4

Saber quando e se haverá realmente o fim do petróleo é uma dúvida frequente entre os profissionais ligados ao setor petrolífero. A princípio, essa pergunta está relacionada apenas com o esgotamento físico das reservas.

Contudo, seu sentido pode ser estendido à substituição do petróleo por outras fontes de energia.

Um estudo publicado pela BP (British Petroleum) demonstrou que as reservas de petróleo podem acabar em 2067. Essa informação pode até assustar um pouco, porém esse estudo não levou em consideração a descoberta de novas reservas no futuro, pois isso é imprevisível.

Fim do petróleo

Muitos especialistas acreditam que as reservas esgotarão em 100 anos. Outros já dizem o contrário. São inúmeros fatores que influenciam esse prognóstico tais como a descoberta de novas reservas, mudanças econômicas, interesses políticos e a transição para outras fontes de energia. Tudo isso impede a formulação de uma  previsão confiável.

Principal obstáculo do setor

De acordo com relatório da Agência Nacional de Petróleo (ANP), em 2019, as reservas provadas de petróleo no mundo atingiram a marca de 1,7 trilhão de barris. Isso mostra que, atualmente, a quantidade não é o maior contribuinte para o fim do petróleo.

Além disso,  o desenvolvimento de novas tecnologias ao longo do tempo permitirá a descoberta de novas jazidas. Por outro lado, essas novas reservas tendem a estar relacionadas a reservatórios de difícil acesso contendo óleos viscosos e mais pesados (˚API baixo).

Esse tipo de óleo possui maiores concentrações de componentes mais pesados como resinas e asfaltenos, tornando-o menos atrativo economicamente.

Fim do petróleo

Fonte: O Petróleo

Reservatórios complexos, como os localizados a quilômetros de profundidade do leito marinho, exigem tecnologias avançadas e altos investimentos para explorá-los. Adicionalmente, os óleos pesados, que são de difícil transporte e refino, exigem novas tecnologias e processos para tornar sua exploração viável economicamente e ambientalmente.

Assim, o principal obstáculo do setor está em desenvolver novas técnicas para que se possa explorar as atuais e futuras reservas de tal forma que seja economicamente viável e ecologicamente sustentável.

Petróleo x Energias renováveis

Outro fator que contribui para a queda do petróleo é a sua substituição por energias alternativas e renováveis. De fato, não há como impedir isso. Energias renováveis e que relativamente agridem menos o meio ambiente tendem a substituir as energias não renováveis como o petróleo.

Todavia, os produtos resultantes do petróleo não se resumem a combustíveis como fonte de energia, vai muito além disso.

Os derivados do petróleo são usados também como matéria prima para fabricação de plástico, borracha, asfalto, tecidos, produtos de limpeza, remédios e comidas. Sim, você não leu errado, o petróleo está envolvido na fabricação de remédios e comidas.

utilização do petróleo

Por exemplo, alguns derivados do petróleo são utilizados na indústria de corantes, conservantes, flavorizantes e fertilizantes. Já os remédios, especialmente os analgésicos e até mesmo os homeopáticos, contêm benzeno, um derivado do petróleo (Betaeq, 2019).

O petróleo será dificilmente substituído por completo e haverá demanda por seus derivados em diversos ramos industriais por um longo tempo. Além disso, a substituição por parte das fontes renováveis se dará de forma lenta e gradual pois envolve aspectos políticos e econômicos.

Gás natural: uma alternativa à queda do petróleo

Uma alternativa que surge para compensar a queda do petróleo é o gás natural. Na maioria dos poços de petróleo existe a produção concomitante de óleo, água e gás. Este último, apesar de seu transporte e armazenamento serem caros e complexos, vem atraindo olhares por agredir menos o meio ambiente.

O gás natural não produz fuligem nem fumaça negra. Além disso, produz menos gases tóxicos quando comparado a outros derivados do petróleo. Sua queima produz água e gás carbônico. Dessa forma, o gás natural pode ser considerado energia limpa de acordo com a ISO 14000 (Naturgy Brasil, 2020).

Fim do petróleo

Tudo isso nos leva a crer que o fim do petróleo está bastante longe. Assim, cabe a nós, engenheiros e profissionais ligados ao setor de petróleo e gás desenvolver novas tecnologias afim de descobrir novas reservas, tornar sua exploração viável economicamente e, principalmente sustentável.

Matheus Meneses Mendonça
Sergipano, 25 anos, graduado em Engenharia de Petróleo pela Universidade Federal de Sergipe. Participou de diversos projetos, incluindo uma pesquisa relacionada a eficiência de anti-incrustantes inorgânicos para a PETROBRAS, além de pesquisas envolvendo simulação computacional com os programas Ansys e SolidWorks. Ama viajar, ler, escrever, e gosta de estar próximo de pessoas que possam agregar na vida pessoal e profissional. Seus principais hobbies são assistir e praticar esportes, além de jogos virtuais.

Rompimento de geleira atinge barragem e causa desastre na Índia

Previous article

Perdas, você sabe o que é isso em um Sistema de Distribuição de Água?

Next article

You may also like

4 Comments

  1. Informações relevantes que não tinha conhecimento.

    Muito bom o artigo Eng. Matheus Mendonça.

  2. […] natural e o gás liquefeito de petróleo (GLP) estão relacionados com a produção e refino do petróleo. Dito isso, vamos agora conhecer as definições e as principais diferenças de cada […]

  3. […] Além disso, desempenham atividades complexas como a de perfuração, produção e tratamento de petróleo e […]

  4. […] o decorrer da evolução humana, aprendemos a criar o plástico a partir de substâncias como o petróleo ou gás […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas