BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias

Perdas, você sabe o que é isso em um Sistema de Distribuição de Água?

Como o próprio título já cita, em um sistema de produção e distribuição de água o que se perde é a água. Mas você sabe quais são essas perdas? Como essa água é perdida? Qual o impacto isso causa? E o que fazer para diminuir os índices? Então bora conferir!

Volumes de água

Antes de tudo, você precisa saber o que é volume de água produzido, faturado e micromedido.

Então, volume produzido, é toda água captada, tratada e disponibilizada para consumo, o volume micromedido, é toda a água consumida pela população e medida através de hidrômetros. E por último o volume faturado, que é meramente o volume real consumido ou o volume mínimo cobrado pela empresa. Esse, tende a ser maior que o volume micromedido.

Tipos de Perdas

Existem dois tipos de perdas, são elas:

  • Perdas Reais: basicamente é a subtração da água produzida com a micromedida (consumida), a diferença entre as duas, será o quanto de água foi perdido no processo de distribuição durante um período. Essa água, é perdida através de vazamentos de redes, extravasamentos de reservatórios, e no processo de tratamento (esse tratado como perdas internas). Pode-se afirmar, que esse tipo de perda, afeta diretamente na produção de água.
  • Perdas Aparentes: nesse caso, é a diferença da água produzida com a faturada, essa é totalmente ligada ao faturamento da unidade prestadora de serviço, pois será toda água disponibilizada para o consumidor, porém que não foi contabilizada pelo medidor, ou seja, não será faturado conforme o consumo real. Essas perdas ocorrem principalmente através de ligações clandestinas, vazamentos não visíveis, erro de leitura e problemas em medidores.
Balanço Hídrico
Balanço Hídrico – Fonte: IWA (2000)

E em quanto de água estamos falando?

São milhares de litros de água perdidos todos os anos!

De acordo com dados retirados do SNIS (Sistema Nacional de Indicadores sobre Saneamento), apontam que em 2018, o Brasil perdeu 38,45% do volume total de água distribuído e 39,02% do faturado.

Dessa forma, trazendo isso para a realidade, a cada 100 litros produzidos 38 foram perdidos diariamente, o que equivale a 7,1 mil piscinas olímpicas cheias de água perdidas todos os dias.

Faturamento
Evolução das Perdas de Faturamento no Brasil – Fonte: Trata Brasil (2020)

 

Distribuição
Evolução de Perdas na Distribuição no Brasil – Fonte: Trata Brasil (2020)

Enquanto isso, o que é mais preocupante, é que o menor índice histórico pontuado foi em 2014 e 2015 com 36,7% em perdas reais, e nos últimos anos esse número só vem crescendo.

Assim, o Instituto Trata Brasil aponta que financeiramente acarretam prejuízos de mais de R$ 12 bilhões só em 2018, que impactam diretamente as empresas prestadoras de serviços de água e esgoto.

Esse valor é muito maior do que o investimento em infraestrutura de água e esgoto atualmente.

Ranking mundial de Perdas

Em comparação com outros países, o Brasil encontra-se bem distante no ranking, onde os países mais avançados possuem perdas inferiores a 20%. A questão mais alarmante, é que muitas empresas não medem as perdas de forma confiável, onde não os dados acabam não sendo divulgados.

Índice mundial de Perdas
Índice mundial de Perdas – Fonte: Trata Brasil (2020)

Em 2018, Porto Velho-RO, era o município com o maior índice de perdas de distribuição, 71,92%. Dessa forma, pode-se observar um comparativo desse município com outros da América Latina.

Perdas em cidades da América Latina
Perdas de Distribuição em cidades na América Latina – Fonte: Trata Brasil (2020)

Situação das Perdas nos estados do Brasil

Ainda segundo o relatório do Instituto Trata Brasil, com os dados de 2018, a região norte do país está em primeiro lugar no quesito de Perdas Reais, com seus 55,53%. É bem difícil imaginar que mais da metade da água produzida foi perdida, porém isso é real.

No entanto, um dado ainda mais chocante e pontual, é Roraima, que está em seus quase 80,00% tanto em perdas reais quanto em perdas aparentes no ano de 2018.

E como combater essas Perdas?

Perdas de Água é um dos assuntos mais preocupantes nas empresas prestadoras de serviço. Não se fala somente em perda de dinheiro, mas também o impacto que tudo isso causa ao meio ambiente. Quanto mais se perde, mais é necessário se produzir, e mais precisa se captar.

As atividades para desacelerar esse ritmo, está atrelada na rotina das unidades. Envolve tecnologia, controle operacional, trabalho em equipe e muito dinheiro investido. Vai desde setorização do sistema de distribuição, até cadastro comercial atualizado, pesquisa de vazamento, caça fraude, substituições de medidores, controle de pressão, procedimentos bem implantados, e o mais importante, que toda equipe esteja envolvida.

Diminuir perdas de água requer grandes investimentos, porém existem muitas atividades desenvolvidas que não envolve nenhum tipo de capital, e sim trabalho em equipe e mentes analíticas.

Como por exemplo, controle de pressões, análise de ligações suprimidas, acompanhamento dos grandes consumidores, desenvolvimento de planilhas de controle que apoiem no trabalho diário das equipes, implantação de procedimentos dos serviços desenvolvidos na operação, entre outras várias ações.

Acima de tudo, o Brasil carece muito de saneamento básico, e é bem difícil olhar para os dados nacionais, e ver o longo caminho que ainda falta para se alcançar o menor índice de perdas, e em contrapartida o melhor atendimento com saneamento básico. Por isso falar sobre esse assunto e trabalhar com isso, é de suma importância para a população.


 

Total
0
Shares
3 comentários
  1. Muito bom o texto e informativo até coloquei como que um gestor que teve um número de perdas considerados gigantes em sua gestão é promovido ..

    Na regra da exata vivemos de resultados e estes trazem lucros e o melhor desempenho …

    1. Olá Gustavo! Fico feliz que tenha gostado..
      Tenho a visão de que existem dois pontos, a perda financeira e a perda de água, a segunda acarreta em grandes impactos ao meio ambiente. É realidade que em uma operação, se preza muito pela performance, incluindo principalmente o financeiro.
      Só não podemos esquecer que além disso, o foco é não causar grandes impactos à natureza e unir forças para melhorar o saneamento para a população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas
pt_BRPortuguese