Categorias

Internet Starlink: Uma solução ou um novo problema?

A conexão via internet se faz necessário atualmente para quase tudo que envolve tecnologia, seja no celular, no computador, no tablet, na televisão, entre outros dispositivos e acessórios, estamos conectados à rede. De tal forma que, utilizamos para trabalhar, para estudar, realizar pesquisas, se divertir, postar fotos e vídeos, escrever artigos, sempre estamos conectados de internet.

No Brasil são utilizados diversos tipos de internet, as conexões mais conhecidas são: via cabo, ADSL, via rádio, via satélite e fibra ótica. Cada uma com suas vantagens e desvantagens de velocidade, da qualidade de sinal, do preço, dos equipamentos, entre outras caraterísticas.

Nesse artigo vamos entender melhor sobre a internet via satélite da Starlink, que pode ajudar a resolver vários problemas de acesso à internet, porém pode trazer novas discussões devido aos seus impactos. Então conecte-se no seu 3G e vem comigo!!!

O que há de diferente nesses satélites?

A grande maioria dos serviços de internet via satélite utilizados no mundo ficam na órbita geoestacionária do planeta com altitude de mais de 35.000km, causando uma alta latência. Por outro lado, os satélites na Órbita Baixa da Terra possuem uma conexão de internet de alta velocidade e baixa latência (Latência é o tempo que a informação leva para chegar ao seu destino na rede).

Os satélites da Starlink ficaram na faixa de órbita baixa da terra, uma de suas características é que ele utiliza apenas uma matriz solar para alimentação dos seus sistemas, reduzindo possíveis falhas. Podemos ver uma representação do Starlink no vídeo abaixo.

Representação da abertura do Satélite da Starlink.

Devido às limitações de tamanho e custo, os satélites chegam ao espaço dobrados dentro da coifa, local localizado no topo do foguete onde fica a carga útil. Após atingir uma determinada altitude eles vão sendo liberados e começam a abrir para ficar na sua forma final.

Com o intuito de evitar colisões com outros satélites e detritos espaciais, os satélites da Starlink possuem um sistema autônomo para desviar deles. Os satélites possuem um sistema de propulsão de ion, que permite realizar manobras durante sua vida útil.

A SpaceX planeja lançar 12.000 satélites nos próximos anos para atender o planeta como um todo, porém já solicitou o lançamento de 40.000 satélites. Por serem compactos, há uma maior facilidade de lançar dezenas de satélites ao mesmo tempo ao espaço.

Valores e disponibilidade

O custo do equipamento da Starlink hoje no Brasil é por volta de R$ 2.000,00 sem contar os impostos e o frete, mais uma mensalidade de R$230,00 para utilização do sistema. No site da Starlink é possível verificar a disponibilidade do serviço na sua cidade ou região de utilização.

Uma novidade é que até o dia 9 de junho no Brasil, o serviço da Starlink está com uma promoção de 50% de desconto nos equipamentos e 20% no preço da mensalidade, desse modo o valor fica em R$ 1.000,00 para os equipamentos e R$184,00 para a mensalidade.

Uma opção para que vive na estrada, é a utilização do Starlink Mobility que é instalado no teto veículos que permite ter uma conexão à internet, mesmo estando em movimento. Seu custo é um pouco mais elevado, onde o equipamento é RS2.500,00 + R$ 250,00 de mensalidade + impostos e frete.

Para conectar nesse sistema de internet aqui na terra é utilizado um kit da Starlink, composto por uma antena, roteador, cabos e uma base. Para a sua instalação é necessário um local sem obstruções para o céu. Por fim, o aplicativo da Starlink permite buscar um melhor local para a instalação do sistema.

Uma solução?

A facilidade de conexão permite utilizar esse sistema em diversos locais, como áreas remotas ou áreas que tiveram algum desastre natural, como terremotos, furacões, enchentes. Uma vez que esses locais tenham esse sistema, o fácil acesso a rede permite a comunicação de equipes de resgate, suporte e orientação para atender as necessidades nessas situações.

Grande parte das infraestruturas de internet são feitas por cabos e antenas, e em situações de desastres naturais elas são danificadas ou destruídas, podendo levar dias, semanas ou meses para serem reestabelecidas.

O lançamento dos satélites do Starlink são feitos pelo foguete da SpaceX no foguete Falcon 9, podendo levar dezenas de satélites por lançamento. Atualmente existem mais de 4.000 satélites da Starlink em funcionamento, algumas centenas não funcionam mais e outras utilizando o sistema de reentrada queimaram na atmosfera.

Montagem do Foguete Falcon 9 com os Satélites Starlink. Fonte: Pinterest.

Um novo problema?

Se por um lado, temos uma solução para a conexão em qualquer local do planeta, alguns problemas surgem com o uso dessa tecnologia. Em primeiro lugar é a quantidade de detritos espaciais gerados por missões espaciais de diversas empresas. Outra questão, é que devido a essa quantidade de satélites as observações começam a ter dificuldades, uma vez que esses satélites causam interferências.

starlink
Fonte: Cliff Johnson/Clara Martínez-Vázquez/DELVE Survey

Podemos notar as trilhas que são formadas nas observações, devido a luz refletida pelos satélites. Além disso, outras observações vem sendo atrapalhadas, não somente de telescópios aqui na Terra, bem como o Telescópio James Web que está a 1,5 milhão de quilômetros de distância.

Uma alternativa que está sendo utilizadas nos novos satélites da Starlink é o revestimento com uma tinta escurecida, para tentar diminuir os impactos dessa luz refletida nas observações astronômicas.

É possível avistar os satélites da Starlink em direção a órbita baixa da Terra, inclusive aqui do Brasil. Dessa maneira, se algum dia você estiver observando o céu e notar esses pontos em sequência você já sabe o que são eles.

Satélites Starlink sendo lançados ao espaço.

Essas tecnologias surgem para facilitar e melhorar nossas vidas como a internet da Starlink, porém coloca em pauta problemas com o uso dessas tecnologias. Dessa forma, forçam a sociedade a tomar decisões para contornar essas dificuldades e seguir por novas soluções.

Fontes: SpaceX e Starlink.

Postagens Relacionadas
living heritage
consulte Mais informação

Programa “Living Heritage” da Dassault Systèmes recria seis locais históricos no mundo virtual

• Depois de “Virtual Harmony” e “Water for Life”, o próximo passo em “The Only Progress is Human” permite que gerações atuais e futuras experimentem seis locais do Patrimônio Mundial da UNESCO • Estudantes da Alemanha, Índia, Japão, México, Holanda e Estados Unidos utilizaram a plataforma 3DEXPERIENCE da Dassault Systèmes para criar Virtual Twin de cada local • Os mundos virtuais abrem oportunidades de aprendizado e constroem pontes entre pessoas, oferecendo às gerações futuras a oportunidade de descobrir as conquistas do passado e a mapear o caminho para um futuro melhor!