3

Se você trabalha com gestão de projetos, melhoria contínua ou de certa forma está envolvido com este universo, muito provavelmente já deparou com o termo SCRUM.

Isso porque o SCRUM tem se tornado muito popular nos últimos anos e seus adeptos ao redor do mundo só tendem a aumentar.

Mas, se você não sabe ou nunca utilizou o SCRUM, talvez esteja se perguntando “por que será que este termo anda tão em voga?”, “da onde surgiu esse tal de SCRUM” ou mesmo “como posso utilizar o SCRUM?”.

What it means to be a critical thinker and why marketers need to embrace the concept

Assim, se você pretende começar a vislumbrar este framework ou se já conhece, mas pretende aprender um pouco mais – afinal conhecimento nunca é demais – você está no lugar certo.

Nesta série DESTRINCHANDO O SCRUM, dividida em 4 partes, veremos:

  1. O que é o SCRUM e como ele surgiu. [PARTE 1/4]
  2. SCRUM e o Movimento Ágil. [PARTE 1/4]
  3. Quais os eventos, os papéis e os artefatos do SCRUM, além de outros termos. [PARTE 2/4]
  4. Como implementar e acompanhar o SCRUM com sucesso! [PARTE 3/4]
  5. Quando não se deve implementar o SCRUM. [PARTE 3/4]
  6. Por fim, algumas DICAS especiais que preparei junto ao Antonio Santos,  Scrum Master e atual supervisor de implantação de projetos da Modular Mining System, para leitores que pretendem se aprofundar. [PARTE 4/4]

Sem mais delongas, vamos juntos destrinchar o SCRUM.

além disso,

Afinal, o que é o SCRUM?

O SCRUM é um framework – não uma metodologia – de projetos com etapas bem definidas que, inicialmente, buscava auxiliar equipes no desenvolvimento de softwares.

Porém, sua implementação não se restringiu a este campo e, atualmente, pelo menos 60% dos projetos ágeis em todo mundo, de diferentes áreas, setores e níveis organizacionais o utilizam.

O grande destaque do SCRUM está no fato dele ter sido criado, especialmente, para lidar com alguns dos principais problemas que decorrem ao longo do desenvolvimento de um projeto, isto é, a imprevisibilidade, prazos curtos, burocracias, complexidade de problemas iminentes, hierarquias mal elaboradas, comunicação, dentre muitos outros.

Logo, dentre os principias benefícios de aplicar o SCRUM podemos citar alguns, como:

  • Simplicidade
  • Maior velocidade
  • Mais flexibilidade
  • Comunicação aprimorada
  • Transparência
  • Adaptabilidade
  • Eficiência na execução
  • Engajamento do time

Scrum

Uma breve história do SCRUM

A história do SCRUM inicia-se em 1986. Em janeiro deste ano, Takeuchi e Nonaka, publicam o artigo intitulado The New Product Development Game – O novo Jogo de Desenvolvimento de Produtos – no qual destacava empresas no Japão e nos Estados Unidos que adotaram uma nova abordagem para gerenciar o processo de desenvolvimento de produtos.

Além disso, o nome SCRUM – derivado do jogo de Rugby – foi sugerido, depois que Takeuchi e Nonaka observaram que algumas equipes, pequenas, multidisciplinares e auto gerenciáveis, recorrentemente obtinham melhores resultados comparado às equipes grandes do modelo cascata de gerenciamento de projetos.

sport, field, game, play, run, equipment, soccer, football, goal, rugby, outdoors, team, sports, match, college, athletes, tournament, touchdown, tackle, teams, team sport, scrum, rugby football, rugby union, rugby league

Scrum em uma partida de Rugby.

Já em 1993, Jeff Sutherland e Jeff McKenna, insatisfeitos com os recorrentes atrasos em seus projetos de desenvolvimento de softwares, orçamentos estourados, além do estresse gerado pela utilização dos modelos tradicionais de gestão de projetos, abraçaram o estudo de Takeuchi e Nonaka e arquitetaram o framework para utilizá-lo pela primeira vez na Easel Corporation.

“Na Easel, não tínhamos nada a perder, por isso decidimos tentar, embora o artigo se concentrasse na fabricação de produtos e não no desenvolvimento de softwares. Pensei que a ideia deles abordava algo fundamental, um processo descritivo de como os seres humanos trabalhavam melhor juntos em qualquer empreendimento” – Jeff Sutherland

Depois de dois anos de sucesso implementado o SCRUM, em 1995, Jeff Sutherland e Jeff McKenna apresentaram o artigo titulado SCRUM Development Process – Processo de desenvolvimento SCRUM – no qual, objetivavam a sistematização das práticas do SCRUM na conferência de pesquisa da Association for Computing Machinery (ACM), a primeira e maior sociedade de computação científica e educacional do mundo.

Desde então, o SCRUM vem se adaptando e evoluindo, mas o núcleo apresentado na conferência continua praticamente o mesmo.

SCRUM e o Manifesto Ágil

scrum gestão de projetos

O Manifesto Ágil – também conhecido como Agile – é um documento que foi, inicialmente, elaborado entre os dias 11 a 13 de fevereiro de 2001, em uma reunião em Utah, EUA.

Na época, grandes gestores de projetos e profissionais influentes da computação se reuniram para discutir os fatores que realmente importavam no desenvolvimento de software.  Na reunião, acabou sendo compilada uma série de 4 valores e 12 princípios que deveriam nortear a gestão, tomada de decisões e ações das equipes durante a execução de projetos ágeis, assim, otimizando os resultados.

Além disso, vale ressaltar que entre os participantes da reunião se encontravam nossos caros Jeff Sutherland e McKenna. Por isso – e por outro motivos – o SCRUM também é consistente com os valores e princípios do Agile.

Enfim, confira abaixo os 4 Valores e os 12 Princípios do Manifesto Ágil, traduzidos diretamente do site oficial do agilemanifesto.org, onde se encontra o documento.

4 Valores do AGILE

  • Os indivíduos e suas interações acima de procedimentos e ferramentas.
  • O funcionamento do software acima de documentação abrangente.
  • A colaboração com o cliente acima da negociação e contrato.
  • A capacidade de resposta a mudanças acima de um plano pré-estabelecido.

12 Princípios do AGILE

  1. Satisfação do cliente – Nossa maior prioridade é satisfazer o cliente por meio de entrega antecipada e contínua de software valioso.
  2. Adaptabilidade –  mudanças de requisitos são bem-vindas, mesmo no final do desenvolvimento. Os processos ágeis aproveitam a mudança para a vantagem competitiva do cliente.
  3. Frequência de entrega – Entrega de software funcional com frequência, de algumas semanas a alguns meses, com preferência à escala de tempo mais curta.
  4. Cooperação – Empresários e desenvolvedores devem trabalhar juntos diariamente ao longo do projeto.
  5. Motivação – Construa projetos em torno de indivíduos motivados. Dê a eles o ambiente e o suporte de que precisam e confie neles para fazer o trabalho.
  6. Face-to-Face – O método mais eficiente e eficaz de transmitir informações para dentro de uma equipe de desenvolvimento é a conversa ‘cara-a-cara’.
  7. Softwares Funcionais – O software funcional é a principal medida de progresso.
  8. Ritmo Constante – Processos ágeis promovem o desenvolvimento sustentável. Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários devem ser capazes de manter um ritmo constante, indefinidamente.
  9. Bons Designs – Atenção contínua à excelência técnica e um bom design aumenta a agilidade.
  10. Simplicidade – a arte de maximizar a quantidade de trabalho não feito – é essencial.
  11. Auto-organização – As melhores arquiteturas, requisitos e projetos emergem de equipes auto organizáveis.
  12. Feedbacks – Em intervalos regulares, a equipe reflete sobre como se tornar mais eficaz e, em seguida, sintoniza e ajusta seu comportamento de acordo.

Além disso, na PARTE 2 desta série abordaremos quais os eventos, os papéis e os artefatos do SCRUM, além de outros termos.

Continue atento aos próximos artigos e não deixe de acompanhar o conteúdo que trazemos diariamente aqui no Blog, pois sempre tem muita coisa interessante.


Aproveite e siga o Blog da Engenharia no Instagram!

Paulo César Santos
Paulo César é um ludovicense de 23 anos que atualmente cursa Engenharia de Produção na PUC Minas. Foi coordenador de uma ONG de voluntariado, cofundador e web designer da Virgo em 2019 e trabalhou como monitor em 2020, auxiliando outros estudantes de engenharia com algoritmos e programação. Adora tudo que envolve engenharia, gestão de projetos e tecnologia e acreditou que valia a pena compartilhar com mais pessoas um pouco do que anda aprendendo. Sabe escrever em linhas de código, mas há quem diga que pena pra escrever autodescrições.

Austrália e o problema ao solucionar impactos de minas desativadas

Previous article

TCC chegou, e agora?

Next article

You may also like

3 Comments

  1. […] fomos introduzidos a uma breve história do SCRUM e conhecemos o manifesto Ágil e seus princípios [PARTE 1], vimos os Papeis, Artefatos e Eventos do framework [PARTE 2], além de como implementá-lo no passo […]

  2. […] redigi uma série em quatros partes Destrinchando o SCRUM aqui no Blog da Engenharia. Assim, se você já leu, está ciente da importância desse framework […]

  3. […] se você já leu a PARTE 1, podemos começar segunda […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil