CartografiaDestaqueDestaque + Editor's PickDestaque + PopularesEngenhariaEngenharia de Agrimensura e CartográficaEngenharia FlorestalGeodésiaSoftwares para EngenhariaTecnologiaTopografia

Uso do sensoriamento remoto na detecção, monitoramento e prevenção de incêndios florestais

0

Quando se fala de incêndios florestais você já imaginou que a ajuda pode vir do espaço? Nas últimas décadas os incêndios florestais são cada vez mais frequentes no Brasil em virtude do aumento da ocupação do seu território.

Devido a isso, os incêndios se apresentam como um devastador de grande escala da biodiversidade, podendo levar a diversos impactos negativos como empobrecimento do solo e entre muitos outros malefícios.

Porém, atualmente o sensoriamento remoto aliado aos sistemas de informações geográficas, tornou-se necessário e essencial para a identificação, monitoramento e prevenção de incêndios florestais em nível mundial, uma vez que possibilita a obtenção de dados precisos e confiáveis.

Mais ai você me pergunta!!!

O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO (ou para os íntimos SR)?

O Instituto Nacional de pesquisas Espaciais (INPE) descreve o Sensoriamento remoto da seguinte forma:

É um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção de imagens à distância, sobre a superfície terrestre.

Estas imagens são adquiridas através de aparelhos denominados sensores remotos. Por sua vez estes sensores ou câmaras são colocadas a bordo de aeronaves ou de satélites de sensoriamento remoto – também chamados de satélites observação da Terra.

Um sensor a bordo do satélite gera um produto de sensoriamento remoto denominado de imagem ao passo que uma câmara aerofotográfica, a bordo de uma aeronave, gera um produto de sensoriamento remoto denominado de fotografia aérea.

De um uma forma bem resumida é isso!!!

Voltando ao tema!

Tendo em vista que a prevenção contra incêndios deve ser constante e os custos do combate à incêndios florestais cresce continuamente, gerando ônus ao Estado como observamos na figura abaixo.

Devido a isso vamos observar a aplicação do sensoriamento remoto por órgãos governamentais, defesa civil e corpos de bombeiros, como ferramenta para a antecipação dos riscos e o controle de focos de incêndio em áreas de vegetação.

BDQueimadas

O Programa Queimadas (ou portal de queimadas) do INPE realiza pesquisa, desenvolvimento tecnológico e a inovação de produtos, processos e geoserviços para o monitoramento e a modelagem da ocorrência e propagação e classificação do fogo ativo na vegetação, seu risco, extensão e severidade utilizando técnicas de Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento e Modelagem Numérica.

As informações neste portal estão divididas em 13 blocos em que o Banco de Dados de Queimadas (BDQ), permite em modo interativo análises espaciais e temporais de focos de queimadas e incêndios florestais detectados operacionalmente sobre a América Latina em imagens de satélites, atualizados a cada três horas.

O BDQ possui diversos blocos de multianálises espaciais, em que podemos observar informações continuas sobre os incêndios.

Veja alguns blocos do BDQ:

SIG BDQueimadas

Na figura acima podemos observar a tela inicial do SIGBDQ, onde já podemos visualizar os focos em um Sistema de Informação Geográfica On-Line (WebGis), com opções de filtragem dos focos em períodos, regiões de interesse, satélites e planos de informação (p.ex. desmatamento, hidrografia, estradas, e etc.), além da exportação dos dados em formatos csv, shapefile e kml.

Risco de Fogo

É o dado que representa a condição do risco de fogo observado utilizando dados meteorológicos dos últimos 120 dias e previsões futuras considerando dados de modelos numéricos de até 5 dias.

Situação Atual

Situação Atual é um exemplo de “Sala de Situação Atualizada” do Portal e fornece para os últimos dois dias os resultados de processos analíticos automatizados relevantes do monitoramento de focos de fogo ativo na vegetação feito pelo INPE a partir de imagens satélites.

Vamos finalizar!

 Agora que vimos alguns módulos do projeto BDQ temos a certeza do grande poder desta ferramenta para a detecção, monitoramento e prevenção de incêndios florestais.

Ela pode e é utilizada por diversos agentes e instituições para o combate destes incêndios….

Assim, reafirmando que sensoriamento remoto junto com os sistemas de informações geográficas é realmente necessário e essencial para a eficiência do combate dos incêndios florestais.

Desta forma finalizamos este artigo…

IAE GOSTOU?

DEPOIS DESTE ARTIGO VOCÊ ACHA QUE O SENSORIAMENTO REMOTO TEM CONTRIBUÍDO COM OS INCÊNDIOS FLORESTAIS?? COMENTA AÍ!

Bruno Allyf Bezerra Lima
Engenheiro de Pesca, pós-graduado em Georreferenciamento e Geoprocessamento de imóveis e Técnico em Informática - Desenvolvimento de Sistemas. Atualmente CEO da empresa Topos Referência, uma organização privada que tem seus fundamentos e princípios voltados a soluções inovadoras nos segmentos ambientais e da engenharia. Tem como motivação diária a necessidade de contribuir com a engenharia e seus afins, com o propósito de trazer o máximo de inovações aplicáveis para os diversos problemas vivenciados por toda a sociedade. ⁣

Prevenção e combate a incêndio em navios

Previous article

Impacto da pandemia nos jogos olímpicos de Tóquio

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Cartografia