BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias

O oganesson, o mais novo elemento!

Antes de tudo, como já diz o velho ditado: “ Os últimos serão os primeiros”. Sendo assim,  nesse primeiro artigo da coluna de engenharia química, que tal conhecermos o oganessônio ou oganesson?

Devem estar se perguntando: quem é esse indivíduo? Calma rs. Esse é o nome com que o último elemento químico da tabela periódica foi batizado.

oganesson

Sempre, tanto no ensino médio quanto na universidade, estudamos mais os elementos químicos classificados como metais alcalinos, (família 1 e 2 A), metais, semimetais, ametais e muito pouco os gases nobres, lantanídeos e actinídeos. 

tabela periódica

Consequentemente, o elemento químico, tendo sua descoberta recente, não é falado amplamente, isso quer dizer, apenas no âmbito das pesquisas.  Além disso, conhecimento nunca é demais! Ainda bem que existe o Blog da Engenharia para trazer esse conteúdo para você, não é mesmo? Vamos começar!

O nascimento de Oganesson 

À primeira vista, vocês podem estar estranhando o título do tópico. Porém, ele retrata exatamente como o oganesson foi descoberto. Esse elemento químico não existe na natureza, ou seja, é sintetizado.

Como já dito por Sir Lavoisier, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma. Esse elemento químico foram criados em um ciclotron, onde, neste caso, os pesquisadores colidiram um átomo de califórnio e um átomo de cálcio.

nascimento de oganesson

Como resultado dessa reação nuclear, foram obtidos o átomo de oganesson, bem como, três nêutrons. Anteriormente, já haviam relatado a criação deste elemento químico através da reação entre os átomos de chumbo e o criptônio. Os dados disponibilizados eram FAKE NEWS!

Como sempre, temos a necessidade de dar nome às coisas, diante disso, esse novo elemento químico foi batizado com o nome de seu criador, o físico russo Yuri Oganessian.

Em conclusão, acontece a única coisa que temos certeza na vida, a morte! Neste ínterim, as partículas não morrem, elas sofrem decaimento. No caso do oganesson seu núcleo dura aproximadamente alguns milissegundos, seu núcleo decai em livermório liberando partículas alfa.

E na prática.

A inexistência de isótopos estáveis,  fazem com que as informações referentes ao oganesson sejam inferidas. Isso quer dizer que, na prática, não temos estudos das propriedades físicas e químicas do elemento. Um dia será possível?

Não sei!

Assim também, não temos compostos com a presença desse elemento químico devido sua radioatividade e meia vida muito curta. Acima de tudo, a descoberta de tudo que compõe nossa natureza é primordial e de extrema importância. Isso mostra o avanço da nossa tecnologia e da ciência em todos os sentidos.

Agora, é aguardarmos a descoberta de novos elementos químicos. De maneira idêntica, a aplicação prática desses novos elementos.

Ansiedade dos estudos

Por fim, indico que assistam os vídeos  encontrados no sítio da tabela periódica é enriquecedor. Espero que tenham gostado, até a próxima!

Curtam, compartilhem e comentem o artigo. Igualmente, não deixem de acompanhar os artigos do blog da engenharia.

Total
0
Shares
1 comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas
pt_BRPortuguese