BrasilColunistasCuriosidadesDestaqueDestaque + Editor's PickDestaque + PopularesDicasEngenharia de ComputaçãoEngenharia de SoftwareInovaçãoTecnologiaTecnologia da Informação

Programação vs No-code: O que nunca te disseram!

0

Em 23 de março publiquei aqui no Blog da Engenharia um artigo titulado 4 Plataformas No-code para começar a criar APPs em 2021, no qual abordei de forma bem sucinta alguns desses recursos para programar aplicações. A matéria foi bem recebida e até rendeu-me um convite para apresentar o assunto no projeto Papo Tecnológico da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi das Cruzes (AEAMC) no começo de maio.

Acontece que como discorri no artigo e em minha apresentação, o movimento No-code encontra-se em grande evidência atualmente, recebendo ampla aplicação financeira do mercado tecnológico.

Dessa forma, constatamos investimentos de empresas como a Google que adquiriu o AppSheet em 2020, a Amazon lançando o Honeycode em março deste ano, a brasileira Totvs com a Fluig, a Oracle lançando o Apex e a Microsoft com o Power Apps. Estes são apenas alguns exemplos dentre muitos que evidenciam a ascensão do No-code.

no-code

Contudo, mesmo diante de muitas evidências é comum observarmos um comportamento de negação partindo de alguns programadores que insistem em desmerecer o No-code em detrimento à programação.

Alguns mais “exaltados” até mesmo afirmam que No-code não é programação ou que é impossível fazer uma aplicação real sem programar em linhas código. Resolvi, portanto, trazer esta discursão para o Blog e elucidar os leitores sobre as principais diferenças entre o No-code e a programação.

No-code é programação de verdade?

Desktop Source Code And Wallpaper By Computer Language With Coding And Programming. Stock Photo - Image of binary, malware: 124424262

Na teoria, não! Porém, na prática pode sim ser considerado, já que é possível obter muitos bons resultados a partir dessas plataformas. Há inclusive muitos programadores que enxergam a oportunidade diante do crescente mercado e dos benefícios, e já trabalham exclusivamente com No-code.

Porém, é interessante ressaltar que isso não desmerece a programação, pois esta possui objetivos e público diferentes do No-code.

Então, para quem serve o No-code?

Bem, é verdade que muitos programadores utilizam No-code para criação de aplicações, sites, APIs, dentre outras tecnologias. Contudo, via de regra, o No-code atende um outro tipo de público: os empreendedores.

Isso porque em um mercado competitivo, custoso e que exige uma boa dose de estudo como é o da programação, o No-code acaba sendo uma alternativa mais rápida, barata e muito mais fácil.

Além disso, se o empreendedor em questão não sabe programar, o No-code acaba por ser uma das únicas alternativas realmente práticas, já que aprender a programar do zero ou terceirizar a aplicação iria custar muito tempo e dinheiro.

Entre criar o MVP e lançar a versão 1.0 da aplicação, o empreendedor dispenderia milhares de reais. Por outro lado, utilizando uma plataforma No-code, é possível criá-la em apenas 2 meses no preço de 30 dólares ao mês.

Quais as vantagens do No-code?

Síndico profissional - vantagens e desvantagens - Condomínios, síndicos, inadimplência, segurança e mais

Além das já mencionadas, isto é, custo de fabricação da tecnologia e velocidade na criação, há muitos outros benefícios. Por se tratar de ferramentas visuais, é possível consertar bugs e implementar melhorias com muito mais facilidade.

Além disso, a integração com outras plataformas torna-se muitas atividades mais fáceis. Existem plataformas, por exemplo, que permitem criar aplicações nativas para Android, como o Kodular ou IOS, como Thunkable.

E o Low-code… O que tem a ver?

plataformas no-code

Low-code são ferramentas de baixo código. Elas costumam funcionar no sistema Drag and Drop – do inglês Arrastar e Soltar. Isso significa que os usuários não necessitam escrever em linhas de código, pois a programação vem em blocos pré-programados, no qual exigirão apenas o conhecimento em lógica para a construção dos algoritmos.

Assim, na prática isso agiliza muito o trabalho e, por isso, muitas grandes empresas utilizam ferramentas Low-code para criação de suas plataformas. Se você pegar o Outsystems, por exemplo, e analisar a lista de seus principais usuários, poderá constatar a presença de muitas grandes multinacionais como a Intel, Mercedes Benz, Honda e Volkswagen.

Dessa forma, o Low-code é outro movimento em ascensão. Segundo a Gartner, uma das principais instituições de pesquisa no ramo tecnológico, pelo menos 65% de todo o desenvolvimento de aplicativos será realizado a partir de plataformas Low-code até 2024. Além disso, quase 66% das grandes empresas usarão no mínimo quatro dessas plataformas.

Isso explica o motivo das gigantes da tecnologia estarem investindo tanto em suas próprias plataformas de criação de aplicações.

Para fecharmos o assunto!

Embracing RMAD: How to figure out if low code / no code app development is for you | ITProPortal

Mais uma vez é importante ressaltar que a programação não é melhor nem pior que o No-code ou Low-code, pois essas modalidades atendem objetivos e públicos diferentes. Enquanto o No-code atende empreendedores e o Low-code auxilia empresas em seus projetos, a programação é a base de tudo.

Portanto, programadores não devem subestimar as plataformas No-code, assim como os No-coders não devem afirmar que a programação encontrou seu fim nesta nova modalidade de codificar.

Mesmo nas próximas décadas, as próprias plataformas No-code, os plugins para estas ferramentas e toda uma série de tecnologias que sustentam esses recursos, ainda precisarão ser programados através de linhas de código.

Assim, não há fundamentos que sustentem tal discursão entre no-coders e programadores, pois como vimos, estas nunca foram ferramentas concorrentes, porém, complementares.


 

Paulo César Santos
Paulo César é um ludovicense de 23 anos que atualmente cursa Engenharia de Produção na PUC Minas. Foi coordenador de uma ONG de voluntariado, cofundador e web designer da Virgo em 2019 e trabalhou como monitor em 2020, auxiliando outros estudantes de engenharia com algoritmos e programação. Adora tudo que envolve engenharia, gestão de projetos e tecnologia e acreditou que valia a pena compartilhar com mais pessoas um pouco do que anda aprendendo. Sabe escrever em linhas de código, mas há quem diga que pena pra escrever autodescrições.

Complexidade da Engenharia de Materiais

Previous article

Manufatura Digital e a Indústria 4.0

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil