BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias

Novo método de produção de cimento diminui em 40% a emissão de CO2

concreto-blog-da-engenhariaA nova técnica foi criada pelos alunos da Escola Politécnica (USP)

Os alunos da Escola Politécnica apresentaram nesta semana um novo método capaz de reduzir em até 40% a produção de gás carbônico na criação de cimento. Segundo cientistas, a produção de cimento corresponde atualmente a 5% do total de gás carbônico emitido na atmosfera. Utilizando mais racionalmente o controle, a seleção e as matérias-primas utilizadas na sua produção, houve um aumento considerável em termos de qualidade e maleabilidade.

Através do método, são reduzidas as quantidades de clínquer – a matéria-prima do cimento – e agregadas quantidades superiores de filler – um ingrediente que, ao contrário do clínquer, não necessita ser aquecido para ser obtido.  O clínquer, ao ser obtido pelo aquecimento e cozimento de calcário e argila, emite uma quantidade aproximada de 850 kg de CO2 por tonelada produzida. Após passar pelo processo de aquecimento, o clínquer é então moído, adicionando-se uma pequena concentração de gesso.

Segundo Vanderley John, professor da Poli e um dos responsáveis pelo projeto, “a indústria busca alternativas para aumentar a eco eficiência do processo substituindo parte do clínquer por escória de alto-forno de siderurgias e cinza volante, resíduo de termelétricas movidas a carvão. O problema é que a indústria do aço e a geração de cinza crescem menos que a produção de cimento, o que inviabiliza essa estratégia em longo prazo”.

A fim de se obter uma quantidade superior de filler, são adicionados dispersantes orgânicos que possibilitam a utilização de menores quantidades de água na mistura, por não necessitarem passar pelos processos de tratamento técnico, a calcinação.

Em laboratório, foi possível alcançar a marca de um teor próximo a 70% de filler, teor este que atualmente se encontra entorno de 10% a 30%. Com isso, se espera obter o dobro de sua produção sem a necessidade de construção de fornos, estabilizando assim as emissões.

Com a finalidade de obter sucesso em sua nova fórmula, a meta é desenvolver uma tecnologia de moagem em escala industrial.  Um exemplo de filler muito utilizado é o calcário cru que, ao ser moído em porções muito finas, deve passar por um processo extremamente rigoroso de tratamento e controle de qualidade.

Para otimizar a maleabilidade do cimento, a tecnologia responsável pelo controle e seleção das substâncias separa os grãos por tamanho, aplicando conceitos de reologia e escoamento de fluídos, aperfeiçoando a qualidade do material obtido.

Segundo Bruno Damineli, cursando doutorado na Poli, “um concreto de alta resistência com o novo método de produção de cimento pode utilizar 120 quilos por tonelada, ao invés dos 500 quilos usados atualmente”. O consumo anual de cimento atinge a marca de 3,6 bilhões de toneladas, atualmente. As estimativas sugerem que, em 2050, haja um aumento de 2,5 vezes em sua demanda, totalizando uma emissão de 20% de gás carbônico emitido.

Fonte: Agência Usp de notícias.

Total
0
Shares
2 comentários
  1. Só reforçando, as cinzas são usadas para complementar ao clínquer (se não estou enganada, as cinzas chegam a substituir 40% do clínquer), em pesquisas sobre o uso das cinzas…. foi verificado que a resistêntia do concreto pode chegar a 17% a mais, com base nesses resultados está sendo estudada a substituição de uma parte do cimento por essas cinzas. ((Tomei como base as cinzas do bagaço da cana de açucar, no caso, "o resto do resto" rsrs ))

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas
pt_BRPortuguese

WORKSHOP ENGENHEIRO PERITO

Conheça o método que engenheiros de todo o Brasil estão usando para trabalhar na justiça recebendo de R$4.375,00 á R$11.547,00.
Sem prestar concurso público!

Fique tranquilo, não enviamos spam!