia Agronômica no Instituto Federal Catarinense Campus Santa Rosa do Sul- SC. Membro dirigente no CREAjr-SC na regional de Araranguá-SC, e Vice presidente no Centro Acadêmico de Agronomia em 2020. Ama o agro, ama escrever e ama se rodear de boas pessoas. Sonhador, fã de games e louco por conhecimento.

Leilão da Cedae – O maior projeto de infraestrutura do país

Previous article

Conheça o curso de engenharia geológica

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil