ColunistasCuriosidadesEngenhariaEngenharia CivilEngenharia Naval

É possível construir um navio de concreto?

0

Você alguma vez, já viu um navio de concreto?

Primordialmente, as primeiras embarcações da história foram construídas de madeira pelos fenícios por volta de 1300 a.C. Com o passar dos séculos, a evolução da técnica de construção permitiu que diferentes materiais fossem explorados na construção de embarcações. Entre eles: madeira, aço, fibra de vidro, fibra de carbono e até mesmo o material mais utilizado na construção civil, o concreto.

Por que houve a necessidade de construir um navio de concreto?

Durante o cenário da primeira guerra mundial, o desenvolvimento de armamentos e munições, tornou o aço escasso e caro para a construção de embarcações, fazendo com que novos materiais fossem estudados para suprir a necessidade do aumento da frota militar americana.

Para que a integridade necessária para a construção de um navio fosse atingida, não foi utilizado apenas concreto, mas sim concreto armado.

concreto armado

O concreto armado consiste em tramas de aço (alma) revestidas de concreto. Unindo as grandes vantagens dos dois materiais: o aço da alma proporciona à estrutura resistência estrutural e resistência à tração, enquanto o concreto é capaz de assumir variadas formas, abreviar o tempo de construção e não sofrer corrosão.

 

Em 1918 o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, solicitou a construção de 24 navios de concreto para fortalecer a frota da marinha americana.  Dos 24 navios planejados apenas 12 foram concluídos, entre eles, o maior navio de concreto armado já construído, o SS Selma. Entretanto,  nenhuma destas embarcações construídas entrou em operação militar na primeira guerra mundial, pois se tornaram ativas somente após o fim da guerra.

navio de concreto

Entenda como maior navio de concreto armado já construído deu origem ao Teste de Slump , empregado até hoje na construção civil.

O maior navio de concreto já construído foi o SS Selma com 132 metros de comprimento e 16,5 metros de largura. Esta embarcação foi criada para integrar a frota da marinha americana. Durante sua construção, o engenheiro Hebert Davis estudava uma forma de garantir que a trabalhabilidade fosse homogênea em todos os lotes de concreto.

concretoPara isso, o engenheiro fez o teste de trabalhabilidade colocando a amostra de concreto em um cilindro e medindo o abatimento após retirar o cilindro. Quando obteve o abatimento desejado, foi possível utilizar esta medida como base para os demais lotes de concreto.

O SS Selma foi lançado ao mar exatamente no mesmo dia em que foi assinado o Tratado de Versalhes, oficializando o encerramento de primeira guerra mundial. Desta forma, o navio não seria utilizado pela marinha americana e foi vendido à iniciativa privada para transportar petróleo. Em sua primeira viagem ao México, o navio foi arrastado pela correnteza contra o molhe, causando-lhe um dano irreparável. Hoje o SS Selma encontra-se aberto para visitações na Ilha de Pelican, Texas.

A maior coleção de navios de concreto armado encontra-se em Powell River, Canadá. Onde dez embarcações estão dispostas na costa canadense a fim de proteger o porto da ação de ondas.

navio de concreto

 

Por que navios de concreto armado não são mais construídos?

Apesar de apresentarem vantagens como abundância da matéria prima e otimização do tempo de construção, para atingir a mesma resistência estrutural de uma embarcação de aço, um navio de concreto necessitaria de grandes espessuras de parede de costado, reduzindo a capacidade de carga, tornando a embarcação mais pesada e ocasionando em um maior gasto de combustível.

Letícia Martins Bodanese
Engenheira Naval pela Universidade Federal de Santa Catarina, onde durante a graduação desenvolveu pesquisas na área da soldagem e participou por 3 anos na equipe Hydra Nautidesign, competindo no Desafio Universitário Internacional de Nautidesign (DUNA). Atualmente trabalha em uma prestadora de serviços mecânicos e elétricos na área naval e é pós-graduanda no curso de Engenharia de Estruturas pela Universidade Unyleya. Catarinense, apaixonada pela área naval, Letícia acredita que com dedicação e persistência tudo pode ser aprendido e alcançado.

    Engenharia: a engrenagem de produzir, gerar e integrar

    Previous article

    Guia prático | Mercado Financeiro para iniciantes

    Next article

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    More in Colunistas