BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias
clear glass bottle on white table

ANVISA e o caso das pomadas de cabelo: entenda tudo aqui!

No dia 10 de fevereiro de 2023 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), através da RESOLUÇÃO-RE Nº 475, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2023, amparada pela pelo que prevê os arts 6º, 7º da Lei 6360, de 23 de setembro de 1976,  proibiu a comercialização de pomadas de cabelo, seja para fixação, modelagem ou realização de trança devido a a diversas denúncias realizadas por pessoas que relataram danos a saúde após a utilização do produto. 

Mas, o que levou à proibição? Vamos entender um pouco mais!

ANVISA e a proibição das pomadas

Primeiramente, vamos identificar o vem acontecendo:

As denúncias reportadas a ANVISA foi de que após a utilização do produto foram identificados sintomas de cegueira temporária, vermelhidão nos olhos, coceira , dentre outros. Além disso, foi informado que os sintomas apareceram após a ida à piscina, praia ou ficar sob chuva. Contudo, a presença da água não é o problema, já que é meio óbvio que o produto foi dissolvido em água e escorreu até os olhos.

Irritação após o uso de pomadas

Sobretudo, a intervenção cautelar foi devido, ao elevado número de pessoas, em diferentes áreas do país que reportaram os mesmos sintomas utilizando produtos de marcas diferentes. Logo, por não advir de uma marca específica, a proibição foi geral até que se possa aferir a real causa do problema.

O que pode ter ocorrido?

Primeiramente, apenas para recordar, a água fez com que o produto, ou alguma substância fosse solubilizada e carreada até a região dos olhos.

Antes de mais nada, é verificar se todos os compostos utilizados na formulação das pomadas são autorizados pela ANVISA.

Composição de produtos

OBS: Não que os que são autorizados não sejam nocivos.

Um outro fator que pode ser citado, é na incompatibilidade dos compostos que, sozinhos não sendo vilões, reajam formando substâncias que possam ser prejudiciais a saúde.

Tipos de reações químicas

“Água demais mata planta”.

Autor desconhecido.

Ainda, podemos ver a concentração de cada composto. Como assim? Alguns compostos em baixas concentrações podem não ser tóxicos, mais ao ser aumentada na formulação do produto pode vir a trazer danos a saúde.

Por fim, um fator de menor probabilidade, é na reação dos compostos desse produto com os compostos presentes na água, no caso os produtos de tratamento de piscina. Em contrapartida, não justifica os casos da água do mar e da chuva.

Pomadas e sua composição

Para que se tenha o efeito desejado, todos os produtos possuem compostos químicos em sua formulação.

Vamos citar alguns exemplos, mas, que não deve ser interpretado como a causa.

“Todo mundo é inocente até que se prove o contrário”.

Autor desconhecido.

O propilenoglicol é um composto que é utilizado como, excipiente em óleos essenciais, aditivo alimentar, fixador de perfume, hidratante em produtos dermatológicos e cosméticos, dentre outros. Uma propriedade física desse composto é sua completa miscibilidade com a água. Isso quer dizer, ao entrar em contato com a água o composto vai ser solubilizado, e, se essa água entrar em contato com seus olhos, irá causar irritação. Mas, é totalmente reversível.

Propilenoglicol em pomadas
Compostos químicos presentes em produtos de higiene

Ah! E esse produto é autorizado pela ANVISA.

Sintomas e precauções na utilização da pomada

Um fato é que. Ao comprar um produto você não lê na embalagem as contra-indicações e os procedimentos com a armazenagem.

Pegue qualquer produto de cosmético na sua casa e de uma olhada. Creio que serão aquelas letras minúsculas.

As frases abaixo podem ser encontradas:

  • Não usar em grávidas e não aplicar em crianças
  • Não usar se a pele estiver irritada ou lesionada.
  • Suspenda o uso no caso de irritação e procure orientação médica. 
  • Manter fora do alcance de crianças. 
  • Em caso de contato com os olhos, lavar abundantemente com água.

Agora me diz? Qual dessas recomendações você segue? Ou se dá o trabalho de seguir Similarmente, você segue as recomendações de armazenamento?

  • Manter em local seco, drenado e arejado, manter longe do calor e da umidade. 

As recomendações não são em vão, esses fatores podem fazer com que os compostos ali presentes reajam formando outras substâncias.

Qual a duração?

Pelo que prevê a Lei 6.360, o prazo é de 90 dias contados a partir da publicação da medida em Diário Oficial.

Sobretudo, a liberação do produto está sujeita ao resultado obtido pela ANVISA, das investigações que vem sendo realizado para descobrir o composto químico que tem causado estes dados. Enquanto isso, a medida irá se manter e novas ações poderão ser realizadas pelo órgão regulador ou até mesmo prorrogação do prazo.

Conclusão

Devido ao grave risco, consumidores e produtores devem seguir as recomendações da ANVISA, em não adquirirem, comercializarem, nem produzir pomadas de cabelo

Além disso, é importante verificar qual os procedimentos a serem realizados em casos de má manipulação.

Em suma, antes de utilizar o produto, uma medida mais cautelosa é na verificação da autorização do produto no site da ANVISA. Uma medida corretiva, é reportar o caso a agência reguladora.

Por fim, curtam e compartilhem. E não deixem de acompanhar o Blog da Engenharia.

Total
1
Shares
Postagens Relacionadas