BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias

A polêmica da água no Rio de Janeiro

Em algum momento de 2020, você deve ter visto nos noticiários, sobre os problemas que a cidade do Rio de Janeiro vem enfrentando com a qualidade da água. 

Além disso, a problematização não foi apenas em cima da qualidade da água, mas também no abastecimento. No início do ano de 2020, constatou-se a presença de esgoto doméstico e poluição industrial na estação de tratamento de Guandu. 

Estação de tratamento de água de Gandu (RJ)

Em cima dessas questões, trouxe aqui, vários pontos que influenciaram para que a cidade chegasse ao nível em que está com a qualidade da água. 

Venha entender melhor essa polêmica! 

Potabilidade da água 

Atualmente, a norma vigente de potabilidade de água para consumo humano está disposta no Art. 5 do anexo XX e capítulo II da Portaria de consolidação n°5 de 2017, definida pelo Ministério da Saúde. Ela dispõe sobre o padrão de potabilidade e os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano. 

Porém, apesar de essa norma ser nacional, os estados e municípios, quando necessário devem elaborar normas complementares à legislação, contemplando suas especificidades locais. 

Conseguinte, o Ministério da Saúde considera que atividades destinadas à ingestão, preparação e produção de alimentos e à higiene pessoal, devem conter água nos padrões definidos pela Portaria. 

Cianobactérias presentes na água 

Antes de falar especificamente sobre o Rio de Janeiro, você precisa entender alguns conceitos dos motivos que levaram a problematização da qualidade da água no Município. 

As cianobactérias, mais conhecidas como algas azuis ou algas cianofíceas, são micro-organismos procariontes capazes de realizar fotossíntese, mas não apresentam fotossistemas organizados em cloroplastos. 

Cianobactérias vistas através de microscópio

Eita! deu um nó na cabeça ? 

Pois bem, elas são muito confundidas com bactérias, por não possuírem um núcleo delimitado por membrana. As colônias de cianobactérias no ecossistema aquático, formam o fitoplâncton. 

água de rio com Fitoplâncton
Fitoplâncton presente na água de um rio

qual a influência delas na qualidade da água? 

Por serem encontradas em sua maioria na água doceserem capazes de sobreviver em locais com diferentes tipos de luminosidade captar nitrogênio atmosférico. 

Porém, o fator mais preocupante, é que elas produzem toxinas, que são classificadas como hepatoxinas e dermatoxinas. Ao mesmo tempo que essas toxinas as protegem, se ingerida por seres humanos podem causam danos graves. Além disso, alteram o gosto e a cor da água. 

Água de rio verde devido a alta quantidade de fitoplâncton

Dessa maneira, a produção acentuada das cianobactérias, faz com que uma grande quantidade de toxina seja liberada. Então é nesse momento que a água sofre o impacto.  

Por isso, a importância de se ter um tratamento de água adequado e controlado! 

Coleta e tratamento de esgoto no Rio de Janeiro

De acordo com o Instituto Trata Brasil, ao mesmo tempo que a cidade maravilhosa atrai diversos turistas, o saneamento básico da cidade as afasta. 

De acordo com o SNIS (Sistema nacional de Informações dobre Saneamento Básico), ano base 2018, quando se fala em abastecimento de água, a cidade está acima da média nacional, com 97,4% de atendimento à população das áreas regulares. 

No entanto, tratando-se de esgotamento sanitário, estima-se que 85,1% da população da capital fluminense possui coleta de esgoto, porém apenas 42,9% são tratados.  

Córrego na Praia de Mauá em Magé (RJ) – Foto: Léo Lima (2021)

E para onde você acha que esse esgoto não tratado vai? 

Isso mesmo! Grande parte dele, é descartado na natureza de forma incorreta e irregular. É onde graves consequências são trazidas a população.  

Entre 2010 e 2018, cerca de apenas R$ 2,5 bilhões foram investidos nos serviços de água e esgotamento. Valor muito baixo, considerando que se trata da principal cidade turística do país. 

Cianobactérias e esgoto 

No parágrafo acima, você já deve ter conseguido entender metade da causa dessa polêmica em cima da qualidade da água. 

Os fitoplânctons, são seres de estrema importância para o planeta, porém o homem frequentemente afeta os ambientes aquáticos, e uma das atividades que mais impacta, é o despejo de esgoto doméstico, industriais e da agricultura. 

Resumidamente, todo esse material deixado no meio aquático, provoca um fenômeno chamado eutrofização. Sendo um processo de enriquecimento do ambiente aquático com a quantidade de nitrogênio e fósforo disponíveis na água reduzindo a quantidade de oxigênio. 

Peixes mortos na água
Peixes mortos na lagoa Rodrigo de Freiras no Rio de Janeiro

Dessa maneira, a eutrofização é considerada o maior causador da floração ou bloom. Nada mais é do que o aumento descontrolado do fitoplâncton na superfície aquática, e pode ser observada pela mudança na coloração da água.  

Concluindo, quando ocorre o aumento dessas cianobactérias na água, surge um grave problema ambiental e de saúde pública! 

Ligando os pontos 

Até aqui, você já deve ter chegado na sua própria conclusão. Mas para complementar tudo o que foi dito até agora. O homem como sempre afetando a si mesmo e ao meio ambiente principalmente. 

De tal forma que, as cianobactérias são seres essenciais para o planeta, porém são mostradas como as vilãs da história. Mas fica bem claro, que o esgoto jogado de forma incorreta na natureza é o causador grande parte desse problema com a qualidade da água no Rio de Janeiro. 

É claro que  entra também, a falta de controle, o tratamento inadequado e a falta de atitudes dos órgãos públicos em principalmente cortar o mal pela raiz.  

Cada vez, fica mais escancarada a necessidade de se ter Saneamento Básico para a população e acima de tudo educação para o homem, que sempre insiste em jogar a sujeira para debaixo do tapete, achando que nunca terá que pagar a conta. 

Afinal, para a natureza não existe cheque especial!

 

Total
0
Shares
1 comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas
pt_BRPortuguese

WORKSHOP ENGENHEIRO PERITO

Conheça o método que engenheiros de todo o Brasil estão usando para trabalhar na justiça recebendo de R$4.375,00 á R$11.547,00.
Sem prestar concurso público!

Fique tranquilo, não enviamos spam!