publicidade

publicidade

Transformers da vida real: cientistas criam robô que muda de forma de acordo com o tipo de trabalho


Uma das razões pela qual os personagens dos filmes Transformers são marcantes e fantásticos é porque eles se transformam em diferentes formas para adquirir as mais diferentes funções, mas tudo isso é ficção e nunca será realidade, certo? Bem.. errado.

Crédito: MIT

+Contexto atual

No mundo real, mudar as capacidades inerentes dos robôs através da metamorfose (como teoricamente ocorrer com os Transformers) tem sido um quebra-cabeça para engenheiros de robótica devido às restrições físicas do corpo do robô. Cada componente possui uma função definida e pode ser perdida caso modificada.

Como resultado, este tipo de robô não funciona muito bem, condenados pela necessidade de coordenação complexa e placas de circuitos super-sofisticadas. Ou os engenheiros dedicam muito dinheiro e tempo, ou acabam com um aparelho muito grande.

+Solução

Como todo problema tem uma solução, cientistas do MIT desenvolveram recentemente um dispositivo que evita muitos desses problemas: um exoesqueleto para robôs.

Shuhei Miyashita e sua equipe usaram o conceito de origami para fazer exoesqueletos para um robô de cubo magnético, chamado “Primer”, permitindo que ele se transforme para realizar várias funções em diferentes condições. Confira o vídeo para ver o quão incrível é essa invenção:

O exoesqueleto semelhante a um origami pode dobrar-se quando aquecido, por exemplo. Basicamente, é uma folha retangular feita a partir de uma película de polímero especialmente desenvolvida. Quando ele é propelido para a folha por um campo magnético controlado, o pesquisador ativa uma almofada de aquecimento e envolve o cubo em aproximadamente três minutos. As folhas são enrugadas em diferentes padrões para dobrar em formas desenvolvidas anteriormente, como uma roda, um barco ou um planador.

O Primer pode usar várias “roupas” de uma só vez. Ele pode ser transformado em uma roda para rolar mais rápido, moldado em um barco para navegar e carregar peso, e montado como um planador para subir em distâncias mais longas. Além disso, os exoesqueletos podem ser removidos quando são submersos em água, ajudando o Primer a alternar entre suas diferentes capacidades.

Com este conceito e tecnologia, a equipe está imaginando uma nova classe de robôs mais compactos e personalizados que podem se transformar para executar diferentes tarefas em qualquer ambiente – como serviço espacial, construção em alto mar, procedimento médico e missões de busca e salvamento. Fantástico, não é mesmo?

Fonte: QZ


publicidade

publicidade