O melhor das engenharias
BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias
red and black tractor on brown grass field during daytime

Entenda a crise mundial dos fertilizantes minerais e defensivos.

Neste artigo, você poderá entender e se atualizar sobre o tema da Crise mundial dos fertilizantes minerais e defensivos.

Antes de tudo, nem sempre sei quem vira aqui ler uma pequena coluna de um jovem Graduando de Engenharia Agronômica. E por isso vale uma bela introdução sobre fertilizantes, assim podemos todos entender melhor sobre a crise atual no setor. Se você já sabe tudo sobre fertilizantes, peço que não passe rapidamente e sim use como um lembrete.

O que são fertilizantes?

Nada mais nada menos do que compostos que são utilizados na agricultura, que tem função de aumentar a quantidade de nutrientes do solo, que hora estão em condições altas de teor e ora em condições de baixo teor (variando conforme a cultura), assim adequando melhor as condições de desenvolvimento da cultura em questão para conseguir um ganho de produtividade. São divididos entre dois tipos: Minerais e Orgânicos.

Os fertilizantes são definidos na legislação brasileira pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, como “substâncias minerais ou orgânicas, naturais ou sintéticas, fornecedoras de um ou mais nutrientes das plantas”.

MAPA.

Orgânicos

Vários são os materiais orgânicos para utilização na agricultura. Os mais lembrados são estercos ou dejetos de animais, mas também podem ser feitos de húmus, adubação verde por exemplo. Porém, a concentração de nutrientes dos adubos orgânicos é geralmente baixa (comparada aos minerais), ou seja, devem ser utilizadas doses maiores do que aquelas dos fertilizantes minerais para suprir a mesma quantidade de nutrientes.

Outro ponto, é que parte dos nutrientes está contida na forma de compostos orgânicos, que devem ser mineralizados no solo para se tornarem disponíveis às plantas, e positivamente o uso de fertilizantes orgânicos aumenta a biodiversidade do solo, com o surgimento de microrganismos que contribuem para o crescimento das plantas e aumento da MOS.

Esterco suíno e outros materiais, fonte arquivo pessoal.

Minerais

Em resumo para já irmos entrando mais direto ao ponto da crise, vamos falar sobre os fertilizantes minerais. São, minerais inorgânicos e solúveis (planta não come farofa). Os mais comuns quando falamos de fertilizantes minerais, os primeiros que vem a nossa mente são os nitrogenados, os fosfatados e os potássicos, ou a mistura deles em diferentes concentrações, o famoso N-P-K.

Nesse sentido, de forma respectiva posso citar a Ureia (45% de N), Super Fosfato Triplo (SFT, 41% de P2O5) e Cloreto de potássio (58% de K2O). Porcentagens segundo o manual de calagem e adubação RS/SC de 2016, que são os teores mínimos por lei no Brasil.

É claro que não podemos esquecer de outros macronutrientes e micronutrientes, os quais não irei citar neste artigo (fica para uma próxima), que também podem ser fornecidos tanto orgânico quanto mineralmente.

Formulado N-P-K, Arquivo pessoal.

De cabeça na Crise

Nosso Brasilzão importa a maior parte dos fertilizantes minerais utilizados em nossa agricultura, ou seja, somos dependentes nesse quesito base para produção.

Adianto agora, que o país deve se voltar para alternativas de fertilização dos solos. Em muitas regiões existe a possibilidade de aproveitamento de resíduos seja animal/industrial. O uso fertilizantes orgânicos pode favorecer a infiltração e a absorção da água e aumentar a capacidade de troca de cátions dos solos.

Segundo a Associação Nacional para Difusão Nacional de Adubos em 2017, a produção interna de fertilizantes minerais tem sido insuficiente para abastecer a forte demanda dos produtores agrícolas. Naquele ano o país já importava cerca de 70% de nitrogênio (N), 50% de fósforo (P2O5) e mais de 90% de potássio (K2O) do total utilizado no país e pouco mudou atualmente. O fato é que o país não muitas fontes de matéria prima e poucas são as extrações viáveis pelo mundo. O pulo do gato para entender é a alta demanda energética para sua síntese.

Esses pontos nos fazem entender um pouco mais sobre a dependência que temos por aqui. Essa não foi a primeira vez, teve uma “pequena crise” entre os anos de 2008-2009, com um aumento nos preços (que diminuiu seu uso até uma estabilização). E isso na época já preocupou, já que a falta ou uma restrição sobre ele pode mexer na relação agricultura/alimento. Um trabalho na Revista de Economia e Sociologia Rural em 2020, considerou que o uso dos fertilizantes minerais na agricultura brasileira é fato incontornável.

E o governo, como está lidando com isso?

Em uma entrevista a rádio bandeirantes, a ministra da agricultura Tereza Cristina fala sobre uma formação de uma tempestade perfeita. Ou seja, com problemas energéticos na China e na Bielorrússia (que são grandes fornecedores, desvalorização de nossa moeda (real) e alta do dólar). Um ponto importante para entendermos os impactos, é que serão futuros, já que a safra que está sendo plantada não sofrerá impacto. Pois os insumos já estão praticamente garantidos, o problema é a de setembro do ano que vem. E segundo a ministra, o governo trabalha para tentar evitar que faltem fertilizantes.

Tereza Cristina afirmou que o preço dos alimentos continua alto em todo o mundo como reflexo da pandemia. Indagada se o governo não poderia fazer alguma coisa para forçar uma queda no mercado interno, ela disse que sim, e que a solução passa por induzir o aumento da produção desses insumos,  em entrevista exclusiva para a rádio bandeirantes.

Já o presidente Jair Bolsonaro disse que os preços dos alimentos vão subir mais em 2022 e que pode haver problemas de abastecimento. Ele atribuiu o problema à China e à crise energética global.

Mundo e a crise

O reflexo da crise na Europa, EUA e Ásia reflete uma preocupação futura com uma alta nos preços dos alimentos, principalmente para os mais pobres. Essa classe que já sofrem com os valores atual, aumento na conta de energia elétrica, no preço do litro de combustíveis, do gás de cozinha por exemplo.

Discussão, aumento dos valores de Fertilizantes e Defensivos.

A Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, ontem (quarta-feira, 03/11/21), para discutir o abastecimento e o fornecimento de defensivos agrícolas e fertilizantes nas principais regiões produtoras de grãos do país.

Já se tem relatos o preço elevado de fertilizantes e defensivos, principalmente de herbicidas. O atraso na entrega de produtos e a quebra de pedidos e contratos de compra previamente estabelecidos pelos fornecedores.

“Nós precisamos entender a natureza do problema para que possamos buscar soluções de curto, médio e longo prazo para esse cenário que tem se instalado nas principais regiões produtoras do país e tentar amenizar o máximo possível os impactos e riscos aos produtores”, afirmou o presidente da Comissão, Ricardo Arioli.  

aqui: CNA e Federações discutem abastecimento de defensivos e fertilizantes | Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) (cnabrasil.org.br)

A CNA participou, na quinta 28/10/21, de audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, sobre falta de insumos para o plantio da safra 2021/2022. O diretor técnico adjunto da CNA, observou que há no cenário internacional uma crise de energia e uma elevação no preço do gás que atinge a China e a Europa.

China e a Europa

Na China ocorreu a redução de 90% da produção do fósforo amarelo, matéria-prima fundamental para a produção de pesticidas como glifosato, glufosinato e outros. A principal agência de planejamento econômico da China, defendeu estabilidade de suprimentos e dos preços dos fertilizantes. Devido à importância dos insumos para a produção agrícola e segurança alimentar. Já há sinais de que a escassez de fertilizantes tem impacto global. Agricultores brasileiros relatam que algumas entregas de fertilizantes e glifosato foram canceladas.

No caso europeu, grandes produtores de nitrogenados anunciaram redução ou paralização da produção, o que faz aumentar a concorrência pelo produto.

Segundo o diretor técnico adjunto da CNA, o projeto Campo Futuro da CNA já identificou aumento acima de 100% de alguns insumos, como: potássio (152%), glifosato (126%), nitrogênio (70%) e fosfato (74%).

“É um impacto absolutamente preocupante. Quem não trabalhou contratos futuros garantindo os preços e não antecipou compras de insumos com preço menor fica com a espada no pescoço dependendo do comportamento dos preços dos grãos”, ressaltou, Reginaldo Minaré diretor técnico adjunto da CNA.

Solução?

-Taxação desses insumos deveria ser zerada, até uma certa estabilização do cenário ou entendimento da nova realidade do mesmo;

-Incentivo maior para uso de fertilizantes orgânicos para pequenas e até médias propriedades, são alternativas de fertilização dos solos. Em muitas regiões existe a possibilidade de aproveitamento de resíduos seja animal/industrial. Neste sentido, o uso de fertilizantes orgânicos pode favorecer a infiltração e a absorção da água e aumentar a CTC dos solos por exemplo:

-Nesse sentido, outra melhoria são nas estruturas em rodovias, portos e ferrovias, e;

-Pensar em expansão de jazidas, o que considero mais agressivo.

Senior farmer agronomist in soybean field overlooking and checking crops before harvest.
Total
1
Shares
1 comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas
pt_BRPortuguese