publicidade

publicidade

BDE Review: testamos a moto Continental GT, um clássico da Royal Enfield

Dentro do melhor estilo “motociclismo raiz”, a Continental GT é um dos três modelos da Royal Enfield comercializados no Brasil

A Royal Enfield chegou para ficar no Brasil. Já falamos aqui no Blog da Engenharia sobre a marca de origem inglesa que foi comprada por uma empresa indiana e defende o conceito do motopurismo. No Brasil, a Royal Enfield chegou em abril de 2017, sendo os modelos importados da Índia. São eles: a Bullet 500, a Classic 500 e a Continental GT. Recentemente tivemos a oportunidade de estar a Continental GT, modelo que mais se destaca, sendo considerado um dos mais esportivos e de melhor performance para pilotar.

 

Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).

O modelo Continental GT

A Continental GT foi lançada em 1965. Na época, tinha um motor monocilíndrico de 250cm³. Atualmente, tem motor de 535cm³ e é refrigerado a ar. A motocicleta tem um projeto mais moderno, mas conseguindo manter o estilo clássico e é inspirada no estilo Café Racer da década de 60. Para quem não sabe, Café Racer era um movimento que unia a paixão pela velocidade e o rock and roll, surgindo a partir dos jovens que percorriam diferentes cafés à beira de estrada com suas motos.

Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).

O modelo Continental GT apresenta uma potência de 29,1 cavalos, 5 marchas, injeção eletrônica, partida elétrica e pedal. Para seu desempenho, e para uma forma de pilotar mais agressiva, as pedaleiras foram posicionadas em posição mais recuada, o que faz com que a motocicleta esteja mais próxima das tradicionais Café Racers. Com todas estas características, a Continental GT, entre os modelos da Royal Enfield, é a que pode ser melhor customizada.

Diferenciais

Entre os diferenciais da Continental GT, destaque para o fato de ser leve e apresentar pedal de partida, além da injeção eletrônica de gasolina, um mecanismo para auxílio na partida a frio, que é o afogador. Seu painel conta com velocímetro e conta-giros analógico, com uma pequena tela no formato digital.

Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).

Há a versão com e sem freio ABS, por uma diferença de R$1.500,00. A versão sem ABS sai por R$23.000,00, portanto por R$24.500,00 é possível levar para casa o mesmo modelo, mas com freios ABS, o que pode fazer toda a diferença nos passeios e aventuras a duas rodas.

Desempenho

Como característica própria das motocicletas da Royal Enfield, a Continental GT tem um acabamento simples, assim como toda a mecânica. O objetivo é chegar ao motociclismo puro, o chamado motopurismo – por isso a mecânica robusta. O objetivo é aproveitar a viagem, em um modelo clássico e estiloso, com toques modernos.

Por exemplo, quando se busca extrair mais da Continental na estrada, a partir de altas rotações, é possível sentir a vibração mais forte, tanto nas mãos como nos pés, o que atrapalha a pilotagem.

Imagem da motocicleta Royal Enfield de cor preta
Imagem: Royal Enfield
Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).

Veja também: Visual retrô e estilo clássico de pilotar: desvendamos o que é motopurismo com os modelos da Royal Enfield


Apesar da posição de pilotagem mais clássica e divertida, para trechos mais longos o assento pode se mostrar um pouco mais duro que o convencional, mas nada que atrapalhe ao extremo o desempenho e as características da Continental GT.

O mercado brasileiro é uma das apostas da Royal Enfield, tanto com a Continental, como com a Bullet e a Classic. E mais novidades estão previstas pela marca, com novas versões e cores de seus modelos. Vale atentar para todas as novidades da Royal Enfield por aqui, principalmente para os apaixonados por pilotar a duas rodas.

Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).
Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).
Foto: Eduardo Mikail (@eduardomikail).


publicidade

publicidade