ColunistasEngenhariaEngenharia TêxtilGuia da Engenharia

Tudo sobre: Engenharia Têxtil e da Indumentária

0

A tecnologia têxtil e da indumentária utilizam técnicas e conhecimentos na fabricação e no tratamento de fibras, fios e tecidos e na confecção de roupas.

Então, o Engenheiro formado em Engenharia Têxtil e da Indumentária, de modo geral, irá projetar instalações, equipamentos e linhas de produção de tecelagens e industrias de confecção de roupas.

Vamos descobrir mais sobre essa profissão!

Como o Engenheiro em Tecnologia Têxtil e da Indumentária trabalha?

O Engenheiro em Tecnologia Têxtil e da Indumentária irá controlar os custos, os processos industriais (estamparia, tingimento, corte, costura, etc) bem como a qualidade da matéria-prima e do produto final. 

Se optar por essa engenharia você irá coordenar o trabalho de operários e técnicos para concretizar os projetos de estilistas e designers. Terá também, conhecimento de marketing, então poderá assessorar e orientar clientes.

Poderá trabalhar com pesquisa e desenvolvimento, criando fibras e fios sintéticos para compor novos tecidos. Também, desenvolvendo produtos, como fios e tecidos, para a indústria. Pode ainda elaborar padronagens e estudar a integração dos produtos químicos para artigos têxteis.

Nos processos industriais, irá acompanhar as etapas de produção e implantar novas tecnologias e processos têxteis, como os de tinturaria. Pode ainda projetar fábricas e escolher os equipamentos que serão mais adequados para serem utilizados.

Além disso, estará apto a fazer projetos em que irá planejar, instalar e ampliar fábricas têxteis. Podendo ainda criar máquinas e equipamentos utilizados nessas industrias, atuando como consultor para melhorar processos.

Onde você como Engenheiro em Tecnologia Têxtil e da Indumentária poderá trabalhar?

A reformulação do parque tecnológico e das competências técnicas dos trabalhadores da indústria têxtil passa por um período de reformulação. Essa mudança está no investimento em automação e produtividade e também na formação de profissionais com novas habilidades e competências. Enquanto isso, o governo federal também vem criando medidas tarifárias e incentivando a indústria nacional. Tudo isso vem fazendo com que o mercado desse campo cresça. 

Como Engenheiro em Tecnologia Têxtil e da Indumentária poderá encontrar oportunidades, principalmente, nos processos químicos e bioquímicos, polímeros e nanotecnologia, também na gestão estratégica, financeira e de mercado.

Outras oportunidades para você, se optar por essa profissão, estão no controle de qualidade de produtos importados. Poderá ser empregadas por indústrias têxteis, malharias, fiações e tecelagens.

Não parando por aí, poderá encontrar oportunidades na indústria automotiva, no agronegócio, no mercado de roupas esportivas de alta performance ou de proteção e até na construção civil. Sabe porquê? 

Porque o engenheiro têxtil não lida só com tecido/roupas voltadas pra moda, mas também com qualquer tipo de produto que precise de fios, fibras ou estruturas em forma de tecido pra ser produzido. Como por exemplo cintos de segurança, roupas esportivas, cobertura de estufas, cordas, esteiras, redes de pesca, isolamento acústico, mantas geotérmicas e até fraldas descartáveis.

Conclusão

Tendo em vista que assim como a maioria das áreas, a moda também evoluiu e vem evoluindo com o passar do tempo, as roupas evoluíram e o mais importante a tecnologia em volta disso tudo evoluiu e segue evoluindo muito. 

Nos dias atuais, os fios e as fibras são produzidos em uma escala gigantesca, pra atender as mais diversas necessidades, desde tecidos para as roupas que usamos no dia a dia, até tecidos pra uso médico. E você já entendeu que é o Engenheiro em Tecnologia Têxtil e da Indumentária o responsável por todas as áreas de produção e pelas tecnologias envolvidas no processo.

Outra questão interessante é saber que o Brasil está entre os grandes produtores têxteis do mundo, logo, o mercado de trabalho é bastante aquecido. Além disso, o país vem buscando por aplicar novas técnicas e tecnologias nas suas produções, para conseguir competir com a China e seus produtos baratos, o que faz com que aumente a busca por profissionais com essa formação.

Guilherme Matos de Carvalho
Catarinense, 22 anos, formado em Técnico em Agropecuária (2016) e graduando em Engenharia Agronômica no Instituto Federal Catarinense Campus Santa Rosa do Sul- SC. Membro dirigente no CREAjr-SC na regional de Araranguá-SC, e Vice presidente no Centro Acadêmico de Agronomia em 2020. Ama o agro, ama escrever e ama se rodear de boas pessoas. Sonhador, fã de games e louco por conhecimento.

Engenharia Florestal: O que você precisa saber!

Previous article

6 “fracassados” para você se Inspirar!

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas