O melhor das engenharias
BDE News

Assine a nossa newsletter

Digite o seu e-mail para receber a nossa newsletter.

Não se preocupe, não fazemos SPAM
Categorias
petróleo

Uma análise do petróleo no contexto COVID-19

O primeiro caso de covid-19 no mundo, ocorreu em Wuhan (China) no final do ano de 2019. Por ter sido o epicentro do vírus, sofreu um grande impacto inicialmente. A Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla inglês) estimava que a demanda chinesa por petróleo seria de 1,8 milhão de barris por dia inferior à de 2019 no primeiro quadrimestre de 2020.

Com o isolamento do mundo, vários setores da economia foram afetados. Na indútria
petroleira o impacto não poderia ser diferente. Com as paradas de operação e pela interrupção no fornecimento de materiais, a demanda teve uma grande queda.

No fechamento do mercado internacional do petróleo, em março, o preço do barril do
petróleo caiu 30%, a maior queda desde a Guerra do Golfo Pérsico de 1991. A previsão para 2020 era de que a economia mundial crescesse 3%, mas segundo o balanço mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), essa estimativa caiu para 2,4% durante o início pandemia global (três primeiros meses).

Tanques para armazenamento de petróleo. Foto: Avigator Fortuner / Shutterstock.com

A crise do petróleo atingiu o desempenho financeiro da britânica BP, a primeira grande
empresa a divulgar seu balanço do primeiro trimestre do ano de 2020. Os lucros da empresa despencaram 67% nos primeiros três meses de 2020 para US $ 800 milhões, mesmo o agravamento do coronavírus começando em meados de fevereiro.

A indústria do petróleo é uma das indústrias mais vulneráveis ao coronavírus. Principalmente no início da pandemia, as pessoas não enchiam os tanques de seus carros (ou pelo menos não os enchiam com tanta frequência), e os aviões da companhia aérea estavam estacionados.

Fechamento do ano 2020

De acordo com o site Poder 360 o barril do petróleo encerrou 2020 mais barato do que
começou. Os contratos do petróleo Brent (referência do Mar do Norte, na costa do Reino Unido) fecharam 31.dez.2020 em US$ 51,80, uma queda de 21,5% em comparação ao preço de 2019 (US$ 66,00). Já o petróleo dos Estados Unidos (WTI) concluiu as operações a US$ 48,52 o barril, redução de 20,5% em relação ao valor de referência do fim do ano passado (US$ 61,06).

Funcionário segura amostra de petróleo bruto no campo de Yarakt, na região de Irkutsk, Rússia
Funcionário segura amostra de petróleo bruto no campo de Yarakt, na região de Irkutsk, Rússia
VASILY FEDOSENKO/REUTERS – 11/03/2019

Valores de combustíveis altos

Desde o início de 2021, o preço da gasolina por litro nas refinarias aumentou 34,78%, e
o preço do diesel aumentou 27,72%. Esse aumento de receita é repassado à população por meio de distribuidoras e postos de serviços. Só neste ano, a gasolina quadruplicou. Nos postos de gasolina, a gasolina é vendida a preços superiores a 5 reais.

O motivo de tantos aumentos nos preços dos combustíveis é a política de preços adotada pela Petrobras. Desde o golpe de 2016 e o impeachment da presidente Dilma, o governo Temer e agora o Bolsonaro passaram a adotar os preços internacionais do petróleo, ou seja, se o preço do petróleo estrangeiro subir, o preço do petróleo Brasil vai subir.

Análise Petróleo 2021

De acordo com a Petrobrás no 1T21, mantiveram um sólido desempenho operacional,
mesmo com o agravamento da pandemia da COVID-19 no Brasil. A produção média de óleo, LGN e gás natural no 1T21 foi de 2,77 MMboed, 3,1% acima do 4T20 devido à continuidade do ramp-up da plataforma P-70, instalada no campo de Atapu, e a menores perdas com paradas para manutenção em plataformas do présal. Quando comparado com o 1T20, a produção teve uma redução de 5% devido, principalmente, aos desinvestimentos concluídos ao longo de 2020 e início de 2021 e ao declínio natural de produção, que teve uma média de 11% nos projetos que já atingiram o seu pico de produção e entraram na fase de declínio.

A produção no pré-sal totalizou 1,90 MMboed no trimestre, representando 69% da produção total da Petrobras contra 63% registrados no 1T20. A produção nas plataformas do campo de Búzios aumentou 14%, devido, principalmente, à maior eficiência e à estabilização das unidades. Registramos, também, aumento da produção no campo de Tupi, devido ao término do ramp-up da P-67, e nos campos de Berbigão, Sururu e Atapu, com a continuidade do ramp-up das plataformas P-68 e P-70.

Petróleo veículos elétricos

Fechamento do ano 2021

A Petrobras anunciou em 09 de fevereiro de 2022 que superou todas as metas de produção estabelecidas para 2021, estabelecendo diversos recordes, incluindo resultados na produção própria do pré-sal, com média anual de 1,95 milhão de barris de óleo equivalente, respondendo por 70% do total da empresa.

“Nossa produção no pré-sal vem crescendo rapidamente e o recorde registrado representa mais do que o dobro do volume que produzíamos nesta camada há cinco anos”

disse o diretor de Desenvolvimento da Produção, João Henrique Rittershaussen

A Petrobras também destacou um aumento de 8,5% nas vendas de derivados em 2021 em relação a 2020, com ênfase no aumento da comercialização de gasolina, diesel e querosene para aviação, principalmente devido ao forte impacto das vendas de derivado da pandemia do novo coronavírus em 2020, além da menor importação de gasolina e diesel por terceiros entre os períodos, resultando em aumento da participação da companhia no mercado.

Outro derivado que contribui para o crescimento das vendas totais é o óleo combustível, que aumentou em 2021 em relação ao ano anterior, devido ao aumento da demanda para uso em térmicas.

A Petrobras também bateu recordes anuais de vendas e produção de diesel S-10 em 2021, proporcionando melhores resultados ambientais e econômicos para os usuários. As vendas de diesel S-10 aumentaram 34,7% e a produção aumentou 10%.

Total
18
Shares
1 comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas
pt_BRPortuguese