1

Antes de mais nada, precisamos conhecer a engenharia agronômica. O Engenheiro Agrônomo é um profissional de nível superior, atuante em todas as etapas do agronegócio mundial do planejamento a colheita.

Assim, como exemplo de atuação podemos citar: consultorias, análises laboratoriais, construções rurais, produção vegetal e animal, venda de insumos, máquinas e implementos agrícolas e muitos outros até a comercialização do produto final.

Mas você conhece bem esse curso?

Engenharia Agronômica

Engenharia Agronômica

Muitas das vezes conhecemos a fama desse curso e nos esquecemos de realmente procurar conhece-lo. Não se trata de um curso de bebedeira, botina e chapéu e muito menos de um curso exclusivo masculino.

Atualmente o curso abriga tanto graduandos vindos do campo, como também dos centros urbanos. O curso atualmente cresceu muito para o sexo feminino e muitas das vezes são maioria nas cadeiras do curso.

Todos os cursos tem problemas, seguidos de longos anos em conjunto com uma sociedade, a qual tem mudanças lentas, ano após ano. Atualmente muitas barreiras estão sendo quebradas nesse curso e todos os profissionais estão orgulhosos da representatividade e continuação desse trabalho tão importante.

O engenheiro agrônomo atua no planejamento da safra e manejos, ou seja, cuidados com o solo, manejo de doenças, plantas daninhas e pragas agrícolas, na colheita dos insumos vegetais, do beneficio animal, armazenamento, industrialização e comercio.

Nesse sentido, no ano de 2019 representando 21% do PIB do brasileiro o agronegócio foi a base da economia brasileira. E ainda tem um longo campo de desenvolvimento.

Atribuições do Engenheiro Agrônomo, quais são?

DECRETO Nº 23.196, DE 12 OUT 1933 Regula o exercício da profissão agronômica e dá outras providências, confira aqui.

Portanto é habilitado para trabalhar em empresas no âmbito da Agronomia, projetando, coordenando, supervisionando, implantando projetos de produção e de comercialização agropecuária. E gerenciar o próprio negócio.

No mesmo sentido, também atua na produção de insumos, gestão ambiental e gestão do agronegócio; para realizar consultorias para empresas e para proprietários rurais.

Na defesa sanitária, na perícia e na fiscalização de postos, de aeroportos e de fronteiras; no controle de pragas e vetores em ambientes rurais e urbanos; na extensão, como agente de desenvolvimento rural, como docente e como pesquisador.

Agronomia ou Engenharia agronômica? Agrônomo ou Engenheiro agrônomo?

O decreto que regulamentou a profissão agronômica, 23.196, de 12 de outubro de 1933, também usou indistintamente os termos agrônomo e engenheiro agrônomo, de modo que desde então vem sendo utilizados como sinônimos.

Além disso, a obsessão pelo título de “engenheiro” antes do agrônomo era tão passional que os alunos enviaram cartas ao ministro da agricultura da época solicitando a reversão da matéria.

Ainda assim, houve ameaças de greves e até mesmo de cancelamentos de suas matriculas na agronomia com os alunos buscando cursos com titulações mais nobres como a engenharia, medicina e direito.

Não se pode negar a influência que o Ministério da Agricultura exerceu para a criação e manutenção dessa cultura de “Agronomia” e da titulação profissional “Agrônomo” em detrimento da Engenharia Agronômica e do título de Engenheiro Agrônomo.

Portanto o MEC tinha todo o poder – o de formar, registrar e fiscalizar o exercício da profissão. Somente perdeu esses poderes em 1966, com o advento da Lei 5.194 que passou o registro e a fiscalização do exercício profissional do engenheiro agrônomo para o sistema CONFEA/CREA.

Houve uma proliferação de leis conflitantes, ora retirando, ora obrigando a utilização de uma ou de outra denominação – agrônomo e engenheiro agrônomo.

Por consequência o MEC, ao receber a administração do ensino agrícola superior, manteve a denominação dos cursos como “Agronomia” e o título do formando “Engenheiro Agrônomo” (Resolução CFE 38/75).

Depois de muitas confusões e anos de discussão, em Decisão Plenária nº 1060/2014, os conselheiros federais do CONFEA decidiram que Agronomia é o nome do curso de bacharelado que forma o Engenheiro Agrônomo.

Portanto, atualmente, Agronomia é o nome do curso que confere o título profissional de Engenheiro Agrônomo.

Contudo vamos fechar por aqui, e continuar na parte dois descrevendo mais sobre as cadeiras do curso. Discutir sobre a formação, dicas e esclarecimentos, por isso lhe aguardo para o próximo artigo parte 2.


Você segue o Blog da Engenharia no Instagram?

Você me segue no Instagram? 

Acompanhe demais artigos aqui!

Engenharia

Guilherme Matos de Carvalho
Catarinense, 21 anos, formado em Técnico em Agropecuária (2016) e graduando em Engenharia Agronômica no Instituto Federal Catarinense Campus Santa Rosa do Sul- SC. Membro dirigente no CREAjr-SC na regional de Araranguá-SC, e Vice presidente no Centro Acadêmico de Agronomia em 2020. Ama o agro, ama escrever e ama se rodear de boas pessoas. Sonhador, fã de games e louco por conhecimento.

Planejamento Estratégico: Crie o seu para 2021

Previous article

A Engenharia e as Cidades inteligentes

Next article

You may also like

1 Comment

  1. […] com a parte 2 dessa nossa pequena série destrinchando a engenharia agronômica. Já falamos na parte 1 sobre o que é o curso, atribuições desse profissional, sobre a forma correta de […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas