ColunistasDestaqueEngenharia Civil

Engenharia: a engrenagem de produzir, gerar e integrar

0

O mundo da engenharia hoje é um quebra-cabeça em que todas as áreas do conhecimento se integram com o objetivo de desenvolver e trazer avanços positivos à sociedade.

Ademais, a busca pela vacina contra a Covid-19, é uma realidade no desenvolvimento e implantação do 5G, e também tem se tornado uma cada vez mais presente no cotidiano da engenharia.

Talvez, ser solitário ou só saber dialogar com pares do mesmo campo de atuação tornou-se antiquado e não cabe mais em um mundo digital e integrado.

Importante…um estudo realizado pelo IFTF (Intitute For The Future), na Califórnia, concluiu que 85% das profissões que existirão em 2030 ainda não existem.

vida de engenheiro

Por isso, temos uma necessidade profunda de que nós possamos atualizar a nossa formação não só no sentido técnico, nos avanços por meio da pesquisa.

Mas também no ponto de vista da consciência coletiva, no cooperativismo e no universo de possibilidades trazidas pela transformação digital.

Os profissionais que têm se graduado nos cursos de engenharia atualmente têm recebido, em seu universo acadêmico, cada vez mais interdisciplinas, vivências fora da bolha da engenharia e que os tornam engenheiros mais conscientes e integrados com o mundo digital, com o diálogo com as outras áreas do conhecimento.

Mas o que dizer sobre os que constituíam suas profissões em um momento em que esta não era uma realidade? É preciso olhar para este grupo e oferecer oportunidades de conhecer este novo mundo.

O Futuro da Engenharia

A nossa área lida cotidianamente com o futuro. Quando estamos construindo um prédio, estamos pensando no futuro.

E, se o futuro é o resultado daquilo que plantamos e planejamos hoje, temos algumas pistas sobre como nos planejarmos e fazermos da engenharia uma das profissões do presente e do futuro.

Podemos não saber exatamente quais serão as profissões que vão existir daqui a 10 anos. Mas temos todos os elementos para ter a consciência de que estas profissões vão estar completamente imersas na transformação digital, no uso da internet, na preocupação com o meio ambiente, com o aquecimento global e com o desenvolvimento da ciência.

Pensar  em engenharia “fora da bolha” é projetá-la para o futuro passando pela transformação digital. É impossível pensar a engenharia de daqui 5, 10 anos, sem pensar em 5G, sem pensar em responsabilidade social e ambiental, sem pensar na cooperação entre as profissões.

A palavra “engenharia” tem origem do latim “ingenium”, que significa talento, qualidade nata. “Ingenium” vem de “gignere”, que significa produzir, gerar.

Conclusão

Portanto, levando a engenharia ao pé da letra, temos que produzir e gerar um trabalho talentoso e de qualidade.

E isso só é possível quando estamos integrados com os avanços de todos os campos do conhecimento. Precisamos potencializar o alcance da engenharia, integrando-a digitalmente e de forma interdisciplinar.

Não é à toa que um dos símbolos da engenharia é a engrenagem. A engrenagem só faz sentido quando conectada a outras engrenagens.

Vinicius Marchese, engenheiro e Presidente do CREA-SP.
Instagram: @viniciusmarchese
youtube.com/Vimarchese

 

Vinicius Marchese
Vinicius Marchese Marinelli nasceu em Mogi Guaçu - SP, graduou-se em Engenharia de Telecomunicações na Universidade de Taubaté (UNITAU), concluiu a pós-graduação em Redes e Sistema na Universidade Presbiteriana Mackenzie e especializou-se em Gestão de Negócios na Dublin Business School. A carreira do engenheiro é marcada pela atuação em empresas do setor de engenharia telecomunicações, onde trabalhou na VIVO, Embratel e tornou-se empresário da área de tecnologias em iluminação e construções sustentáveis. Foi conselheiro do CREA-SP por dois mandatos, participou da fundação do CREA Jovem Paulista e em 2016 assumiu a presidência do Conselho, licenciado atualmente para concorrer ao segundo mandato.

Perícia judicial – tudo o que você precisa saber!

Previous article

É possível construir um navio de concreto?

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas