0

Engenharia Metalúrgica:

  • Complementa a Engenharia de Minas.
  • É um ramo da Engenharia de Materiais.
  • Dá suporte a Engenharia Mecânica.

Entenda o porquê:

A Engenharia Metalúrgica complementa a Engenharia de Minas porque é responsável pela transformação da matéria-prima bruta (minério) em produtos semiacabados.

É o que acontece nas indústrias de base, como as metalúrgicas. Nelas é produzido o material base (metal ou liga metálica) que será destinado a outra indústria para transformá-lo em produtos acabados.

Processo produtivo de indústria de base

É um subconjunto da Engenharia de Materiais, a qual abrange o universo de todos os materiais (metais, polímeros, cerâmicos e compósitos).

Engenharia Metalúrgica: um subconjunto da Engenharia de Materiais

Por fim, dá suporte a Engenharia Mecânica já que o material predominante nos equipamentos são os metais, então é a Engenharia Metalúrgica a responsável por empregar os conhecimentos da ciência dos materiais para encontrar a microestrutura e o processamento, que determinará as propriedades adequadas às aplicações projetadas pelos engenheiros mecânicos, o que é bem definido pelo tetraedro da Ciência dos Materiais.

Tetraedro da Ciência dos Materiais

Onde o profissional atua?

Em ambientes de extração e beneficiamento de minérios, em indústrias que produzem metal ou que o utilizam para produzir produtos metálicos.

A imagem abaixo mostra quais industrias se encaixam nessas categorias.

Mapa mental do campo de atuação do engenheiro metalúrgico

Dentro desse contexto industrial, o engenheiro metalúrgico pode atuar em 3 áreas:

  1. Produção: atua diretamente no processo.
  2. Técnica-operacional: desenvolve projetos de melhoria do processo.
  3. Pesquisa e desenvolvimento: desenvolve produtos e processos para produção desses produtos.

Em qualquer uma dessas áreas poderá ocupar cargos de gestão e/ou de engenheiro especialista.

As habilidades

Habilidade de liderança, bom relacionamento interpessoal e saber trabalhar sob pressão serão necessários em qualquer uma dessas áreas e cargos, pois ser engenheiro é muito além de ter um diploma e saber fazer conta!

 

Mercado de trabalho

As universidades brasileiras que oferecem o curso de Engenharia Metalúrgica estão localizadas em regiões estratégicas para atender a demanda da indústria da região, sendo assim na região sudeste a empregabilidade é maior nas indústrias de transformação, ao passo que na região centro-oeste é maior no setor de mineração.

É muito comum ler reportagens dizendo que o mercado da Engenharia Metalúrgica no Brasil está aquecido. Porém, essas estatísticas não descrevem a realidade do bacharel na área.

Panorama geral

Como vimos, o campo de atuação é vasto. Porém, o que vai definir a seleção do profissional pelo mercado de trabalho é o seu perfil comportamental.

O mercado de trabalho oferece vagas, onde são necessárias habilidades como:

  • Raciocínio lógico
  • Objetividade
  • Foco em resultado
  • Bom relacionamento interpessoal
  • Capacidade de liderança

Isso abre o leque para todo e qualquer graduado em engenharia. Nesse caso, a empresa vai explorar as características pessoais do profissional e determinar o conhecimento técnico que ele deverá ter, que pode não estar relacionado a formação técnica adquirida na universidade.

Panorama específico

Se o bacharel em Engenharia Metalúrgica desejar atuar na área técnica, a realidade é mais desafiadora.

O mercado de trabalho dá preferência aos profissionais que tem experiência na área e não formação, por exemplo:

Um funcionário pode começar como técnico em uma empresa do setor metalúrgico, graduar-se num curso que não seja Engenharia Metalúrgica, mas por ter ensino superior, ocupar a vaga de analista para desempenhar uma função adequada a um graduado em Engenharia Metalúrgica.

Também é comum vagas onde o requisito é a formação em Engenharia Mecânica ou Química, sendo que o campo de atuação e as atribuições são adequadas aos graduados em Engenharia Metalúrgica.

A causa desse panorama no Brasil é a ausência, tanto por parte dos próprios engenheiros, como dos profissionais de recursos humanos, de uma cultura de conhecimento e respeito às atribuições de cada uma das engenharias.

Esse panorama resulta em 2 problemáticas:

  1. Os profissionais da área sofrem com a restrição das oportunidades de atuação e acabam atuando fora do setor metalúrgico.
  2. Seguem a carreira acadêmica por quererem trabalhar na área técnica e não conseguirem oportunidade para atuar no ambiente metalúrgico industrial.

Para isso é importante que cada universitário e profissional da engenharia saiba as atribuições e campo de atuação dos demais colegas, a fim de adequar a vaga ao profissional que se preparou para aquelas atribuições e fazer com que a engenharia se exerça da maneira mais plena possível.

Pelo O QUE É e pelo O QUE REPRESENTA, merece mais

A Engenharia Metalúrgica está extremamente presente no nosso dia a dia, indo desde um simples utensílio doméstico até uma nave espacial, passando pelas indústrias de construção civil e de biomateriais.

Ao ver a cuba de uma pia de cozinha, por exemplo, ninguém imagina quanta engenharia é necessária para desenvolver a microestrutura do aço e o processo de conformação adequado àquela geometria.

Ao ver carros ninguém imagina as décadas de pesquisa para desenvolver o aço com propriedades que ofereçam maior segurança aos passageiros em caso de colisão.

Portanto, pelo o que é e pelo o que representa, a Engenharia Metalúrgica merece ser mais valorizada no mercado de trabalho.

Entretanto, os profissionais que souberem mostrar a importância da ciência dos materiais nos projetos e problemas de engenharia pertencentes ao universo dos metais terão diferencial no mercado.

Sendo assim, para os que quiserem conhecer os processos de transformação do minério em metal, tratamentos termomecânicos, corrosão, soldagem e etc sejam bem-vindos ao mais lindo mundo dos metais e suas ligas!

Nuvem de palavras da Engenharia Metalúrgica

 

 

 

Lílian Barros da Silveira
Engenheira e mestre em Engenharia Metalúrgica pela Universidade Federal Fluminense. Possui treinamento na área de ensaios não destrutivos e inspeção de equipamentos. Foi consultora na Empresa Júnior Pulso Consultoria. Estagiou no setor de siderurgia e é atuante no mercado financeiro. Administradora do Instagram @Engenharia_Integral. É de Volta Redonda/ RJ. Adora ler, tem a meditação como um hábito e a corrida como prática esportiva.

    Tsunami de plástico: O chamado do Oceano

    Previous article

    Análise metalúrgica da causa do acidente de Ayrton Senna – Parte 1

    Next article

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Login/Sign up