0

Provavelmente você notou ou ouviu falar que desde o início da COVID-19, o ar e a água do planeta ficaram mais limpos. Porém, quando pensamos assim, acabamos deixando de lado uma questão que é extremamente importante: os resíduos plásticos.

Pois enquanto o mundo luta contra a pandemia através do afastamento social e a prática do trabalho em casa o volume de resíduos plásticos produzidos nos domicílios vem ganhando proporções assustadoras.

Com isso, a poluição dos oceanos por plástico – grande inimigo do meio ambiente – voltou com força total.

Portanto, através deste artigo apresento algumas atitudes simples que devemos fazer para contribuir com a redução da poluição dos oceanos por plástico. Afinal, a proteção dos oceanos começa por nós!

Primeiramente, é preciso entender como a COVID-19 impacta à saúde dos oceanos!

O isolamento social recomendado pelos órgãos de saúde tem se transformado em um período de reflexão e mudança de hábito da população em todo mundo.

Assim, em apenas 1 ano, a maneira como interagimos com as pessoas e com a natureza mudou totalmente.

Dentre os hábitos que mudaram com a pandemia, está o aumento nos pedidos de deliveries e, consequentemente, o uso de descartáveis aumentou significativamente com o isolamento social.

A Abrelpe estima que as medidas de quarentena geraram no país um aumento de até 20 vezes nos resíduos hospitalares.

Portanto, essa nova realidade estimulou ainda mais uma crise já existente: a poluição dos oceanos pelo uso inconsciente e excessivo de plástico.

Mas como resíduos plásticos impactam à saúde dos oceanos?

O aumento de plásticos nos oceanos, de todos os tipos e tamanhos impacta diretamente as espécies que ali habitam e, consequentemente, a saúde desses ambientes.  Essas espécies interagem com o plástico através da ingestão dos resíduos e por “emaranhamento”.

A ingestão de plástico (ou microplástico), já é observada em todos os níveis da cadeia alimentar, desde o zooplâncton até organismos superiores, inclusive os peixes que consumimos.

Mas o uso de resíduos plásticos pode ser reduzido?

Sim, toda a população deve praticar a sustentabilidade ambiental seja com isolamento social ou não afim de reduzir a poluição marinha por plástico!

Precisamos fazer uma análise crítica de nossas atitudes cotidianas, como hábitos de higiene, alimentação, uso e descarte de resíduos plásticos, dentre tantas outras coisas.

Assim, podemos eliminar itens desnecessários de nossa vida e fazer escolhas inteligentes, que beneficiem a saúde pública, o planeta e o futuro das próximas gerações.

Não podemos deixar a COVID-19 abrir caminhos para o consumo inconsciente e desnecessário de resíduos que sequer foram feitos para serem reciclados, e acabam nos rios e oceanos. É preciso utilizar apenas quando realmente for necessário!

Além disso, é necessário que governos e indústrias adotem medidas para reduzir a quantidade de lixo descartada, principalmente de materiais que podem levar a contaminação.

Isso protegerá tanto a sociedade da COVID-19 quanto os oceanos da poluição por plástico que impacta os ecossistemas marinhos.

Mas afinal, o que devemos fazer para contribuir com a redução da poluição marinha?

A seguir listo algumas dicas simples de como podemos reduzir o uso de resíduos plásticos que polui os oceanos e o planeta:

  1. Comece por itens mais fáceis de serem substituídos e que afetam menos a sua rotina, como canudos plásticos, copos, pratos, talheres e marmitas;
  2. Sempre que possível, prefira máscaras reutilizáveis às descartáveis;
  3. Quando for sair leve sempre com você um kit de alimentação (e.g. caneca, talheres) para quando estiver na rua;
  4. Ao fazer pedidos de delivery por aplicativos, informe que não há necessidade de talheres e canudos de plástico. Pressione as empresas por alternativas mais sustentáveis, tanto para quem vende como para quem consome;
  5. Carregue sempre uma sacola de pano (ecobag). Ela é leve, dobrável, a vai evitar que você utilize sacolas plásticas na compra de qualquer mercadoria;
  6. Consuma produtos com responsabilidade, comprando somente o necessário. Evite o consumo em excesso e principalmente o desperdício;
  7. Separe os resíduos mesmo que a coleta seletiva na cidade esteja suspensa durante a pandemia. Uma vez separado, o material fica mais fácil de ser selecionado pelos catadores que ainda estão trabalhando. Isso ajuda a reduzir o contato com os resíduos e o risco de contaminação;
  8. Privilegie restaurantes e empresas que comercializam em embalagens que não agridem o meio ambiente. Isso vai forçar os demais a mudarem, pois as empresas precisam pensar em formas de oferecer aos seus clientes seus produtos sem o uso de plástico;
  9. Prefira produtos de limpeza ecológicos com embalagens e fórmulas biodegradáveis sempre que possível;
  10. Roupas de materiais sintéticos, como o poliéster, geram microplásticos que vão parar nos sistemas de tratamento de esgoto, no mar e até mesmo nos alimentos e bebidas que ingerimos. Tente evitar!

Sendo assim, a grande mudança só vai acontecer quando entendermos que nosso lixo e a proteção dos oceanos é nossa responsabilidade!


Leia mais aqui e acompanhe o Blog da Engenharia nas redes sociais!
InstagramTwitter Facebook | YouTube | LinkedIn
Ivanilson Santos
Engenheiro de Pesca pela UFRPE, mestrando em Aquicultura pela UFSC e Pesquisador da Camar - Camarão Maricultura LTDA. Durante a graduação foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e bolsista do Programa de Educação Tutorial, estagiário do Laboratório de Ecologia de Ambientes Aquáticos, do Laboratório de Biotecnologia de Microalgas - LABIM e do Laboratório de Experimentação com Organismos Aquáticos - LEOA e integrante do Grupo de Estudo de Aquicultura no Semiárido - GEAS. É cristão e seu maior sonho é fazer as pessoas sorrirem e realizarem seus sonhos com a ajuda do verdadeiro amor: Jesus. Nas horas vagas, ama ouvir e tocar uma boa música e jogar xadrez! Instagram: @ivanilsonsnts

Garimpo ilegal no contexto COVID-19

Previous article

Crea-SP lança carteira profissional digital!

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas