ColunistasCursos de EngenhariaDestaqueDicasEngenhariaGeotecnia

Conheça o curso de engenharia geológica

0

Engenharia Geológica é outra denominação possível para o curso de Geologia (ciência que estuda a Terra).

Pode parecer amplo, mas a geologia é uma das ciências naturais mais abrangente nos dias de hoje. O geólogo estuda a composição, estrutura e evolução da Terra, bem como os processos que ocorrem no interior e na superfície.

O conhecimento da Terra nos permite entender que nosso planeta é um sistema totalmente conectado, o que também ajuda as pessoas a reconhecer e proteger os diferentes habitats que sustentam a vida na Terra.

Para entender tudo isso, o profissional deve ter um conhecimento profundo de física, química, biologia e matemática.

Necessidade da criação do curso

Em 1928, com o rompimento da barragem St. Francis na Califórnia e a perda de 426 vidas, a demanda por engenheiros geólogos atraiu a atenção mundial. Nos anos seguintes, mais falhas de engenharia ocorreram, o que também levou à necessidade de engenheiros geólogos se envolverem em projetos de engenharia de grande escala.

Posteriormente, em 1951, uma das primeiras definições de “engenheiro geólogo” ou “engenheiro geólogo profissional” foi fornecida pelo Comitê Executivo da Divisão de engenharia geológica da Sociedade Geológica da América.

Origem do curso no Brasil

O presidente Kubitschek acreditava que a geologia era um meio de garantir a soberania territorial.

Como resultado, em 1957, ele promoveu a abertura simultânea de sete cursos de graduação em sete estados do país como estratégia para garantir o reconhecimento do território do país e promover o desenvolvimento econômico através da mineração.

Desde 1961, a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) oferece o curso de engenharia geológica, sendo pioneira no país.

Sobre o curso

Da mesma forma, que acontece com a maioria dos cursos de engenharia no país, o curso de engenharia geológica tem uma duração média de cinco anos e integra as áreas de Ciências Exatas e da Terra com disciplinas de cálculo, física, desenho, mapeamento, Mineralogia, Cristalografia, Petrografia, Sedimentologia, Paleontologia, Estratigrafia, Geomorfologia, Petrologia, Geologia Estrutural, Geoquímica, Geofísica, Hidrogeologia, Geotectônica, Geologia de Engenharia, dentre outras.

Para a obtenção do diploma de engenheiro, o aluno deve apresentar TCC e realizar estágio supervisionado na área.

Atuação

O engenheiro geólogo pode desempenhar um papel em vários campos, como fazer mapas geológicos em pesquisas para descrever e classificar as formações rochosas no terreno; estudar as formações rochosas e determinar as causas e transformações ao longo dos anos; cooperar com empresas de mineração para localizar e avaliar os depósitos; analisar a viabilidade econômica e técnica dos depósitos e acompanhar a exploração.

Além disso, ele também pode estar envolvido no ensino de ciências geológicas em instituições de ensino médio e superior, e pode continuar seus estudos de especialização, mestrado e doutorado.

Salário

A Lei nº 4.950/A, promulgada no Brasil em 22 de abril de 1966, estabeleceu o salário mínimo para os profissionais de engenharia, arquitetura, química e agronomia em uma jornada de 8 horas diárias de 8,5 salários mínimos.

No entanto, é claro que os valores salariais das empresas em todo o país podem variar. Isso porque devemos considerar o porte da empresa, a região onde a empresa está inserida e o nível de experiência do engenheiro.

Onde estudar

Como resultado de uma pesquisa feita no E-mec, somente 3 instituições ofertam o curso de engenharia geológica no País. São elas:

Ficou interessado(a)? Se liga

A TV UFOP e a Pró-Reitoria de Graduação da UFOP apresentam o MAIS UFOP, programa que mostra os cursos oferecidos pela Universidade Federal de Ouro Preto e ajuda o estudante a definir qual graduação seguir. Neste vídeo a seguir, o MAIS UFOP fala sobre o curso de Engenharia Geológica!

O interessado em ingressar no curso de Engenharia Geológica deve estar disposto a conhecer a história do mundo que lhe cerca e do planeta onde vive. Para tal, é necessário aprimorar o bom senso para a observação e ter disposição para desvendar os vestígios do passado da Terra preservados nas rochas. O que lhe espera são trabalhos para conhecer um mundo novo onde os fatos acontecem muito lentamente, deixando pistas para podermos entender o passado. Prof. Messias Gilmar de Menezes, ex-aluno do curso de Engenharia Geológica e professor da UFOP.

Helberte Braz Santos Pereira
Baiano, acadêmico do curso de Engenharia de Minas na Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT), atualmente faz mobilidade internacional em Engenharia Industrial na Universidad Antonio Nariño(UAN) e também faz estágio na Brasil Gold Mineração (empresa pertencente ao Grupo Dias) atuando na parte da confecção de mapas, requerimentos de mudança de regime e visitando as plantas de beneficiamento da empresa. Já atuou como monitor da disciplina de geologia geral e também colaborou em organizações de eventos em projetos de extensão. Está sempre disposto a agregar e a aprender mais sobre o mundo profissional. Gosta sempre de refletir sobre ações do cotidiano e o impacto que isso tem sobre a sociedade. Quando quer algo, desistir não é uma opção.

Arroz (Oryza sativa): Sistemas de cultivo.

Previous article

5 livros para engenheiros civis disponíveis no Kindle

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas