ColunistasCursosEngenhariaEngenharia agronômicaGuia da Engenharia

Engenharia Agronômica: O que você precisa saber

0

Antes de mais nada, precisamos conhecer a engenharia agronômica. O Engenheiro Agrônomo é um profissional de nível superior, atuante em todas as etapas do agronegócio mundial do planejamento a colheita.

Assim, como exemplo de atuação podemos citar: consultorias, análises laboratoriais, construções rurais, produção vegetal e animal, venda de insumos, máquinas e implementos agrícolas e muitos outros até a comercialização do produto final.

Mas você conhece bem esse curso?

Engenharia Agronômica

Engenharia Agronômica

Muitas das vezes conhecemos a fama desse curso e nos esquecemos de realmente procurar conhece-lo. Não se trata de um curso de bebedeira, botina e chapéu e muito menos de um curso exclusivo masculino.

Atualmente o curso abriga tanto graduandos vindos do campo, como também dos centros urbanos. O curso atualmente cresceu muito para o sexo feminino e muitas das vezes são maioria nas cadeiras do curso.

Todos os cursos tem problemas, seguidos de longos anos em conjunto com uma sociedade, a qual tem mudanças lentas, ano após ano. Atualmente muitas barreiras estão sendo quebradas nesse curso e todos os profissionais estão orgulhosos da representatividade e continuação desse trabalho tão importante.

O engenheiro agrônomo atua no planejamento da safra e manejos, ou seja, cuidados com o solo, manejo de doenças, plantas daninhas e pragas agrícolas, na colheita dos insumos vegetais, do beneficio animal, armazenamento, industrialização e comercio.

Nesse sentido, no ano de 2019 representando 21% do PIB do brasileiro o agronegócio foi a base da economia brasileira. E ainda tem um longo campo de desenvolvimento.

Atribuições do Engenheiro Agrônomo, quais são?

DECRETO Nº 23.196, DE 12 OUT 1933 Regula o exercício da profissão agronômica e dá outras providências, confira aqui.

Portanto é habilitado para trabalhar em empresas no âmbito da Agronomia, projetando, coordenando, supervisionando, implantando projetos de produção e de comercialização agropecuária. E gerenciar o próprio negócio.

No mesmo sentido, também atua na produção de insumos, gestão ambiental e gestão do agronegócio; para realizar consultorias para empresas e para proprietários rurais.

Na defesa sanitária, na perícia e na fiscalização de postos, de aeroportos e de fronteiras; no controle de pragas e vetores em ambientes rurais e urbanos; na extensão, como agente de desenvolvimento rural, como docente e como pesquisador.

Agronomia ou Engenharia agronômica? Agrônomo ou Engenheiro agrônomo?

O decreto que regulamentou a profissão agronômica, 23.196, de 12 de outubro de 1933, também usou indistintamente os termos agrônomo e engenheiro agrônomo, de modo que desde então vem sendo utilizados como sinônimos.

Além disso, a obsessão pelo título de “engenheiro” antes do agrônomo era tão passional que os alunos enviaram cartas ao ministro da agricultura da época solicitando a reversão da matéria.

Ainda assim, houve ameaças de greves e até mesmo de cancelamentos de suas matriculas na agronomia com os alunos buscando cursos com titulações mais nobres como a engenharia, medicina e direito.

Não se pode negar a influência que o Ministério da Agricultura exerceu para a criação e manutenção dessa cultura de “Agronomia” e da titulação profissional “Agrônomo” em detrimento da Engenharia Agronômica e do título de Engenheiro Agrônomo.

Portanto o MEC tinha todo o poder – o de formar, registrar e fiscalizar o exercício da profissão. Somente perdeu esses poderes em 1966, com o advento da Lei 5.194 que passou o registro e a fiscalização do exercício profissional do engenheiro agrônomo para o sistema CONFEA/CREA.

Houve uma proliferação de leis conflitantes, ora retirando, ora obrigando a utilização de uma ou de outra denominação – agrônomo e engenheiro agrônomo.

Por consequência o MEC, ao receber a administração do ensino agrícola superior, manteve a denominação dos cursos como “Agronomia” e o título do formando “Engenheiro Agrônomo” (Resolução CFE 38/75).

Depois de muitas confusões e anos de discussão, em Decisão Plenária nº 1060/2014, os conselheiros federais do CONFEA decidiram que Agronomia é o nome do curso de bacharelado que forma o Engenheiro Agrônomo.

Portanto, atualmente, Agronomia é o nome do curso que confere o título profissional de Engenheiro Agrônomo.

Formação do Engenheiro Agrônomo

Antes de mais nada, para exercer essa profissão é preciso possuir o diploma de bacharel em um curso de Agronomia reconhecido pelo MEC, além do registro profissional no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) do estado brasileiro em que irá atuar.

É um curso superior com duração de cinco anos, um bacharelado que oferta aos estudantes disciplinas básicas nas áreas das ciências exatas, biológicas e humanas. Assim sendo alguns exemplos são como cálculo, estatística, física, química, bioquímica, genética, botânica, zoologia, fisiologia animal e vegetal;

E voltadas à profissão e atuação, como por exemplo, produção vegetal,  adubação de plantas, manejo de pragas, produção de animais, biotecnologia, processamento de produtos agropecuários, meteorologia, máquinas e implementos agrícolas, irrigação e drenagem.

Também voltadas para a engenharia/ administração/ sustentabilidade como, topografia e geoprocessamento, construções rurais, economia e administração e gestão agropecuária, extensão rural, classificação e conservação do solo, ecologia e manejo ambiental de propriedades rurais.

No inicio do curso, ou seja, nos primeiros anos,  é voltado para matérias básicas exatas e biológicas. Com intuito de ajustar o máximo possível a turma devido as diferenças de formação anteriores.

Entretanto logo chegam as primeiras cadeiras das disciplinas voltadas a atuação e profissão, como matérias de produção vegetal e animal, solos, engenharia agrícola, fitopatologias, pragas e outras. Boa parte da carga horária é dedicada a aulas práticas em laboratórios e visitas técnicas.

E depois de passar por todas as cadeiras e obter as notas, carga horária e frequências necessários ainda deve fazer o estágio que é obrigatório, assim como o famoso Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

O que se espera desse profissional?

É Esperado que consiga identificar problemas e propor soluções relativas à produção de alimentos, animais, energia, também gestão de empreendimentos rurais. Ter uma visão sistêmica, interdisciplinar e ética dos processos gerenciais e produtivos é muito importante.

Em relação às características pessoais, o perfil não é diferente do que é exigido atualmente para outras profissões, ou seja, características como proatividade, comunicação, resiliência, facilidade em trabalhar em equipe, foco em resultados e comprometimento.

De acordo com a Decisão Plenária nº 1060/2014, possui as seguintes competências/habilidades:

  1. Projetar, coordenar, analisar, fiscalizar, assessorar, supervisionar e especificar técnica e economicamente projetos agroindustriais e do agronegócio.
  2. Realizar vistorias, perícias, avaliações, arbitramentos, laudos, pareceres técnicos.
  3. Promover a conservação e/ou recuperação da qualidade do solo, do ar e da água.
  4. Atuar na organização e gerenciamento empresarial e comunitário e na gestão de políticas setoriais.
  5. Produzir, conservar e comercializar alimentos, fibras e produtos agropecuários.
  6. Participar e atuar em todos os segmentos das cadeias produtivas.
  7. exercer atividades de docência, pesquisa e extensão.

Mercado de trabalho

O campo de atuação é bem diversificado, com demanda crescente por profissionais. Boa parte dos Engenheiros Agrônomos atuam no gerenciamento de propriedades rurais, em empresas de consultoria, em revendas agropecuárias, a indústria sucroalcooleira e em indústrias de máquinas, equipamentos e insumos ainda.

Muitos profissionais atuam em multinacionais de máquinas, implementos e insumos agrícolas, é comum encontrar trabalhando como Assistente Técnico de Vendas, Representante Técnico e Desenvolvedor de Mercado.

O Assistente Técnico implanta os experimentos de pesquisa ou de demonstração, oferece suporte técnico das especificações do produto, coleta dados e elabora relatórios. A principal função do Desenvolvedor de Mercado é demonstrar a performance dos lançamentos da empresa no campo para que, na safra seguinte, estes sejam vendidos. O Representante Técnico faz carteira de clientes, fechamento das vendas, o atendimento pós-vendas e a fidelização do cliente.

Além disso, pode abrir atuar como empreendedor, desenvolvedor de produtos, docente de curso técnicos e superiores, pesquisador e melhorador, ou seja a graduação de engenharia agronômica é bem ampla.

Juramento do Engenheiro Agrônomo

Conheça ou relembre o juramento feito por um futuro profissional da graduação de engenharia agronômica.

Juro, que no exercício da minha profissão de Engenheiro Agrônomo, vou me mostrar sempre fiel aos mandamentos da honestidade e da ciência, cumprindo e fazendo cumprir a fiel observância das leis e postulados da ética profissional. Trazer no peito a vontade de vencer e voltar a minha luta para melhorar o mundo. Respeitar a terra, trabalhando-a com racionalidade, para que mais ela possa produzir. Nunca esquecer que a sobrevivência e o crescimento do homem somente se consolidarão de forma duradoura se harmonizados com o meio ambiente. Utilizar a minha profissão para favorecer o progresso social e econômico do meu país. Assim eu juro.

Portanto, nunca deixe de cumprir esse lindo juramento, nem se deixe cegar pela ganância!


Você segue o Blog da Engenharia no Instagram?

Você me segue no Instagram? 

Acompanhe demais artigos aqui!

 

Guilherme Matos de Carvalho
Catarinense, 22 anos, formado em Técnico em Agropecuária (2016) e graduando em Engenharia Agronômica no Instituto Federal Catarinense Campus Santa Rosa do Sul- SC. Membro dirigente no CREAjr-SC na regional de Araranguá-SC, e Vice presidente no Centro Acadêmico de Agronomia em 2020. Ama o agro, ama escrever e ama se rodear de boas pessoas. Sonhador, fã de games e louco por conhecimento.

Planejamento Estratégico de Carreira: Como desenvolver o seu [Parte 2]

Previous article

Carreira de sucesso: O que é necessário para chegar ao topo do mercado de Engenharia?

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas