publicidade

publicidade

Mulheres que mudaram a engenharia e a ciência: Edith Clarke


Embora o preconceito ainda exista, a tendência é de que as mulheres conquistem a engenharia cada vez mais. Porém, para que isso fosse possível, as pioneiras precisaram batalhar muito. Edith Clarke é uma delas e nós vamos mostrar um pouco mais sobre sua história e seus feitos. Este texto é parte da série mulheres que mudaram a engenharia e a ciência do Blog da Engenharia.

Edith Clarke
Imagem: janamis.threadless.com

+ Quem foi Edith Clarke?

Edith Clarke nasceu em 1883 em Maryland, nos Estados Unidos. Ela ficou órfã jovem e usou a herança para estudar matemática e astronomia. Durante alguns anos, Clarke ministrou aulas de matemática e de física.

No verdade, ela era apaixonada por engenharia e chegou a estudar civil por um tempo. Porém, Clarke largou o curso para trabalhar na AT&T. O fato de ter começado a trabalhar não diminuiu sua atração por engenharia e ela ingressou no curso de elétrica. Em 1919, tornou-se a primeira mulher a ter um mestrado em engenharia elétrica pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Edith Clarke
Imagem: robschamberger.com

Porém, mesmo com um mestrado em engenharia elétrica, Edith Clarke não conseguiu um emprego como engenheira. O motivo era simples: ela era mulher. Então, começou a trabalhar na General Eletric (GE) como supervisora de computadores no Turbine Engineering Department.

Em 1921, Clarke ainda não era aceita como engenheira. Decepcionada, ela resolveu largar o emprego na GE e ingressar na carreira acadêmica para dar aulas, algo considerável mais “normal” para uma mulher na época. Ela ensinou física no Constantinople Women’s College na Turquia. Um ano mais tarde, foi recontratada pela GE como engenheira, finalmente.

Ela se aposentou em 1945, mas não parou a carreira por aí. Em 1947, Edith Clarke entrou para o Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade do Texas, quando se tornou a primeira professora de engenharia elétrica dos Estados Unidos. Ela só parou de ensinar em 1957 e faleceu dois anos mais tarde, em 1959.

+ Como Edith Clarke mudou a engenharia e a ciência?

Além de ser a primeira mulher a ter um mestrado em engenharia elétrica, Edith Clarke ainda foi a primeira mulher a lecionar para essa engenharia. Quer mais? Em 1921, ela inventou a calculadora que recebeu seu sobrenome. A calculadora de Clarke consiste em um dispositivo gráfico para resolução de equações que envolvem corrente elétrica, tensão e impedância em linhas de transmissão. Uma das vantagens é que ele era muito mais rápido que os outros métodos disponíveis na época.

Edith Clarke
Imagem: womenyoushouldknow.net

Edith Clarke foi a primeira mulher a entregar um artigo no American Institute of Electrical Engineers (AIEE). Nele, ela mostrou o uso de funções hiperbólicas para calcular a potência máxima que uma linha pode carregar sem ter instabilidade.

Posteriormente, Clarke teve dois artigos premiados pela AIEE. Em 1943, ela escreveu um livro influente na engenharia chamado Circuit Analysis of A-C Power Systems. Em 1954, ela recebeu o The Achievement Award da Society of Women Engineers e entrou para o Hall da Fama dos inventores dos EUA em 2015.

Edith Clarke precisou lutar muito para conseguir um lugar na engenharia serve como um exemplo inspirador. Ainda, ela abriu caminho para que muitas mulheres conquistassem seu merecido lugar.

Referências: Interesting Engineering; Women you should know; Edison Tech Center.


publicidade

publicidade