DestaqueDestaque + Editor's PickDestaque + PopularesEngenhariaEngenharia de MinasGeotecniaNotícias

Por que ventilar uma mina subterrânea? Parte-2

0

Então vamos seguir com a segunda parte desse artigo relatando a importância da ventilação em uma mina subterrânea.

Além da ventilação que ocorre por meio de processos naturais, existem dois métodos de ventilação comumente usados ​​em minas subterrâneas. Estas são a ventilação principal e a ventilação secundária.

O circuito principal usa ventiladores para sempre direcionar o ar através do próprio circuito. Além de outros reguladores, como paredes, pontes e tapumes, também consiste em galerias de entrada do ar e de retorno de ar impuro. O objetivo é fornecer uma boa quantidade de ar ao local de trabalho e superar a resistência existente ao deslocamento.

Por sua vez, o circuito de ventilação secundária da mina subterrânea é aparado em ventiladores, dutos e exaustores, que são utilizados para transportar o ar para todos os painéis que passam pelas frentes de trabalho. O sistema auxilia na respiração das pessoas, além de poder diluir a inalação de gases nocivos.

Existem também as ventilações auxiliares de ventilação que podem ventilar galerias que ainda estão em desenvolvimento ou fortalecer a parte do circuito principal onde quase não há entrada de ar.

Em suma, os circuitos de ventilação é muito semelhante aos circuitos elétricos. As leis físicas envolvidas nesses processos são de Kirchhoff, que podem ser aplicada de acordo com a lei de Ohm e a equação de Atkinson.

Normas para cálculo da necessidade de ar e de ventilação

O principal parâmetro deste estudo é a vazão de ar fresco, que será insuflada na área de trabalho, que pode ser avaliada do ponto de vista das necessidades humanas básicas.

Então é possível destacar algumas variáveis ​​que devem ser consideradas nesta situação:

  • Quantidade de trabalhadores no subsolo;
  • Potência e quantidade de equipamentos movidos a diesel;
  • Valor da taxa de produção da mina (minério mais a quantidade estéril);
  • Concentração de gases contaminantes, e;
  • Outros elementos específicos à mina em questão.

NRM 6 enfatiza que “6.1.2 Para cada mina deve ser elaborado e implantado um projeto de ventilação com fluxograma atualizado periodicamente”.

Este fluxograma deve conter, obrigatoriamente, os seguintes dados:

  • Localização da mina, vazão e pressão de todos os ventiladores principais do circuito;
  • Direção e sentido que o fluxo de ar está seguindo;
  • Localização e especificação de todas as portas, barricadas, cortinas, tapumes, diques e demais dispositivos de controle do fluxo.

Modelos de ventiladores

A princípio, para uma ventilação subterrânea adequada e eficaz, é necessário conhecer os modelos de ventiladores mais utilizados neste segmento de mercado. Basicamente, existem dois tipos de ventiladores: centrífugos e axiais.

Os ventiladores centrífugos funcionam como bombas de ar e no desenvolvimento do projeto de ventilação da mina é possível escolher entre três opções:

  • Os centrífugos com as pás para trás: Sua maior vantagem é a maior eficiência e capacidade de autolimitação da sua potência. Bastante silencioso se usados de modo adequado, é uma excelente escolha para ventilação subterrânea;
  • Os centrífugos com as pás radiais: Usado para trabalhos mais pesados, é um modelo robusto e barulhento;
  • Os centrífugos com as pás para frente: Apesar de apresentar, com maior facilidade, problemas de corrosão, este modelo de ventilador é o mais eficiente, já que tem uma capacidade de exaustão admirável até mesmo com baixas velocidades.

Ventilador axial é uma máquina de ar limpo. É utilizado para renovar uma determinada quantidade de ar do ambiente de acordo com a temperatura e o CO gerado no ambiente. As lâminas são perpendiculares ao eixo e dispostas ao longo da direção radial, sendo fixadas no cubo conectado ao eixo.


Então, chegamos ao fim desse artigo. Caso tiver mais interesse em assuntos relacionados a mineração clique aqui

Helberte Braz
Baiano, acadêmico do curso de Engenharia de Minas na Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) e atualmente faz estágio na Brasil Gold Mineração (empresa pertencente ao Grupo Dias) atuando na parte da confecção de mapas, requerimentos de mudança de regime, relatório parcial de pesquisa, visitando as plantas de beneficiamento da empresa e participando da coleta de amostras para pesquisa mineral. Já fez mobilidade internacional em Engenharia Industrial na Universidad Antonio Nariño(UAN), já atuou como monitor da disciplina de geologia geral e também colaborou em organizações de eventos em projetos de extensão. Está sempre disposto a agregar e a aprender mais sobre o mundo profissional. Gosta sempre de refletir sobre ações do cotidiano e o impacto que isso tem sobre a sociedade. Tem Deus como alicerce de sua vida e quando quer algo, desistir não é uma opção.

Tratamento de efluentes industriais – Parte I

Previous article

Engenheiros que solucionam crimes: nicho de mercado.

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Destaque