ColunistasCuriosidadesDestaqueDestaque + Editor's PickDestaque + PopularesEngenharia Química

Os jogos olímpicos contam com a química no combate ao doping

0

O ano de 2021 está sendo marcado pela concentração de diversos eventos esportivos de grande vulto. E claro, o maior de todos são os jogos olímpicos que estão sendo realizados em Tokyo.

De forma a fazer com que os atletas, em todos os esportes, compitam de forma justa e igualitária, foi criado um sistema de controle, o que chamamos de exame antidoping.

Em 1999, foi fundada a World Anti Doping Agency (WADA), organização responsável por regular e realizar a detecção de substâncias e técnicas proibidas nos jogos ao redor do mundo.

agência antidoping

Com certeza você já ouviu falar que determinado atleta foi pego no exame antidoping, mas, sabe como ele é realizado? Ainda, o que a química tem a ver nessa história toda? 

O antidoping nos jogos olímpicos

O exame antidoping se constitui em fases, sendo elas: seleção do atleta, coleta de sangue e ou urina, transporte para um laboratório, análise da amostra e divulgação do resultado.

Porque sangue e ou urina? Os medicamentos após serem ministrados entram na corrente sanguínea e este sangue é filtrado nos rins. Diante disso, parte das substâncias tóxicas são excretadas na urina.

doping in sports and steroid abuse concept - esteróides imagens e fotografias de stock

Na fase de seleção do atleta, alguns atletas e obviamente, o primeiro colocado, são escolhidos de forma aleatória e são notificados para serem submetidos ao exame.

Coleta

Nessa fase o atleta pode ceder seu sangue e ou sua urina, de tal sorte que a quantidade seja suficiente para produzir a prova e a contraprova. 

coleta de urina antidoping

Sobretudo, a coleta das amostras podem ser feitas em três períodos distintos e de forma inopinada, de forma a não permitir que o atleta se planeje quanto a utilização de substâncias que possam lhe propiciar uma melhor performance.

Essas podem ser realizadas em competição, ou seja, durante a ocorrência dos jogos olímpicos, ou melhor, após uma prova ou partida.  Já no período fora de competição são buscadas a utilização de esteroides anabolizantes. Em contrapartida, tem aquele que visa a preservação da vida e da saúde do atleta. Geralmente realizado minutos ou horas antes da competição.

Transporte

O transporte do material coletado é enviado para algum laboratório credenciado pela Agência Mundial. Sendo somente este autorizado a realizar os procedimentos.

Análise e resultados

Sendo assim, o laboratório lança mão de técnicas químicas e analíticas para a realização da coleta. Por fim, o resultado é lacrado e encaminhado à agência para julgamento e liberação do mesmo.

A química e o antidoping

Agora, começamos a falar de química! Durante a análise das amostras, utiliza-se métodos analíticos qualitativos e quantitativos.

Laboratório antidoping - Jogos Olímpicos Rio 2016

FONTE:https://www.uol.com.br/esporte/rio-2016/ultimas-noticias/2013/08/02/custo-do-laboratorio-antidoping-para-olimpiada-do-rio-em-2016-pula-de-r-29-mi-para-85-e-obra-pode-atrasar.htm

A metodologia qualitativa visa determinar qual a substância está presente na amostra. Por outro lado, a análise quantitativa, visa informar em que quantidade a substância está presente. Duas das técnicas utilizadas são a espectrometria de massa e a cromatografia gasosa.

Primeiramente, as substâncias são separadas ao serem inseridas no cromatógrafo. Em seguida, as moléculas são fragmentadas, quantificadas, rearranjadas e submetidas a comparação com as substâncias definidas como proibidas. Caso o resultado seja positivo, é feito uma análise da contraprova com os mesmos parâmetros utilizados anteriormente.

A regra é clara

A WADA considera e classifica as substâncias buscadas nos exames antidoping em quatro grandes grupos. Essa classificação é a classe de esteroides, narcóticos, diuréticos e estimulantes. Entretanto, dentro desses grupos, possuímos subgrupos.

ilustrações de stock, clip art, desenhos animados e ícones de as fórmulas químicas estruturais de alguns fármacos - morfina

Estrutura química de algumas drogas

De antemão, os esteróides podem ser subdivididos em anabólicos, endógenos e de desenho ou projetados. Todo ano, a agência libera uma listagem das substâncias que não podem ser utilizadas pelos atletas que acusam no exame antidoping.

Nessa lista,  existem aquelas que não podem para todos os atletas e aquelas que servem para determinada modalidade. Por exemplo, um atleta que tenha que “bater peso” utilizar diuréticos para eliminação de líquido. Ou, ainda, um atleta de endurance utilizar uma substância para controlar a dor durante uma prova muito longa.

Agora, que demos alguns exemplos da utilização de alguns medicamentos que já foram detectadas nos jogos olímpicos… Vamos aprender um pouco do mecanismo de ação das drogas no organismo?

Em contrapartida, a agência também criou uma lista das substâncias que são permitidas e que são utilizadas pelos atletas para fins terapêuticos.

As drogas proibidas

Cada classe de substâncias citadas anteriormente possuem uma finalidade específica. Sendo assim, vamos conhecer um pouco mais sobre elas e descobrir como elas são detectadas e como agem no corpo.

Esteroides

Primeiramente, temos a classe dos esteróides anabólicos. 

muscular man with a syringe in his hand and testosterone formula. - esteróides imagens e fotografias de stock

Esteróides anabolizantes.

Essas substâncias são compostos derivados da testosterona e são produzidos sinteticamente em laboratórios. Seu uso clínico é primordialmente indicado para o tratamento de hipogonadismo, em terapia de reposição de testosterona, tratamento de queimaduras, pós cirurgia, dentre outras.

Entretanto, os EAA’s vêm sendo utilizados por atletas com a finalidade de aumentar o desempenho durante as sessões de treinamento para os jogos olímpicos Seu controle é realizado por técnicas extremamente sensíveis capazes de detectar níveis de 2 a 10 ng/mL nas amostras, por exemplo, a cromatografia gasosa de alta resolução e a espectroscopia de massas.

Narcóticos

Já os narcóticos são utilizados por atletas nos jogos olímpicos visando mascarar dores e lesões. Comumente, as substâncias designadas dessa categoria são derivadas, por exemplo: ópio, morfina, dentre outros.

quadro negro com a fórmula química da morfina - morfina imagens e fotografias de stock

Estrutura química da morfina

Diuréticos

Conforme foi exemplificado anteriormente, os diuréticos são mais utilizados por atletas que estão em categorias que têm a necessidade de bater peso.

Esses medicamentos agem no controle e balanceamento de fluido entre as células e o tecido muscular, de forma a eliminar o excesso. Sendo assim, há um aumento do volume urinário.

man wants to pee and is holding his bladder, urinary incontinence concept - homem indo ao banheiro imagens e fotografias de stock

Ainda, os diuréticos são utilizados com a finalidade de diluir a urina de forma a mascarar a utilização de outros agentes dopantes, e, por fim, atuar no ajuste do pH.

Estimulantes

Por fim, os estimulantes classificam a cocaína e as  moléculas conhecidas como amina simpatomiméticas (efedrina, anfetamina, outros). Essas agem diretamente no sistema nervoso central e promovem a aceleração do metabolismo resultando no emagrecimento, redução da sensação de fadiga e aumento do estado de alerta. 

estimulantes nos jogos olímpicos

FONTE: http://www.petquimica.ufc.br/o-risco-do-uso-de-estimulantes/

Deve estar se perguntando…

A cafeína não tem esse intuito? Exatamente.

Contudo, essas drogas são muito mais potentes. Em alguns suplementos termogênicos, já foram encontradas substâncias estimulantes como o sulfato de efedrina (derivado da anfetamina). Outras drogas como o ecstasy, e o MDMA, são, também derivadas da anfetamina e já foram identificadas pela utilização dos atletas.

“O pódio” – Conclusão

Em conclusão, atualmente diversos casos de doping vem sendo desmascarados e, em praticamente todos os jogos olímpicos temos casos de atletas que são reprovados neste exame. Com isso, são punidos pela federação e perdem seus títulos e medalhas.

Todavia, muitos atletas justificam o resultado do exame positivo devido a ingestão indireta dessas substâncias. Como assim? Através de contaminação alimentar. Tendo em vista esses casos, o comitê dos jogos olímpicos deixa claro em suas regras  que a responsabilidade é do atleta. Isso quer dizer, é injustificável.

ilustrações de stock, clip art, desenhos animados e ícones de caution and danger tapes. warning tape. black and yellow line striped. vector illustration - perigo

O artigo foi elaborado com o intuito de mostrar como funciona o exame antidoping nos jogos olímpicos e porque determinadas substâncias são utilizadas. 

NÃO AS UTILIZEM PARA OS FINS QUE FORAM ABORDADOS AQUI.

Paulo Bonjour
Estudante de Engenharia Química na Universidade do Rio de Janeiro (UERJ), onde realiza as seguintes atividades de Iniciação Científica: Otimização de Processos Químicos e Análise das Tecnologias de Produção de Butadieno. Cursou Bacharel em Física até o 4º Período. Durante esse tempo participou de atividades de Iniciação Científica na área de Energia Solar. Possui cursos de Inglês e Francês. Atualmente trabalha com Conformidade de Registro de Gestão no Exército, responsável pela certificação dos registros dos atos e fatos de execução orçamentária, financeira e patrimonial incluídos no Sistema integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI e da existência de documentos hábeis que comprovem as operações.

    Dia da Amizade: 5 dicas importantes para manter uma boa relação

    Previous article

    Apagão do CNPq e o currículo Lattes

    Next article

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    More in Colunistas