ColunistasDestaqueDestaque + Editor's PickDestaque + PopularesEngenharia Química

Cafeína: a força motriz dos engenheiros

0

Qual engenheiro ou estudante de engenharia nunca passou a madrugada acordado para estudar? Virou noites? Será que seria possível se formar sem ingerir cafeína?

Consumo de café e cafeína

A cafeína é um composto químico da família dos alcalóides, por sua vez, tem efeito direto no sistema nervoso central, ou seja, uma droga psicotrópica. Além disso, atua no metabolismo basal, favorecendo o emagrecimento, aumento da produção de suco gástrico melhorando a digestão, dentre outras funções.

Química da Cafeína

Por incrível que pareça, a cafeína é uma das drogas mais consumidas no mundo todo, pois está presente em uma série de alimentos, suplementos, chocolate, guaraná, refrigerantes, e claro, no nosso querido e delicioso café.

Mas, as perguntas que nos deixam de cabelo em pé!

Faz mal? Ou seja, tem efeitos colaterais? Tem dosagem recomendada? Como ela age no organismo? Calma! Uma coisa de cada vez! Continue lendo para obter suas respostas e ter o senso crítico e o discernimento para saber se deve tomar ou não, quanto, e quando.

A origem

Conforme dito anteriormente, a cafeína está presente em vários alimentos, isso quer dizer, em espécies vegetais.

Cafeína e dieta.

As plantas, produzem esse metabólito de forma a afastar seus predadores. Contudo, ao se tratar da fabricação de fármacos, a cafeína é extraída primordialmente do café.

Uma das descobertas de algumas espécies que possuíam esse composto e que possui efeito estimulante foi ao acaso. Onde foi observado, que um rebanho ao consumir as folhas de uma determinada espécie de plantas entrava em estado de agitação.

rebanho após consumir cafeína

Rebanho em estado de agitação.

Todavia, apenas em 1820, a cafeína foi descoberta a partir do café.

Ação da cafeína

Ao realizarmos a ingestão de alimentos que possuem  cafeína, seu processamento já se inicia pela boca, contudo, a molécula é metabolizada e liberada no organismo através do fígado.

Metabolização da cafeína.

Metabolização da cafeína.

Apesar disso, após fazermos seu consumo, o pico de concentração sarcoplasmática de cafeína se dá após 1h que foi realizada a ingestão. Ainda, pode demorar até 40h para ser eliminada completamente pelo organismo.

Devido a longa presença da molécula no organismo, recomenda-se a não ingestão de alimentos, bebidas, e ou suplementos durante o período noturno, pois, essa ingestão pode deixar o indivíduo em estado de alerta e fazer com que o mesmo perca o sono durante a noite. 

Insônia

Obs: Por isso tomamos tanto café e energéticos! rs

Ah! Eu tomo café à noite e mesmo assim consigo dormir!

Sim! A cafeína irá reagir de maneira diferenciada de indivíduo para indivíduo, que depende de alguns fatores, por exemplo: idade, genética, peso, dentre outros.

Contudo, mesmo que você não perceba, ela irá prejudicar sua noite de sono. Por que? A cafeína por ser uma molécula muito parecida com a adenosina, esta última que indica que estamos cansados e necessitamos dormir, “rouba” o lugar nos receptores. Em consequência, temos a falsa sensação de bem estar, quando na verdade nosso corpo pede descanso.

Cafeína e adenosina

Quando os níveis de cafeína caem sofremos o feedback negativo, sentimo-nos mais cansados, irritados, perda na concentração, dentre outros efeitos. Sinal que a adenosina está novamente se ligando aos receptores

Por isso que, uma pessoa que está cansada, e toma café pra se manter acordada, toma café durante todo o dia.

A ação acima é produzida no cérebro. Ainda, no cérebro, a cafeína atrapalha a regulagem de dopamina (um hormônio da felicidade) e atuam na liberação de adrenalina.

O lado bom e o lado ruim da cafeína.

A cafeína, assim como toda substância, traz não só benefícios quanto malefícios para o ser humano, a depender da dosagem e do tempo de uso.

Como benefícios, podemos citar, por exemplo: aumenta o estado de alerta, melhoram a utilização do glicogênio pelo músculo, reduz inflamações, previne doenças, melhora dos reflexos, estimulam o metabolismo, retardam a fadiga, colabora com a queima de gordura corporal pela termogênese, etc.

Ainda existem estudos que provam que a cafeína pode trazer alguns efeitos terapêuticos. Como no tratamento de problemas respiratórios devido a dilatação dos brônquios, regulam o intestino e a bexiga.

Ah! E a cafeína não causa problemas cardiovasculares, pelo contrário, reduz o risco cardiovascular. Essa falsa sensação é devido ao efeito de vasoconstrição causado pela molécula que, após sua metabolização, tem-se o relaxamento das artérias. Como resultado, temos um fluxo de sangue melhor.

Como malefícios, podemos citar a insônia, dor de cabeça por abstinência, irritabilidade, nervosismo e tremores. 

Reitero, depende da dosagem!

Considerações finais !

O uso de cafeína, seja através de suplementos, alimentos ou outros produtos, é uma prática bem utilizada pela sociedade. 

Pelos engenheiros então… Nem se fala.

Como foi explicado acima, tomar café ou consumir outro produto que possua cafeína não irá lhe causar problemas de saúde. Claro, se usar com moderação.

As doses recomendadas de cafeína diária giram em torno de 300 mg – 500 mg.

Em suma…

Podem tomar seus cafezinhos! 

bebendo-cafe

Beba com moderação!

Paulo Bonjour
Estudante de Engenharia Química na Universidade do Rio de Janeiro (UERJ), onde realiza as seguintes atividades de Iniciação Científica: Otimização de Processos Químicos e Análise das Tecnologias de Produção de Butadieno. Cursou Bacharel em Física até o 4º Período. Durante esse tempo participou de atividades de Iniciação Científica na área de Energia Solar. Possui cursos de Inglês e Francês. Atualmente trabalha com Conformidade de Registro de Gestão no Exército, responsável pela certificação dos registros dos atos e fatos de execução orçamentária, financeira e patrimonial incluídos no Sistema integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI e da existência de documentos hábeis que comprovem as operações.

    4 dicas para o mapeamento de processos

    Previous article

    Agricultura de precisão: Estação meteorológica – P1

    Next article

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    More in Colunistas