0

A sustentabilidade computacional é um conceito relativamente novo dentro do universo tecnológico.

Isso porque, apesar do avanço exponencial da TI, inteligência artificial e computadores quânticos, a sociedade está longe de se deparar com um mundo igualitário no qual todos podem usufruir da tecnologia disponível.

Além disso, mudanças climáticas, civilizações abaixo da linha da pobreza e outros desafios nos fazem pensar “Como podemos usar a tecnologia a nosso favor?”.

Acompanhe este artigo e o mostrarei como a sustentabilidade computacional pretende transformar o mundo.

Sustentabilidade Computacional

Afinal, o que é sustentabilidade computacional?

Em 1987, a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU, no relatório de Brundtland definiu desenvolvimento sustentável como:

“…um desenvolvimento que atenda às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atender às suas necessidades.”

Organização das Nações Unidas

Seguindo este preceito, a Sustentabilidade computacional trata-se da área na qual engenheiros e cientistas da computação buscam combater os atuais problemas sociais e ambientais através da computação e de métodos matemáticos, visando uma economia mais saudável e um futuro melhor.

“Nossa visão é que os cientistas da computação podem e devem desempenhar um papel fundamental para ajudar a enfrentar os desafios sociais e ambientais na busca por um futuro sustentável, ao mesmo tempo que avança a ciência da computação como disciplina” – Carla Gomes, diretora da Institute for Computational Sustainability da Cornell University

Pesquisas Computacionais em Sustentabilidade

Muitos estudos estão sendo desenvolvidos mundo à fora em busca de produzir novas tecnologias em prol da humanidade e o meio-ambiente.

No geral, as pesquisas são centradas em três grandes áreas da computação:

  • Otimização, modelos dinâmicos e simulação
  • Big data e learning machine
  • Sistemas multiagentes, crowdsourcing e ciência cidadã.

Abaixo, confira dois exemplos de como a tecnologia vem sendo utilizada de forma sustentável.

Balanço de necessidades socioeconômicas e ambientais

grayscale photography of man sitting on chair

No site oficial da ONU é possível ver as 17 metas de desenvolvimento sustentável.  O objetivo número 2 trata-se da extinção da fome global.

Entretanto, um dos grandes desafios para a realização desta meta é ausência de dados confiáveis, já que para erradicar a fome é necessário, primeiramente, identificar quem são as pessoas nesta condição e onde se encontram. Infelizmente, realizar esta análise não é tão simples quanto aparenta.

O mapeamento da pobreza é difícil, principalmente em países em desenvolvimento, onde há grande deficiência no quesito quantidade, qualidade e capacidade de análises dos dados.

Mapa Global da Fome – 2019

Logo, pesquisadores da Stanford University vêm realizando as análises necessárias para o mapeamento a partir da averiguação dos dados coletados via satélite e sensoriamento remoto disponíveis ao público.

No artigo Sustentabilidade computacional: computação para um mundo melhor e um futuro sustentável é relatado que a utilização destas abordagens aliada à machine learning “…são bastante eficazes para estimar uma variedade de indicadores socioeconômicos de pobreza, até mesmo comparáveis ao desempenho preditivo de dados caros de pesquisas coletados no campo, e estão sendo usados atualmente pelo Banco Mundial”.

Com dados mais precisos é mais fácil ajustar as políticas adequadas para a conclusão da meta.

Sistemas de Transporte Inteligente

Devido ao crescimento populacional e ao aumento do número de veículos circulando, é estimado um provável aumento na demanda por melhorias de infraestrutura de tráfego.

Daí, surgem os sistemas de transporte inteligente ou ITS – do inglês Intelligent Transportation Systems – que são sistemas que visam implementar um tráfego mais seguro, transportes públicos inteligentes e adequados, enquanto reduzem a emissão de gases poluentes.

Um relatório da UNECE – Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa – informa:

“Ao minimizar o congestionamento do tráfego e tornar o transporte público mais atraente, podemos reduzir significativamente a poluição gerada pelos transportes – incluindo as emissões de CO2 – e estimular o crescimento econômico sustentável. Podemos ajudar as economias emergentes a superar um modelo de desenvolvimento ultrapassado e se integrar de forma mais sustentável à economia global”

Considerações finais

Lembre-se que mais importante que esperar que novas tecnologias façam o trabalho de resolver problemas ambientais, você, como cidadão, deve sempre fazer sua parte.

Não jogue lixo na rua, procure postos de reciclagem e busque reduzir seu consumo – além de fazer bem para seu bolso, o planeta agradecerá.


Continue acompanhando os artigos do Blog da Engenharia, pois sempre estamos trazendo assuntos interessantes.

Aproveite e siga o Blog da Engenharia no Instagram!

Paulo César Santos
Paulo César é um ludovicense de 23 anos, Yellow belt, que atualmente cursa Engenharia de Produção na PUC Minas. Foi coordenador de uma ONG de voluntariado, cofundador e web designer da Loja Virgo em 2019 e trabalhou como monitor em 2020, auxiliando outros estudantes de engenharia com algoritmos e programação. Adora tudo que envolve computação, engenharia, tecnologia e acreditou que valia a pena compartilhar com mais pessoas um pouco do que anda aprendendo. Sabe escrever em linhas de código, mas há quem diga que pena pra escrever autodescrições.

Inovação em tempos de crise: Um novo olhar para engenharia – FINAL

Previous article

SUSTENTABILIDADE: AÇO ENTRE MATÉRIAS-PRIMAS

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas